SEGUNDO SAMUEL

0
14
PRIMEIRO SAMUEL
PRIMEIRO REIS

SEGUNDO SAMUEL

1 Davi toma conhecimento da morte de Saul1Depois da morte de Saul, Davi, ao voltar da vitória sobre os amalecitas, ficou dois dias em Siceleg. 2Ao terceiro dia, chegou um homem que vinha do acampamento, de junto de Saul. Tinha as vestes rasgadas e a cabeça coberta de pó. Ao chegar perto de Davi, atirou-se por terra e se prostrou. 3Disse-lhe Davi: “Donde vens?” Ele respondeu: “Escapei com vida do acampamento de Israel.” 4Davi perguntou: “Que aconteceu? Dize logo!” O homem disse: “As tropas fugiram do campo de batalha, e muitos caíram e estão mortos. O próprio Saul e seu filho Jônatas pereceram!” 5Perguntou Davi ao que trouxera a notícia: “Como sabes que Saul e o seu filho Jônatas estão mortos?” 6O mensageiro respondeu: “Eu estava casualmente no monte Gelboé e vi quando Saul se atirou sobre a própria lança, quando se aproximavam os carros e cavaleiros. 7Ele voltou-se, viu- me e me chamou. Eu disse: ‘Eis-me aqui!’ 8Ele perguntou-me: ‘Quem és tu?’ E eu lhe disse: ‘Sou um amalecita.’ 9Ele então me disse: ‘Aproxima- te e mata-me porque estou com muita vertigem, apesar de sentir a vida toda em mim.’ 10Então me aproximei dele e lhe dei a morte, porque eu sabia que ele não poderia sobreviver, tendo caído. Depois apanhei o diadema que ele trazia na cabeça e o bracelete que estava no seu braço e os trouxe ao meu senhor.” 11Então Davi apanhou as suas vestes e as rasgou, e todos os homens que o acompanhavam fizeram o mesmo. 12Lamentaram-se, choraram e jejuaram até à tarde por Saul e por Jônatas, seu filho, e por causa do povo de Iahweh e da casa de Israel, porque haviam caído pela espada. 13Davi perguntou ao moço que lhe trouxera as notícias: “Donde és tu?” Ele respondeu: “Eu sou filho de um estrangeiro residente, de um amalecita.” 14Disse-lhe Davi: “Como não receaste levantar a mão contra o ungido de Iahweh para tirar-lhe a vida?” 15Davi chamou um dos moços e disse: “Aproxima-te e mata-o!” O moço o golpeou e ele morreu. 16Disse-lhe Davi: “Que o teu sangue caia sobre a tua cabeça, porque a tua boca testemunhou contra ti quando disseste: ‘Fui eu quem matou o ungido de Iahweh’.”

Elegia de Davi sobre Saul e Jônatas17Davi compôs a seguinte lamentação sobre Saul e seu filho Jônatas. 18Ele disse (para ensinar os filhos de Judá e manejar o arco; está escrito no Livro do Justo): 19“Pereceu o esplendor de Israel nas tuas alturas? Como caíram os heróis? 20Não o publiqueis em Gat, não o anuncieis nas ruas de Ascalon, que não se alegrem as filhas dos filisteus, que não exultem as filhas dos incircuncisos! 21Montanhas de Gelboé, nem orvalho nem chuva se derramem sobre vós, campos traiçoeiros, pois foi desonrado o escudo dos heróis! 22O escudo de Saul não foi ungido com óleo, mas com o sangue dos feridos, com a gordura dos guerreiros; o arco de Jônatas jamais hesitou, nem a espada de Saul foi inútil. 23Saul e Jônatas, amados e encantadores, na vida e na morte não se separaram. Mais do que as águias eram velozes, mais do que os leões eram fortes. 24Filhas de Israel, chorai sobre Saul, que vos vestiu de escarlate e de linho fino, que adornou com ouro os vossos vestidos. 25Como caíram os heróis no meio do combate? Jônatas, a tua morte dilacerou-me o coração, 26tenho o coração apertado por tua causa, meu irmão Jônatas. Tu me eras imensamente querido, a tua amizade me era mais cara do que o amor das mulheres. 27Como caíram os heróis e pereceram as armas de guerra?”

IV. Davi

1 DAVI, REI DE JUDÁ

2 Sagração de Davi em Hebron1Depois disso, Davi consultou a Iahweh nestes termos: “Subirei a uma das cidades de Judá?”, e Iahweh lhe respondeu: “Sobe!” Davi perguntou: “A qual subirei?”, e a resposta foi: “A Hebron.” 2Davi subiu para lá, e também as suas duas mulheres, Aquinoam de Jezrael e Abigail, a mulher de Nabal de Carmel. 3Quanto aos homens que estavam com ele, Davi os fez subir cada um com a sua família, e se fixaram nas aldeias de Hebron. 4Vieram os homens de Judá e ali ungiram a Davi rei sobre a casa de Judá.

Mensagem ao povo de Jabes — Comunicaram a Davi que os habitantes de Jabes de Galaad tinham dado sepultura a Saul. 5Então Davi enviou mensageiros aos habitantes de Jabes dizendo: “Benditos sejais de Iahweh, por terdes realizado esta obra de misericórdia para com Saul vosso senhor, e lhe terdes dado sepultura! 6Que Iahweh tenha para convosco misericórdia e bondade, e eu também vos farei bem, porque assim procedestes. 7E agora, enchei-vos de coragem e sede valorosos, porque Saul vosso rei está morto. Quanto a mim, a casa de Judá já me sagrou seu rei.”

Abner impõe Isbaal como rei de Israel8Abner, filho de Ner, chefe do exército de Saul, tinha levado consigo Isbaal,” filho de Saul, e o tinha feito ir a Maanaim.” 9Ele o estabeleceu como rei sobre Galaad, sobre os aseritas, sobre Jezrael, Efraim, Benjamim, e sobre todo o Israel. 10Isbaal, filho de Saul, tinha quarenta anos quando se tornou rei de Israel, e reinou dois anos. Somente a casa de Judá seguia a Davi. 11O tempo que Davi reinou em Hebron sobre a casa de Judá foi de sete anos e seis meses.

Guerra entre Judá e Israel. Batalha de Gabaon12Abner, filho de Ner, e a guarda de Isbaal, filho de Saul, empreenderam uma expedição militar partindo de Maanaim rumo a Gabaon. 13Joab, filho de Sárvia, e a guarda de Davi puseram-se igualmente em marcha e se defrontaram perto do açude de Gabaon. Estes pararam de um lado do açude, e aqueles do outro. 14Abner disse a Joab: “Deixa que venham alguns jovens e lutem diante de nós.” Joab respondeu: “Que lutem!” 15Vieram eles e foram contados: doze de Benjamim, por Isbaal, filho de Saul, e doze da guarda de Davi. 16Cada um deles agarrou a cabeça do adversário e meteu-lhe a espada no flanco, e desse modo caíram todos juntos. É por isso que se chama a esse lugar de Campo dos Flancos; fica em Gabaon. 17Então travou-se naquele dia uma batalha encarniçada, na qual Abner e os de Israel foram vencidos na presença da guarda de Davi. 18Estavam lá os três filhos de Sárvia: Joab, Abisaí e Asael. Ora, Asael era rápido na corrida como as gazelas selvagens. 19Ele se lançou em perseguição de Abner, sem se desviar das suas pegadas, nem para a direita nem para a esquerda. 20Abner olhou para trás e disse: “És tu, Asael?”, e ele respondeu: “Sou eu.” 21Então disse Abner: “Vai para a direita ou para a esquerda, agarra um dos meus moços e apossa-te dos seus despojos.” Mas Asael não quis abandonar a perseguição dele. 22Abner insistiu com Asael: “Deixa de seguir-me! Por que hei de ferir-te e te estirar no chão? E como poderia encarar o rosto de teu irmão Joab?”” 23Como ele se recusasse a afastar-se, Abner lhe perfurou o ventre com o couto” da sua lança, que lhe saiu pelas costas. Ele caiu ali e morreu no mesmo lugar. E todos os que iam chegando ao lugar onde Asael caíra e morrera, paravam. 24Joab e Abisaí se lançaram em perseguição de Abner e, ao pôr-do-sol, chegaram à colina de Ama, que está a leste de Gaia, no caminho do deserto de Gabaon. 25Os benjaminitas se concentraram atrás de Abner em formação cerrada, e pararam no alto de uma colina. 26Abner chamou Joab e disse: “Devorará a espada para sempre? Não sabes que no fim só restará amargura? Que estás esperando para ordenar a esses homens que cessem de perseguir a seus irmãos?” 27Respondeu Joab: “Tão certo como vive Iahweh, se não tivesses falado, só pela manhã esta gente teria desistido de perseguir cada um a seu irmão.” 28Então Joab mandou soar a trombeta, e todo o exército suspendeu o combate. Cessou a perseguição a Israel e terminou a luta. 29Abner e os seus homens caminharam pela Arabá durante toda aquela noite, passaram o Jordão e, depois de terem marchado toda a manhã seguinte, chegaram a Maanaim. 30Joab, tendo deixado de perseguir a Abner, reuniu toda a tropa: a guarda de Davi perdera dezenove homens e também Asael, 31mas a guarda de Davi matara, entre os homens de Benjamim e os de Abner, trezentos e sessenta homens. 32Levaram Asael e o sepultaram no túmulo de seu pai, que está em Belém. Joab e os seus marcharam toda a noite, e o dia estava nascendo quando eles chegaram a Hebron.

3 1A guerra entre a casa de Saul e a de Davi continuou, mas Davi se fortalecia, ao passo que a casa de Saul se enfraquecia.

Filhos de Davi nascidos em Hebron2Os filhos nascidos a Davi em Hebron foram: o seu primogênito Amnon, de Aquinoam de Jezrael; 3o segundo, Queleab, de Abigail, que fora mulher de Nabal de Carmel; o terceiro, Absalão, filho de Maaca, a filha de Tolmai, rei de Gessur;4o quarto, Adonias, filho de Hagit; o quinto, Safatias, filho de Abital; 5o sexto, Jetraam, nascido de Egla, mulher de Davi. Esses nasceram a Davi em Hebron.

Rompimento entre Abner e Isbaal 6Eis o que aconteceu durante a guerra entre a casa de Saul e a de Davi: Abner se arrogava todo o poder na casa de Saul. 7Havia uma concubina de Saul chamada Resfa, filha de Aías, e Abner a tomou. Isbaal disse a Abner: “Por que te aproximaste da concubina de meu pai?” 8Ao ouvir as palavras de Isbaal, Abner se encolerizou e disse: “Sou por acaso uma cabeça de cão? Eu uso de consideração para com a casa de Saul, teu pai, para com seus irmãos e amigos, e não te deixei cair nas mãos de Davi, e vens agora censurar-me por causa de uma história de mulher? 9Que Deus inflija a Abner esse mal e outro tanto, se eu não fizer o que Iahweh prometeu em juramento a Davi: 10tirar a realeza da casa de Saul e estabelecer o trono de Davi sobre Israel e sobre Judá, desde Dã até Bersabéia.” 11Isbaal não ousou responder uma palavra a Abner, porque tinha medo dele.

Abner negocia com Davi12Abner enviou mensageiros para dizerem a Davi: “… Faze aliança comigo, e eu te ajudarei a reunir todo o Israel em torno de ti.” 13Davi respondeu: “Muito Bem! Farei aliança contigo. Só uma coisa exijo de ti: não serás admitido à minha presença, salvo se, quando vieres, me trouxeres Micol, filha de Saul.” 14E Davi mandou mensageiros a Isbaal, filho de Saul, para lhe dizerem: “Entrega-me a minha mulher Micol, que adquiri por cem prepúcios de filisteus.” 15Isbaal mandou tomá-la do seu marido Faltiel, filho de Lais. 16Seu marido partiu com ela e a seguiu chorando até Baurim. Então Abner lhe disse: “Volta!”, e ele voltou. 17Abner tinha conversado com os anciãos de Israel e lhes tinha dito: “Faz já muito tempo que vós desejais ter a Davi como vosso rei. 18Diligenciai então por consegui-lo agora, porque Iahweh disse isto a respeito de Davi: ‘É por meio do meu servo Davi que livrarei’ o meu povo Israel das mãos dos filisteus e de todos os seus inimigos.’ ” 19Abner falou também a Benjamim e depois foi a Hebron expor a Davi tudo o que Israel e toda a casa de Benjamim tinham aprovado. 20Acompanhado de vinte homens, Abner chegou a Hebron para falar a Davi, e Davi ofereceu uma recepção a Abner e aos homens que foram com ele. 21Abner disse então a Davi: “Vamos! Reunirei todo o Israel ao redor do senhor meu rei: concluirão um pacto contigo e reinarás sobre tudo o que quiseres.” Assim despediu Davi a Abner, que partiu em paz.

Assassínio de Abner22Aconteceu que a guarda de Davi e de Joab acabavam de chegar da incursão, transportando enorme despojo, quando Abner já não estava com Davi em Hebron, pois Davi já o tinha despedido e ele tinha partido em paz. 23Logo que chegaram Joab e toda a tropa que o seguia, foram dizer a Joab que Abner, filho de Ner, tinha vindo e estivera com o rei, que o tinha deixado partir em paz. 24Então Joab foi falar ao rei e lhe disse: “Que fizeste? Abner esteve contigo e o deixaste partir? 25Tu conheces Abner, filho de Ner. Foi para te enganar que ele veio, para conhecer as tuas idas e vindas, para saber tudo o que fazes!” 26Joab deixou Davi e enviou atrás de Abner mensageiros, que o fizeram voltar quando estava já no poço de Sira, sem que Davi o soubesse. 27Quando Abner chegou a Hebron, Joab o chamou à parte, à entrada, quando já passava pela porta, sob o pretexto de falar tranqüilamente com ele, e ali o feriu mortalmente no ventre, por causa do sangue de Asael, seu irmão. 28Logo que Davi soube do acontecido, disse: “Eu e o meu reino somos para sempre, diante de Iahweh, inocentes do sangue de Abner, filho de Ner: 29que o sangue de Abner caia sobre a cabeça de Joab e sobre toda a sua família! Que jamais deixe de haver na casa de Joab quem sofra de corrimento ou de lepra, homens que trabalhem na roca ou caiam à espada, ou passem fome!” 30(Joab e seu irmão Abisaí assassinaram a Abner porque ele matara seu irmão Asael nó combate de Gabaon.) 31Disse então Davi a Joab e a todos os que com ele estavam: “Rasgai as vossas vestes, cingi- vos de panos de saco e ide pranteando diante de Abner”, e o rei Davi foi atrás seguindo o esquife. 32Sepultaram Abner em Hebron. O rei soluçou alto junto à sua sepultura e todo o povo chorou também. 33O rei cantou esta elegia sobre Abner: “Precisava Abner morrer como morre um insensato? 34Não estavam amarradas as tuas mãos, os teus pés não estavam presos em grilhões, mas caíste como caem os malfeitores!” Então todo o povo chorou ainda mais por ele. 35Todo o povo veio chamar Davi para que se alimentasse quando ainda era dia, mas Davi fizera este juramento: “Que Deus me faça mal semelhante, se eu provar pão ou qualquer outro alimento antes do pôr-do-sol.” 36Todo o povo notou isso e o julgou bem, porque o povo aprovava tudo o que o rei fazia. 37Naquele dia, todo o povo e todo o Israel viram claramente que o rei nada teve a ver com a morte de Abner, filho de Ner. 38Disse o rei aos seus oficiais: “Não sabeis que hoje caiu em Israel um príncipe, um grande homem? 39Eu sou ainda fraco, apesar de ungido rei, e esses homens, os filhos de Sárvia, são mais violentos do que eu. Que Iahweh castigue o malfeitor conforme a sua maldade!”

4 Assassínio de Isbaal1Assim que o filho de Saul teve notícia de que Abner morrera em Hebron, as suas mãos fraquejaram e todo o Israel se consternou. 2Ora, o filho de Saul tinha dois chefes de bandos. Um se chamava Baana e o outro Recab. Eram filhos de Remon de Berot e benjaminitas, porque Berot também se considerava de Benjamim. 3Os homens de Berot tinham-se refugiado em Getaim, onde ficaram até aquele dia como residentes estrangeiros. 4Estava ali um filho de Jônatas, filho de Saul, o qual era aleijado de ambos os pés. Tinha ele cinco anos quando chegou de Jezrael a notícia da morte de Saul e Jônatas. A sua ama o apanhou e fugiu com ele, mas, na precipitação da fuga, a criança caiu e se feriu. Chamava-se Meribaal. 5Os filhos de Remon de Berot, Recab e Baana, estavam a caminho e chegaram à casa de Isbaal na hora mais quente do dia, quando este descansava. 6A porteira, que limpava o trigo, cochilara e dormira. Recab e seu irmão Baana se insinuaram silenciosamente7e entraram na casa onde ele estava deitado no leito em seu quarto, dormindo. Eles o feriram mortal- mente e o decapitaram, e depois, carregando a cabeça, andaram a noite toda pela estrada da Arabá. 8Levaram a cabeça de Isbaal a Davi, em Hebron, e disseram ao rei: “Aqui tens a cabeça de Isbaal, filho de Saul, teu inimigo que queria tirar-te a vida. Iahweh trouxe hoje ao senhor meu rei uma vingança de Saul e da sua semente.” 9Mas Davi, dirigindo-se a Recab e a seu irmão Baana, filhos de Remon de Berot, disse-lhes: “Pela vida de Iahweh, que me livrou de toda a angústia! 10Aquele que me anunciou a morte de Saul acreditava ser portador de uma notícia alvissareira; eu o agarrei e matei em Siceleg, em retribuição pela sua boa nova! 11Por razão ainda mais forte, quando bandidos matam um homem honesto na sua casa, no seu leito, não devo eu pedir-vos contas do seu sangue e fazer-vos desaparecer da face da terra?” 12Então Davi ordenou aos seus filhos mais novos que os matassem. Cortaram-lhes as mãos e os pés e os penduraram perto do açude de Hebron. Tomaram, entretanto, a cabeça de Isbaal e a sepultaram no túmulo de Abner, em Hebron.

2. DAVI, REI DE JUDÁ E DE ISRAEL

5 Coroação de Davi como rei de Israel1Então todas as tribos de Israel vieram ter com Davi em Hebron e disseram: “Vê! Nós somos dos teus ossos e da tua carne. 2Já antes, quando Saul reinava sobre nós, eras tu que saías e entravas com Israel, e Iahweh te disse: És tu que apascentarás o meu povo Israel e és tu quem serás chefe de Israel.” 3Todos os anciãos de Israel vieram, pois, até o rei, em Hebron, e o rei Davi concluiu com eles um pacto em Hebron, na presença de Iahweh, e eles ungiram Davi como rei em Israel. 4Tinha Davi trinta anos quando começou a reinar e reinou durante quarenta anos. 5Em Hebron, ele reinou sete anos e seis meses sobre Judá;r em Jerusalém, reinou trinta e três anos sobre todo o Israel e sobre Judá.

Conquista de Jerusalém6Davi marchou então com os seus homens sobre Jerusalém, contra os jebuseus que habitavam a terra, e estes disseram a Davi: “Não entrarás aqui! Os cegos e os aleijados te repelirão” (quer dizer: Davi não entrará aqui). 7Davi, porém, tomou a fortaleza de Sião; é a Cidade de Davi. 8Naquele dia, disse Davi: “Todo aquele que ferir os jebuseus e subir pelo canal…” Quanto aos cegos e aos aleijados, Davi os aborrece na sua alma. (É por isso que se diz: os cegos e os aleijados não entrarão no Templo.) 9Davi se instalou na fortaleza e lhe chamou Cidade de Davi. Depois Davi construiu um muro ao seu redor, desde Melo até o interior. 10Davi ia crescendo, e Iahweh, Deus dos Exércitos, estava com ele. 11Hiram, rei de Tiro, enviou uma embaixada a Davi, com madeira de cedro, com carpinteiros e pedreiros, que edificaram uma casa para Davi. 12Então viu Davi que Iahweh o confirmara como rei sobre Israel e exaltava a sua realeza por causa de Israel, seu povo.

Filhos de Davi nascidos em Jerusalém13A sua chegada de Hebron, tomou Davi ainda concubinas e mulheres em Jerusalém, e nasceram-lhe filhos e filhas. 14Estes são os nomes dos filhos que lhe nasceram em Jerusalém: Samua, Sobab, Natã, Salomão, 15Jebaar, Elisua, Nafeg, Jáfia, 16Elisama, Baaliada, Elifalet.

Vitórias sobre os filisteus17Logo que os filisteus souberam que Davi havia sido ungido rei sobre Israel, subiram todos para o capturar. Ao saber disso, Davi desceu ao refúgio.18Os filisteus chegaram e se espalharam pelo vale dos rafaim.19Então Davi consultou a Iahweh: “Devo atacar os filisteus?”, perguntou ele. “Entregá-los-ás nas minha mãos?” Iahweh respondeu a Davi: “Ataca! Certamente entregarei os filisteus nas tuas mãos.” 20Então Davi se dirigiu a Baal-Farasim, e lá Davi os venceu, e disse: “Iahweh me abriu uma brecha nos meus inimigos como uma brecha causada pelas águas.” É por isso que o nome desse lugar é Baal-Farasim.21E abandonaram ali os seus deuses; Davi e os seus homens os levaram. 22Os filisteus subiram novamente e se espalharam pelo vale dos rafaim. 23Davi consultou a Iahweh, que lhe respondeu: “Não os ataques pela frente, mas dá a volta pela sua retaguarda e aproxima-te deles em frente às amoreiras. 24Quando ouvires um ruído de passos no cimo das amoreiras, então apressa-te: é Iahweh que avança à tua frente para aniquilar o exército filisteu.” 25Davi procedeu como Iahweh ordenara, e venceu os filisteus desde Gabaon até a entrada de Gazer.

6 A Arca em Jerusalém1Tornou Davi a reunir toda a elite do exército de Israel: trinta mil homens. 2Pondo-se a caminho, Davi e todo o exército que o acompanhava partiram para Baala de Judá, a fim de transportar a Arca de Deus que lá estava e que leva, o nome de Iahweh dos Exércitos, que se assenta entre os querubins. 3Colocaram a Arca de Deus sobre um carro novo e a levaram da casa de Abinadab, que está no alto da colina. Oza e Aio, filhos de Abinadab, conduziam o carro. 4Oza caminhava à esquerda da Arca de Deus, e Aio caminhava adiante dela. 5Davi e toda a casa de Israel dançavam, com todas as suas energias, cantando ao som das cítaras, das harpas, dos tamborins, dos pandeiros e címbalos. 6Ao chegarem à eira de Nacon, Oza estendeu a mão para a Arca de Deus e a sustentou, porque os bois a faziam tombar. 7Então a ira de Iahweh se acendeu contra Oza: e ali mesmo Deus o feriu por causa da sua falta, e ele morreu, ali, ao lado da Arca de Deus. 8Davi se entristeceu, porque Iahweh tinha atacado Oza, e chamou-se àquele lugar pelo nome de Farés-Oza, que permanece até hoje. 9Nesse dia, Davi teve medo de Iahweh e disse: “Como virá a Arca de Iahweh para ficar na minha casa?” 10Por isso Davi não quis conservar a Arca de Iahweh consigo na Cidade de Davi, e a levou para a casa de Obed- Edom de Gat. 11A Arca de Iahweh ficou três meses na casa de Obed-Edom de Gat, e Iahweh abençoou a Obed-Edom e a toda a sua família. 12Contou-se ao rei Davi que Iahweh tinha abençoado a casa de Obed- Edom e tudo o que lhe pertencia, por causa da Arca de Deus. Então Davi foi e trouxe a Arca de Deus da casa de Obed-Edom para a Cidade de Davi com grande alegria. 13Quando os que carregavam a Arca de Iahweh davam seis passos, ele sacrificava um boi e um bezerro cevado. 14Davi dançava com todas as suas forças diante de Iahweh; ele estava cingido com um efod de linho. 15Davi e toda a casa de Israel fizeram assim a Arca de Iahweh subir, aclamando e soando a trombeta. 16Aconteceu que, entrando a Arca de Iahweh na Cidade de Davi, a filha de Saul, Micol, olhava pela janela e viu o rei Davi saltando e dançando diante de Iahweh, e, no seu íntimo, ela o desprezou. 17A Arca de Iahweh foi levada e depositada no seu lugar, na tenda que Davi tinha feito armar para recebê-la, e Davi ofereceu holocaustos na presença de Iahweh, bem como sacrifícios de comunhão. 18Assim que Davi terminou de oferecer holocaustos e sacrifícios de comunhão, abençoou o povo em nome de Iahweh dos Exércitos. 19Depois distribuiu a todo o povo e à multidão toda de Israel, homens e mulheres, a cada um, um pedaço de pão, uma massa de tâmaras e um doce de passas secas, e em seguida foram-se todos, cada qual para a sua casa. 20E voltando Davi para abençoar a sua casa, Micol, a filha de Saul saiu ao seu encontro e disse: “Como o rei de Israel se fez louvar hoje, descobrindo-se na presença das servas dos seus servos como se descobriria um homem de nada!” 21Mas Davi respondeu a Micol: “É diante de Iahweh que eu danço! Pela vida de Iahweh, que me preferiu a teu pai e a toda a sua casa para me instituir chefe de Israel, o povo de Iahweh, eu dançarei diante de Iahweh 22e ainda mais me humilharei. Aos teus olhos serei desprezível, mas aos olhos das servas de quem tu falas, perante elas serei honrado.” 23E Micol, filha de Saul, não teve filhos até o dia da sua morte.

7 Profecia de Natã1Quando o rei ocupou a sua casa e Iahweh o tinha livrado de todos os inimigos em redor, 2o rei disse ao profeta Natã: “Vê! eu habito numa casa de cedro e a Arca de Deus habita numa tenda!” 3Natã respondeu ao rei: “Vai e faze o que teu coração diz, porque Iahweh está contigo.” 4Mas nesta mesma noite a palavra de Iahweh veio a Natã nestes termos: 5“Vai dizer ao meu servo Davi: Assim diz Iahweh: Construirias tu uma casa em que eu venha a habitar? 6Em casa nenhuma habitei desde o dia em que fiz subir do Egito os filhos de Israel até o dia de hoje, mas andei em acampamento errante debaixo de uma tenda e um abrigo. 7Durante todo o tempo em que andei com os filhos de Israel, porventura disse a um só dos juízes de Israel, que eu tinha instituído como pastores do meu povo Israel: ‘Por que não edificas para mim uma casa de cedro?” 8Eis o que dirás ao meu servo Davi: Assim fala Iahweh dos Exércitos. Fui eu que te tirei das pastagens, onde pastoreavas ovelhas, para seres chefe do meu povo Israel. 9Eu estive contigo por onde ias e destruí todos os teus inimigos diante de ti. Eu te darei um grande nome como o nome dos grandes da terra. 10Prepararei um lugar para o meu povo Israel, e o fixarei para que habite nesse lugar e não mais tenha de andar errante, nem os perversos continuem a oprimi-lo como antes, 11desde o tempo em que instituí juízes sobre o meu povo Israel: eu te livrarei de todos os teus inimigos. Iahweh te diz que ele te fará uma casa. 12E quando os teus dias estiverem completos e vieres a dormir com teus pais, farei permanecer a tua linhagem após ti, gerada das tuas entranhas (e firmarei a sua realeza. 13Será ela que construirá uma casa para o meu Nome), e estabelecerei para sempre o seu trono. 14Eu serei para ele um pai e ele será para mim um filho: se ele fizer o mal, castigá-lo-ei com vara de homem e com açoites de homens. 15Mas a minha proteção não se afastará dele, como a tirei de Saul, que afastei de diante de ti. 16A tua casa e a tua realeza subsistirão para sempre diante de mim, e o teu trono se estabelecerá para sempre.” 17Natã comunicou a Davi todas essas palavras e toda essa revelação.

Oração de Davi18Então o rei Davi entrou e ficou diante de Iahweh,e disse: “Quem sou eu, Senhor Iahweh, e qual é a minha casa para que me trouxesses até aqui? 19Mas isso é ainda pouco aos teus olhos, Senhor Iahweh, e estendes as tuas promessas também à casa do teu servo para um futuro distante. Esse é o destino do homem, Senhor Iahweh.20Que mais poderá ainda dizer-te Davi, pois tu mesmo conheces o teu servo, Senhor Iahweh! 21Por causa da tua palavra e segundo o teu coração, tiveste esta generosidade de instruir o teu servo. 22E por isso que és grande, Senhor Iahweh: ninguém há como tu, e não existe outro Deus além de ti somente, como aprenderam os nossos ouvidos. 23Como o teu povo Israel, há outro povo na terra a quem um deus tivesse ido resgatar para fazer dele o seu povo, para o tornar famoso e realizar em seu favor tão grandes e terríveis coisas, expulsando de diante do seu povo nações e deuses? 24Estabeleceste o teu povo Israel para que ele seja para sempre o teu povo, e tu, Iahweh, tu te tornaste o seu Deus. 25Agora, Iahweh Deus, guarda para sempre a promessa que fizeste a teu servo e à sua casa e faze como disseste. 26O teu nome será exaltado para sempre, e dirão: Iahweh dos Exércitos é Deus sobre Israel. A casa do teu servo Davi subsistirá na tua presença. 27Porque foste tu, Iahweh dos Exércitos, Deus de Israel, que fizeste esta revelação ao teu servo: ‘Eu te edificarei uma casa.’ Então o teu servo teve a coragem de te dirigir esta oração. 28Sim, Senhor Iahweh, és tu que és Deus, as tuas palavras são verdade e tu fizeste esta maravilhosa promessa ao teu servo. 29Consente, pois, em abençoar a casa do teu servo, para que ela permaneça sempre na tua presença, porque és tu, Senhor Iahweh, que tens falado, e é pela tua bênção que a casa do teu servo será abençoada para sempre.”

8 As guerras de Davi1Aconteceu depois disso que Davi venceu os filisteus e os sujeitou. Davi tomou das mãos dos filisteus.. ,2Ele venceu também os moabitas e os mediu com cordel, fazendo-os deitar no chão: mediu com dois cordéis para os condenar à morte, e um cordel bem medido para os deixar com vida, e os moabitas ficaram sujeitos a Davi e lhe pagaram tributo. 3Davi venceu Adadezer, filho de Roob, rei de Soba, assim que este pretendeu estender o seu domínio sobre o Rio. 4Davi tomou-lhe mil e setecentos condutores de carro e vinte mil homens a pé, e jarreteou Davi todas as parelhas, conservando apenas cem. 5Os arameus de Damasco vieram em socorro de Adadezer, rei de Soba, mas Davi matou vinte e dois mil homens dos arameus. 6Depois Davi instalou governadores no Aram de Damasco, e os arameus se tornaram súditos de Davi e lhe pagaram tributo. Onde quer que Davi fosse, Iahweh lhe dava a vitória. 7Davi tomou os escudos de ouro que a guarda de Adadezer usava e os levou para Jerusalém. 8De Tebá e de Berotai, cidades de Adadezer, Davi carregou uma grande quantidade de bronze. 9Assim que Toú, rei de Emat, soube que Davi tinha vencido todo o exército de Adadezer, 10mandou seu filho Adoram ao rei Davi, para o saudar e o felicitar por ter feito a guerra a Adadezer e o ter vencido, porque Adadezer estava em guerra com Toú. Adoram levava objetos de prata, de ouro e de bronze. 11O rei Davi os consagrou também a Iahweh, com a prata e o ouro que ele tinha consagrado, proveniente de todas as nações que tinha subjugado, 12Aram, Moab, os amonitas, os filisteus, Amalec, e proveniente também do despojo tomado a Adadezer, filho de Roob, rei de Soba. 13Davi aumentou a sua fama quando venceu os edomitas no vale do Sal, em número de dezoito mil. 14Estabeleceu governadores em Edom, e todos os edomitas ficaram sujeitos a Davi. Por toda a parte aonde chegava, Deus concedia a vitória a Davi.

A administração do reino15Davi reinou sobre todo o Israel, exercendo o direito e fazendo justiça a todo o povo. 16Joab, filho de Sárvia, comandava o exército. Josafá, filho de Ailud, era o arauto. 17Sadoc e Abiatar, filhos de Aquimelec, filho de Aquitob, eram sacerdotes; Saraías era secretário; 18Banaías, filho de Joiada, comandava os cereteus e os feleteus.Os filhos de Davi eram sacerdotes.

3 A FAMÍLIA DE DAVI E AS INTRIGAS PELA SUCESSÃO

A. MERIBAAL

9 Bondade de Davi para com o filho de Jônatas1Davi perguntou: “Haverá ainda algum sobrevivente da família de Saul, para que eu o trate com bondade por amor a Jônatas?” 2Ora, a família de Saul tinha um servo chamado Siba. Trouxeram-no a Davi, e o rei lhe perguntou: “És Siba?” — “Para te servir”, respondeu ele. 3Perguntou-lhe o rei: “Não ficou alguém da família de Saul, para que eu o trate com bondade semelhante à de Deus?” Siba respondeu ao rei: “Há ainda um filho de Jônatas que é aleijado de ambos os pés.” — 4“Onde está ele?”, perguntou o rei, e Siba respondeu ao rei: “Está na casa de Maquir, filho de Amiel, em Lo-Dabar.” 5O rei Davi mandou buscá-lo na casa de Maquir, filho de Amiel, de Lo-Dabar. 6Ao chegar perto de Davi, Meribaal, filho de Jônatas, filho de Saul, caiu com o rosto em terra e se prostrou. Davi disse: “Meribaal!” Ele respondeu: “Sou eu, para te servir.” 7Davi lhe disse: “Não tenhas medo, porque eu quero tratar-te com bondade, por amor a teu pai, Jônatas. Eu te restituirei todas as terras de Saul, teu avô, e comerás sempre à minha mesa”. 8Meribaal se prostrou e disse: “Quem é este teu servo, para que trates com misericórdia a um cão morto como eu?” 9Depois o rei chamou Siba, o servo de Saul, e lhe disse: “Tudo o que pertencia a Saul e à sua família, eu o dou ao filho do teu senhor. 10Tu trabalharás a terra para ele, tu com os teus filhos e os teus escravos, e recolherás os frutos que garantirão à família do teu senhor o pão que comerá; quanto a Meribaal, o filho do teu senhor, tomará sempre as suas refeições à minha mesa.” Ora, Siba tinha quinze filhos e vinte escravos. 11Siba respondeu ao rei: “O teu servo fará tudo o que o rei meu senhor ordenou a seu servo.” Portanto, Meribaal comia à mesa de Davi, como um dos filhos do rei. 12Meribaal tinha um filho pequeno chamado Micas. Todos os que moravam com Siba estavam a serviço de Meribaal. 13Mas Meribaal morava em Jerusalém, pois comia sempre à mesa do rei, e era aleijado de ambos os pés.

B. A GUERRA AMONITA.

NASCIMENTO DE SALOMÃO

10 A Insulto aos embaixadores de Davi 1Depois disso, aconteceu que o rei dos amonitas morreu, e o seu filho Hanon reinou em seu lugar. 2Davi pensou: “Usarei para com Hanon, filho de Naás, da mesma benevolência que teve seu pai para comigo”, e mandou Davi seus servos apresentar-lhe pêsames pela morte do pai. Mas logo que os servos de Davi chegaram ao território dos amonitas, 3os príncipes dos amonitas disseram a Hanon, seu senhor: “Pensas que Davi quer honrar teu pai, porque te enviou portadores de pêsames? Não será antes para observar a cidade, para conhecer as suas defesas e depois a arruinar, que Davi te enviou os seus servos?” 4Então Hanon prendeu os servos de Davi e lhes fez rapar a metade da barba e rasgou metade das suas vestes até às nádegas, e os despediu. 5Logo que Davi teve notícia do ocorrido, mandou alguém ao seu encontro, porque estavam envergonhados, e o rei lhes enviou esta mensagem: “Ficai em Jericó até que cresça a vossa barba, e então vinde.”

Primeira expedição militar amonita6Quando os amonitas viram que se tinham tornado odiosos a Davi, mandaram mensageiros para tomarem a seu soldo os arameus de Bet-Roob e os arameus de Soba, vinte mil homens a pé, o rei de Maaca com mil homens, e o príncipe de Tob com doze mil homens. 7Quando Davi soube disso, enviou Joab com todo o exército, os valentes. 8Os amonitas saíram e puseram-se em linha de combate à entrada da porta, ao passo que os arameus de Soba e de Roob e os homens de Tob e de Maaca ficaram à parte, em campo aberto. 9Joab, vendo que iam avançar contra ele simultaneamente pela frente e pela retaguarda, escolheu os melhores de Israel e os pôs em linha de batalha contra os arameus. 10Confiou a seu irmão Abisaí o resto do exército e o colocou em linha de batalha contra os amonitas. 11E disse: “Se os arameus me estiverem vencendo, tu virás em meu auxílio; se os amonitas prevalecerem sobre ti, eu irei socorrer-te. 12Sede corajosos, e mostremo-nos fortes pelo nosso povo e pelas cidades do nosso Deus. Que Iahweh faça o que lhe parecer bom!” 13Joab e a tropa que estava com ele avançaram contra os arameus, que fugiram diante deles. 14Quando os amonitas viram que os arameus tinham fugido, recuaram também diante de Abisaí, e entraram na cidade. Então Joab voltou da guerra contra os amonitas e reentrou em Jerusalém.

Vitória sobre os arameus15Vendo que tinham sido vencidos diante de Israel, os arameus concentraram as suas forças. 16Adadezer enviou mensageiros e mobilizou os arameus que estavam do outro lado do Rio, os quais chegaram a Helam, tendo à sua frente Sobac, o chefe do exército de Adadezer. 17Isso foi relatado a Davi, que reuniu todo o Israel, passou o Jordão e chegou a Helam. Os arameus dispuseram-se em linha diante de Davi e deram-lhe batalha. 18Mas os arameus fugiram diante de Israel, e Davi destruiu setecentos carros deles e matou quarenta mil homens; ele venceu também a Sobac, seu general, que morreu naquele mesmo lugar. 19Assim que todos os reis vassalos de Adadezer viram que tinham sido vencidos por Israel, assinaram a paz com Israel e lhes ficaram sujeitos. Desde então, os arameus não mais se atreveram a socorrer os amonitas.

11 Segunda campanha amonita. O pecado de Davi1No retorno do ano, na época em que os reis costumam fazer a guerra, Davi enviou Joab, e com ele a sua guarda e todo o Israel, e eles massacraram os amonitas e sitiaram Rabá. Mas Davi ficou em Jerusalém. 2Aconteceu que, numa tarde, Davi, levantando-se da cama, pôs-se a passear pelo terraço do palácio e do terraço avistou uma mulher que tomava banho. E era muito bonita a mulher. 3Davi mandou tomar informações sobre aquela mulher, e lhe disseram: “Ora, é Betsabéia, filha de Eliam e mulher de Urias, o heteu!” 4Então Davi enviou emissários que a trouxessem. Ela veio ter com ele, e ele deitou-se com ela, que tinha acabado de se purificar de suas regras. Depois ela voltou para a sua casa. 5A mulher concebeu e mandou dizer a Davi: “Estou grávida!” 6Então Davi mandou uma mensagem a Joab: “Envia-me Urias, o heteu”, e Joab enviou Urias a Davi. 7Quando Urias chegou, Davi indagou dele como ia Joab, e o exército, e a guerra. 8Depois Davi disse a Urias: “Desce à tua casa e lava os teus pés.” Urias saiu do palácio e depois recebeu um presente da mesa do rei. 9Mas Urias dormiu à porta do palácio com todos os guardas do seu senhor e não foi para a sua casa. 10Informaram disso a Davi. “Urias”, disseram-lhe, “não desceu à sua casa.” Davi perguntou a Urias: “Não chegaste de viagem? Por que não desceste à tua casa?” 11Urias respondeu a Davi: “A Arca, Israel e Judá habitam em tendas, o meu chefe Joab e a guarda do meu senhor acampam em campo raso, e irei eu à minha casa para comer e beber e deitar-me com minha mulher?! Tão certo como Iahweh vive e como tu próprio vives, eu não faria tal coisa!” 12Então Davi disse a Urias: “Fica hoje ainda aqui, e amanhã te despedirei.” Urias ficou ainda aquele dia em Jerusalém. No dia seguinte, 13Davi o convidou a comer e beber em sua presença, e o embriagou. À tarde, Urias saiu e deitou-se em sua cama, no mesmo lugar em que dormiam os guardas do seu senhor, e não desceu à sua casa. 14Na manhã seguinte, Davi escreveu uma carta a Joab e a remeteu por intermédio de Urias. 15Escreveu ele na carta: “Coloca Urias no ponto mais perigoso da batalha e retirem-se, deixando-o só, para que seja ferido e venha a morrer.” 16Joab, que sitiava a cidade, pôs Urias no lugar onde ele sabia estarem os guerreiros mais valentes. 17Os que defendiam a cidade saíram para atacar a Joab, e morreram alguns do exército, da guarda de Davi. E Urias, o heteu, morreu também. 18Joab mandou a Davi um relatório sobre todos os pormenores da batalha 19e deu esta ordem ao mensageiro: “Quando tiveres acabado de contar ao rei todos os pormenores da batalha, 20se o rei se enfurecer e perguntar: ‘Por que vos aproximastes da cidade para lutar? Não sabíeis que iriam atirar do alto das muralhas? 21Quem matou Abimelec, o filho de Jerobaal?’ Não foi uma mulher que lhe atirou uma pedra de moinho, do alto da muralha e ele morreu, em Tebes? Por que vos aproximastes da muralha?’ então dirás: O teu servo Urias, o heteu morreu também.” 22O mensageiro partiu e, logo à chegada, relatou a Davi toda a mensagem de que Joab o havia encarregado. Davi encolerizou-se contra Joab e disse ao mensageiro: “Por que chegastes tão perto da muralha da cidade para o combate? Não sabíeis que iriam atirar do alto das muralhas? Quem matou Abimelec, o filho de Jerobaal? Não foi uma mulher que lhe atirou uma pedra de moinho do alto da muralha e ele morreu, em Tebes? Por que vos aproximastes da muralha?” 23Então o mensageiro respondeu a Davi: “Aconteceu que eles nos atacaram de surpresa, numa saída em campo aberto, e nós os fizemos recuar até à entrada da porta, 24mas os arqueiros dispararam do alto das muralhas sobre os teus guardas, e alguns dos guardas do rei caíram mortos, e o teu servo Urias, o heteu, morreu também.” 25Então Davi disse ao mensageiro: “Assim dirás a Joab: ‘Não te preocupes com esse caso: a espada devora tanto num como no outro lado. Redobra o ataque contra a cidade, e destrói-a’. Anima-o assim.” 26Logo que a mulher de Urias soube que o seu esposo, Urias, morrera, ficou de luto por seu esposo. 27Terminados os dias de luto, Davi mandou buscá-la, levou-a para a sua casa e a tomou por mulher. Ela lhe deu um filho. Mas a ação que Davi praticara desagradou a Iahweh.

12 Natã repreende Davi. Arrependimento de Davi1Iahweh mandou o profeta Natã falar com Davi. Ele entrou e lhe disse: “Havia dois homens na mesma cidade, um rico e o outro pobre. 2O rico possuía ovelhas e vacas em grande número. 3O pobre nada tinha senão uma ovelha, só uma pequena ovelha que ele havia comprado. Ele a criara e ela cresceu com ele e com os seus filhos, comeu do seu pão, bebeu no seu copo, dormindo no seu colo: era como sua filha. 4Um hóspede veio à casa do homem rico, que não quis tirar uma das suas ovelhas ou de suas vacas para servir ao viajante que o visitava. Ele tomou a ovelha do homem pobre e a preparou para a sua visita.” 5Davi se encolerizou contra esse homem e disse a Natã: “Tão certo como Iahweh vive, quem fez isso é digno de morte! 6Devolverá quatro vezes o valor da ovelha, por ter cometido tal ato e não ter tido piedade.” 7Natã disse a Davi: “Esse homem és tu! Assim diz Iahweh, Deus de Israel: Eu te ungi rei de Israel, eu te salvei das mãos de Saul, 8eu te dei a casa do teu senhor, eu coloquei nos teus braços as mulheres do teu senhor, eu te dei a casa de Israel e de Judá, e se isso não é suficiente, eu te darei qualquer coisa. 9Por que desprezaste Iahweh e fizeste o que lhe desagrada? Tu feriste à espada Urias, o heteu; sua mulher, tomaste-a por tua mulher, e a ele mataste pela espada dos amonitas. 10Agora, a espada não mais se apartará da tua casa,” porquanto me desprezaste e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para que ela se tornasse tua mulher. 11Assim diz Iahweh: Na tua própria casa farei surgir a desgraça contra ti. Tomarei as tuas mulheres, debaixo dos teus olhos, e as darei ao teu próximo, que se deitará com as tuas mulheres à luz deste sol. 12Tu agiste em segredo, mas eu cumprirei tudo isso perante a face de todo o Israel e à luz do sol!” 13Davi disse a Natã: “Pequei contra Iahweh!” Então Natã disse a Davi: “Por sua parte, Iahweh perdoa a tua falta: não morrerás. 14Mas, por teres ultrajado a Iahweh com o teu procedimento, o filho que tiveste morrerá.” 15E Natã o deixou.

Morte do filho de Betsabéia. Nascimento de Salomão — Iahweh feriu a criança que a mulher de Urias dera a Davi e ela caiu gravemente enferma. 16Davi implorou pelo menino: jejuou, ficou junto dele, e passou a noite prostrado no chão. 17Os dignitários da sua casa foram ter com ele para o levantarem do chão, mas recusou e não tomou alimento nenhum com eles. 18No sétimo dia, o menino morreu. Os oficiais de Davi tinham receio de lhe dar a notícia de que o menino tinha morrido. Diziam: “Quando a criança estava viva, nós lhe falamos e ele não nos ouviu. Como podemos agora dizer-lhe que a criança morreu? Ele poderá fazer algum mal!” 19Davi notou que os seus oficiais cochichavam entre si e compreendeu que a criança estava morta. Perguntou-lhes Davi: “O menino morreu?”, e eles responderam: “Sim.” 20Então Davi se levantou do chão, lavou-se, pôs perfume e mudou as vestes. Depois entrou no santuário de Iahweh e se prostrou. Voltou para casa, mandou que lhe servissem a refeição e comeu. 21Disseram-lhe os seus oficiais: “Que fazes aí? Enquanto a criança estava viva, jejuaste e choraste, e agora que a criança morreu tu te levantas e te alimentas?! 22Ele respondeu: “Enquanto a criança vivia, jejuei e chorei, porque eu dizia: Quem sabe? Talvez Iahweh tenha piedade de mim e a criança viva. 23Agora que o menino está morto, por que jejuarei? Poderei fazê-lo voltar? Eu, sim, irei aonde ele está, mas ele não voltará para mim.” 24Davi consolou Betsabéia, sua mulher. Foi ter com ela e deitou-se com ela. Ela concebeu’ e deu à luz um filho, ao qual deu o nome de Salomão, Iahweh o amou 25e o deu a saber pelo profeta Natã. Este o chamou de Jededias, segundo a palavra de Iahweh.

Conquista de Rabá26Joab, entretanto, atacou Rabá dos amonitas e se apoderou da cidade real. 27Joab enviou então mensageiros a Davi, para dizer: “Eu ataquei Rabá e me apossei da cidade das águas. 28Agora reúne o resto do exército, acampa contra a cidade e toma-a, para que não seja eu que a conquiste e lhe dê o meu nome.” 29Davi reuniu todo o exército e foi a Rabá, e tomou a cidade de assalto. 30Ele tirou da cabeça de Melcom a coroa, que pesava um talento de ouro. Trazia engastada uma pedra preciosa, que veio a ser ornamento na cabeça de Davi. O rei levou da cidade enorme quantidade de despojos. 31Quanto à sua população, fê-la sair e a colocou a manejar a serra, as picaretas ou os machados de ferro, e a pôs no trabalho dos tijolos. Agiu da mesma forma com todas as cidades dos amonitas. Davi e todo o exército retornaram a Jerusalém.

C. HISTÓRIA DE ABSALÃO

13 Amnon ultraja sua irmã Tamar1Eis o que aconteceu depois disso: Absalão, filho de Davi, tinha uma irmã que era bonita e se chamava Tamar, e Amnon, filho de Davi, se apaixonou por ela. 2Amuou se atormentou a ponto de adoecer por causa da sua irmã Tamar, porque ela era virgem e ele não via nenhuma possibilidade de lhe fazer algo. 3Mas Amnon tinha um amigo chamado Jonadab, filho de Sama, irmão de Davi, e Jonadab era um homem muito sagaz. 4Ele lhe disse: “Que acontece, filho do rei, que cada manhã estás tão abatido? Não me dizes o que há?” Amnon lhe respondeu: “É que eu amo Tamar, a irmã de meu irmão Absalão.” 5Então Jonadab lhe disse: “Mete-te na cama, finge que estás doente e, quando teu pai vier ver-te, dir-lhe-ás: ‘Permite que a minha irmã Tamar me sirva o alimento e prepare o prato na minha presença, para que o veja e coma depois da sua mão’.” 6Então Amnon deitou-se e fingiu-se doente. O rei veio vê-lo, e Amnon disse ao rei: “Concede que minha irmã Tamar venha e prepare na minha presença dois pasteizinhos, para que eu coma da sua mão.” 7Davi mandou dizer a Tamar no palácio: “Vai ao quarto do teu irmão Amnon e prepara a sua refeição.” 8Tamar foi aos aposentos de seu irmão Amnon. Ele estava deitado. Ela tomou a farinha, amassou-a e preparou os pastéis na sua presença. Depois levou-os ao fogo. 9Em seguida, pegou a panela e despejou-a no prato diante dele, mas ele não quis comer. Disse Amnon: “Manda embora toda essa gente para longe de mim.” E todos saíram de junto dele. 10Então Amnon disse a Tamar: “Traze o prato aqui e comerei da tua mão.” Tamar trouxe os pastéis que fizera e os trouxe ao seu irmão, no quarto. 11Ao oferecer-lhe o prato, ele segurou-a e disse-lhe: “Deita-te comigo, minha irmã!” 12Mas ela replicou-lhe: “Não, meu irmão! Não me violentes porque não se procede assim em Israel, não cometas essa infâmia! 13Aonde iria esconder-me de vergonha? E tu serias como um infame em Israel! No entanto, fala ao rei, e ele não se recusará a entregar- me a ti.” 14Ele, porém, não quis ouvi-la; dominou-a e com violência deitou-se com ela. 15Então Amnon irou-se sobremaneira — a aversão que lhe teve foi maior do que o amor com que a tinha amado —. E Amnon lhe disse: “Levanta-te! Vai-te embora!” 16Ela lhe respondeu: “Não, meu irmão, expulsar-me será pior do que o mal que me fizeste.” Mas ele não quis ouvi-la. 17Chamou o criado que o servia e lhe disse: “Livra-me desta moça! Põe-na fora daqui e fecha a porta!” 18(Ela trajava uma túnica especial que antigamente usavam as filhas do rei ainda solteiras.) O criado a pôs para fora e fechou a porta. 19Tamar apanhou pó da terra e o pôs na cabeça, rasgou a túnica, pôs as mãos na cabeça, e se foi gritando. 20Absalão, seu irmão, lhe perguntou: “Esteve o teu irmão Amnon contigo? Agora, minha irmã, cala-te; é teu irmão. Não te angusties dessa maneira.” E Tamar ficou sozinha na casa do seu irmão Absalão. 21Logo que o rei Davi tomou conhecimento de toda essa história, ficou indignado, mas não quis castigar o seu filho Amnon, porque o amava por ser o seu primogênito.22Quanto a Absalão, não falou mais com Amnon, porque Absalão estava cheio de ódio contra ele, por causa da violência que fizera contra sua irmã Tamar.

Absalão manda assassinar Amnon e foge23Dois anos mais tarde, Absalão mandou convidar todos os filhos do rei a se reunirem em Baal-Hasor, nas propriedades de Efraim, onde ele tinha seus tosquiadores. 24Absalão veio ao rei e disse: “O teu servo tem tosquiadores. Peço ao rei e a seus oficiais que se dignem aceitar o convite para irem lá estar comigo.” 25O rei respondeu a Absalão: “Não, meu filho, não devemos ir todos juntos para não te sermos pesados.” Absalão insistiu, mas ele não quis ir e lhe deu a sua bênção. 26Absalão pediu-lhe então: “Permite, ao menos, que meu irmão Amnon venha conosco.” O rei lhe perguntou: “Por que iria ele contigo?” 27Mas Absalão insistiu, e ele consentiu que Amnon partisse com ele e com todos os filhos do rei. Absalão preparou uma recepção real 28e deu esta ordem aos seus servos: “Prestai atenção: quando o coração de Amnon estiver alegre por causa do vinho e eu vos disser: ‘Feri a Amnon!’, então o matareis. Não tenhais medo: não sou eu que vos estou ordenando fazê-lo? Tende coragem e sede valentes.” 29Os servos de Absalão fizeram com Amnon como lhes tinha sido ordenado. Então, todos os filhos do rei se levantaram, montou cada qual no seu animal e fugiram. 30Quando ainda estavam a caminho, este rumor chegou aos ouvidos de Davi: “Absalão matou todos os filhos do rei, não ficou um só!” 31O rei se levantou, rasgou as suas vestes e se lançou por terra. Do mesmo modo, os seus oficiais, mantendo-se de pé, rasgaram as suas vestes. 32Mas Jonadab, o filho de Sama, irmão de Davi, tomou a palavra e disse: “Não acredite o meu senhor que todos os jovens filhos do rei morreram, porque só Amnon está morto: Absalão prometeu fazer isso desde o dia em que Amnon ultrajou a sua irmã Tamar. 33Agora, pois, o senhor meu rei não fique com a idéia de que todos os filhos do rei pereceram. Não, só Amnon está morto 34e Absalão fugiu.” O moço que estava de sentinela, levantando os olhos, viu uma tropa numerosa que avançava no caminho de Baurim. A sentinela foi anunciá-lo ao rei: “Eu vi homens que vêm descendo pelo caminho de Baurim, ao lado da montanha.” 35Então Jonadab disse ao rei: “São os filhos do rei que estão chegando: foi como o teu servo havia dito que aconteceu.” 36Mal acabava de falar, vieram entrando os filhos do rei e se puseram a gritar e a chorar: também o rei e todos os seus oficiais choraram muito alto. 37Absalão se refugiou na casa de Tolmai, filho de Amiud, rei de Gessur. O rei guardou luto por seu filho todos os dias.

Joab negocia a volta de Absalão38Absalão tinha fugido e fora para a casa de Gessur, e ali ficou três anos. 39O espírito do rei cessou de se enfurecer contra Absalão, porque já se consolara da morte de Amnon.

14 1Joab, filho de Sárvia, percebeu que o coração do rei se inclinava para Absalão. 2Então Joab mandou buscar em Técua uma mulher sábia e lhe disse: “Peço-te isto: que finjas estar de luto, vistas roupa de luto, não te perfumes, como se fosses uma mulher que, depois de muitos dias, continua de luto por um morto. 3Irás à casa do rei e lhe farás este discurso.” E Joab lhe disse as palavras que ela devia dizer. 4A mulher de Técua foi, pois, ter com o rei, caiu com o rosto em terra e se prostrou, e disse: “Salva-me, ó rei” 5O rei lhe perguntou: “Que tens?” Ela respondeu: “Pobre de mim! Eu sou viúva. Meu marido morreu 6e a tua serva tinha dois filhos. Eles discutiram no campo, não havia ninguém para os separar, e um feriu o outro e o matou. 7Então toda a família se levantou contra a tua serva e disse: ‘Entrega-nos o fratricida, para que o executemos como preço da vida do seu irmão, que ele matou, para que eliminemos também o herdeiro.’ E assim eles apagarão a brasa que me resta, para não deixar mais ao meu marido nem nome nem sobrevivente na face da terra.” 8Disse o rei à mulher: “Vai para a tua casa, e eu próprio darei ordens acerca do teu problema.” 9A mulher de Técua disse ao rei: “Senhor, meu rei! Caia sobre mim e sobre a minha família a falta cometida; o rei e o seu trono estão inocentes.” 10Respondeu o rei: “Traze-me quem te ameaçou, e ele nunca mais te fará mal.” 11Disse ela: “Lembra-te, ó rei, de Iahweh teu Deus, a fim de que o vingador do sangue não aumente a desgraça e não faça o meu filho perecer!” Então ele disse: “Tão certo como Iahweh vive, não cairá no chão nem um só cabelo da cabeça do teu filho!” 12Então a mulher acrescentou: “Que seja permitido à tua serva dizer ainda uma palavra ao senhor meu rei”, e ele respondeu: “Fala”. 13Então a mulher disse: “Ao pronunciar tal sentença, o rei se torna culpado; pois, por que decidiu o rei, contra o povo de Deus, não consentir na volta daquele que ele tinha desterrado? 14Todos morremos e, como as águas que se derramam na terra não se podem mais recolher, assim Deus não reanima um cadáver. Que o rei faça voltar o proscrito para que não continue longe dele. 15Agora, se a tua serva veio narrar ao senhor meu rei este caso, foi porque me amedrontaram e tua serva pensou: Falarei com o rei e talvez ele se dignará realizar o pedido da sua serva, 16pois o rei livrará a sua serva das mãos do homem que procura subtrair a herança de Deus de mim e de meu filho. 17A tua serva disse: Que a palavra do senhor meu rei nos traga o sossego, porque o meu rei é como o Anjo de Deus para discernir o bem e o mal. Que Iahweh teu Deus esteja contigo!” 18Então, tomando a palavra, o rei disse à mulher: “Peço-te que não ocultes de mim o que vou te perguntar.” Respondeu a mulher: “Fale o senhor meu rei.” 19Então o rei disse: “Não está a mão de Joab atrás de tudo isso que me vieste contar?” Respondeu a mulher: “Tão certo como vives tu, senhor meu rei, ninguém poderá desviar-me para a direita nem para a esquerda de tudo o que afirmou o senhor meu rei: sim, foi o teu servo Joab que me deu a ordem, e foi ele que pôs na minha boca todas as palavras que a tua serva te disse. 20Foi para disfarçar a apresentação deste caso que o teu servo Joab assim agiu, mas o meu senhor tem a sabedoria de um Anjo de Deus e sabe tudo o que se passa na terra.” 21Então o rei disse a Joab: “Está bem, eu faço isso: vai e traze de volta o jovem Absalão.” 22Joab caiu com o rosto em terra, prostrou-se e bendisse o rei. Depois, Joab disse: “O teu servo sabe hoje que encontrou graça aos teus olhos, senhor meu rei, pois o rei executou a palavra do seu servo.” 23Joab se pôs a caminho, foi a Gessur e trouxe Absalão de volta a Jerusalém. 24Contudo, o rei disse: “Que se recolha à sua casa: não será recebido por mim.” Assim Absalão se retirou para a sua casa e não foi recebido pelo rei.

Alguns dados sobre Absalão25Em todo o Israel, não havia ninguém que fosse tão belo como Absalão, ao qual se podiam fazer muitos elogios: da planta dos pés ao alto da cabeça ele era sem defeito. 26Quando cortava o cabelo — no fim de cada ano ele costumava cortá-lo, quando pesava muito, e por isso o cortava —, ele pesava-o, e o seu peso era de duzentos siclos, pelo peso do rei. 27Absalão tinha três filhos e uma filha, que se chamava Tamar. Era uma linda mulher.

Absalão obtém o perdão28Absalão ficou dois anos em Jerusalém, sem ser recebido pelo rei. 29Então Absalão mandou convocar Joab para que o enviasse ao rei, mas ele não quis ir; convocou-o segunda vez, e ainda Joab não quis ir. 30Disse, então Absalão aos seus servos: “Vedes ali, ao lado do meu, o campo de Joab, no qual há cevada. Ide e ateai fogo nele.” E foram os servos de Absalão e puseram fogo no campo. 31Joab veio procurar Absalão na sua casa e lhe disse: “Por que puseram fogo no campo que me pertence?” 32Absalão respondeu a Joab: “Mandei chamar-te para te dizer: Vem cá; quero enviar-te à presença do rei com esta mensagem: ‘Por que, afinal, vim de Gessur? Melhor teria sido se não tivesse saído de lá.’ Agora, portanto, quero ser recebido pelo rei; e, se sou culpado, que ele me condene à morte!” 33Joab se apresentou ao rei e lhe relatou tais palavras. Então ele chamou Absalão. Este foi ao rei e se prostrou, lançando-se com o rosto em terra diante dele. E o rei beijou a Absalão.

15 As intrigas de Absalão1E aconteceu depois disso que Absalão providenciou para si um carro e cavalos, e cinqüenta homens corriam diante dele. 2Levantando-se de manhã bem cedo, Absalão ficava à beira do caminho que vai dar à porta, e toda vez que algum homem que tinha algum processo tencionava ir ao tribunal do rei, Absalão o interpelava e lhe perguntava: “De que cidade és?” O homem respondia: “O teu servo é de uma das tribos de Israel.” 3Então Absalão lhe dizia: “Olha: a tua causa é boa e justa, mas não encontrarás ninguém que te escute da parte do rei.” 4Absalão continuava: “Ah! Quem me instalará como juiz no território? Todos os que tiverem processos e pleitos no tribunal venham a mim, e eu lhes farei justiça!” 5E quando alguém se aproximava para se prostrar diante dele, ele estendia-lhe a mão, puxava-o para si e o beijava. 6Absalão agia desse modo com todo o Israel que apelava ao tribunal do rei, e Absalão ia seduzindo o coração dos homens de Israel.

Revolta de Absalão7Ao fim de quatro anos, Absalão disse ao rei: “Permite que eu vá a Hebron, a fim de cumprir um voto que fiz a Iahweh. 8Porque, quando eu estava em Gessur, em Aram, o teu servo fez este voto: Se Iahweh me conceder voltar a Jerusalém, prestarei um culto a Iahweh em Hebron.” 9Disse-lhe o rei: “Vai em paz!” Ele se pôs, então, a caminho, para ir a Hebron. 10Absalão mandou emissários a todas as tribos de Israel para dizer-lhes: “Quando ouvirdes o som da trombeta, dizei uns aos outros: Absalão se fez rei em Hebron!” 11Com Absalão partiram de Jerusalém duzentos homens. Sendo convidados, e vindo inocentemente, de nada estavam informados. “Absalão mandou chamar,” na cidade de Gilo, Aquitofel, o gilonita, conselheiro de Davi, e com ele ofereceu os sacrifícios. A conjuração se avolumava e se fortalecia, e a multidão dos partidários de Absalão ia aumentando.

Fuga de Davi13Alguém veio dizer a Davi: “O coração dos homens de Israel se voltou para Absalão.” 14Então Davi disse a todos seus oficiais que estavam com ele em Jerusalém: “Levantemo-nos e fujamos! Doutra sorte não escaparemos de Absalão. Apressai-vos em partir, para que não aconteça que se apresse ele e nos ataque, nos destrua e passe a cidade ao fio da espada.” 15Responderam-lhe os oficiais do rei: “Qualquer que seja a decisão do senhor nosso rei, aqui estamos ao teu serviço.” 16O rei partiu a pé, com toda a sua família, mas deixou no palácio dez concubinas para guardá-lo. 17O rei saiu a pé com todo o povo, e se detiveram na última casa. 18Todos os seus oficiais se mantinham ao seu lado. Todos os cereteus, todos os feleteus, Etai e todos os gateus que tinham vindo de Gat, seiscentos homens, iam adiante do rei. 19O rei disse a Etai, o gateu: “Por que vieste conosco? Volta e fica com o rei, porque és um estrangeiro e exilado do teu país. 20Chegaste ontem e hoje eu te faria andar errante conosco, quando vou à ventura? Volta e procura levar contigo os teus irmãos, e tenha Iahweh para contigo misericórdia e bondade.” 21Mas Etai respondeu ao rei: “Pela vida de Iahweh e pela vida do senhor meu rei onde quer que estiver o senhor meu rei, seja para a vida, seja para a morte, ali estará também o teu servo.” 22Então Davi disse a Etai: “Vem e passa.” E Etai de Gat passou com todos os seus homens e toda a multidão que estava com ele. 23E todos choravam em alta voz. O rei se deteve à margem do ribeiro do Cedron, e todo o povo desfilou diante dele na direção do deserto.

O destino da Arca24Ali estavam também Sadoc e todos os levitas que transportavam a Arca de Deus. Puseram a Arca de Deus diante de Abiatar, até que todo o povo acabou de sair da cidade. 25Então o rei disse a Sadoc: “Torna a levar a Arca de Deus para a cidade. Se eu encontrar graça aos olhos de Iahweh, ele me trará de volta e me permitirá revê-la e à sua Habitação; 26se porém, ele disser: ‘Tu me desagradas’, aqui estou: faça de mim o que lhe aprouver.” 27O rei disse ao sacerdote Sadoc: “Vede! Tu e Abiatar voltai em paz à cidade, com os vossos dois filhos: Aquimaás teu filho, e Jônatas, filho de Abiatar. 28Vede! Eu permanecerei caminhando pelos trilhos do deserto, aguardando notícias vossas.” 29Sadoc e Abiatar levaram, pois, a Arca de Deus de volta a Jerusalém, e ali ficaram.

Davi se certifica da colaboração de Cusai30Caminhava Davi chorando, pela encosta das Oliveiras, a cabeça coberta e os pés descalços, e todo o povo que o acompanhava levava a cabeça coberta e subia chorando. 31Informaram então a Davi que Aquitofel estava entre os que conjuraram com Absalão, pelo que disse Davi: “O Iahweh! Faze que sejam insensatos os conselhos de Aquitofel!” 32Ao chegar Davi ao cume, lá onde se adora a Deus, eis que veio ao seu encontro Cusai, o araquita, amigo de Davi; veio com as vestes rasgadas e a cabeça coberta de pó. 33Disse-lhe Davi: “Se ficares comigo, ser-me-ás pesado. 34Mas se voltares à cidade e disseres a Absalão: ‘Serei teu servo, senhor meu rei; até aqui servi teu pai, agora eu te servirei’, então confundirás os conselhos de Aquitofel. 35Sadoc e Abiatar, os sacerdotes, não ficarão do teu lado? Tudo o que souberes do palácio, relatá-lo-ás ao sacerdotes Sadoc e Abiatar. 36Ali estarão também os seus dois filhos: Aquimaás, de Sadoc, e Jônatas, de Abiatar. Tudo o que observardes me comunicareis por intermédio deles.” 37Cusai, o amigo de Davi, entrou na cidade quando Absalão chegava a Jerusalém.

16 Davi e Siba1Havia Davi passado um pouco adiante do cume, quando Siba, o servo de Meribaal, veio ao seu encontro com um par de jumentos albardados, levando uma carga de duzentos pães, cem cachos de passas, cem frutas da estação e um odre de vinho. 2O rei perguntou a Siba: “Que queres fazer com isso?” Siba respondeu: “Os jumentos servirão de montaria à família real, o pão e as frutas para os moços comerem, e o vinho para os que estiverem cansados no deserto.” 3Perguntou o rei: ‘E onde está o filho do teu senhor?” E Siba respondeu ao rei: “Ficou em Jerusalém porque disse: Hoje a casa de Israel me restituirá o reino de meu pai.” 4Então o rei disse a Siba: “Tudo o que Meribaal possui é teu.” Siba disse: “Eu me prostro diante de ti. Possa eu encontrar graça aos teus olhos, senhor meu rei!”

Semei maldiz a Davi5Quando o rei Davi chegou a Baurim, surgiu um homem, membro do mesmo clã da família de Saul, cujo nome era Semei, filho de Gera, e saiu proferindo maldições. 6Atirava pedras em Davi e em todos os oficiais do rei Davi, e por isso todo o exército e todos os valentes se puseram à sua direita e à sua esquerda. 7Semei amaldiçoava a Davi com estas palavras: “Vai-te! Vai-te! homem sanguinário, bandido! 8Iahweh fez cair sobre ti todo o sangue da casa de Saul, cujo trono usurpaste. Assim fez Iahweh, tirando das tuas mãos a realeza para dá-la a teu filho Absalão. Estás entregue à tua própria maldade, porque és homem sanguinário.” 9Abisaí, filho de Sárvia, disse então ao rei: “Por que este cão morto há de ficar amaldiçoando o senhor meu rei? Deixa-me atravessá-lo e cortar-lhe a cabeça.” 10Mas o rei respondeu: “Que tenho convosco filhos de Sárvia? Se ele amaldiçoa e se Iahweh lhe ordenou: ‘Amaldiçoa a Davi’, quem poderia dizer-lhe: ‘Por que fazes isso?’ ” 11Davi disse a Abisaí e a todos os seus oficiais: “Vede: o filho que saiu das minhas entranhas busca a minha morte. Com mais razão, este benjaminita! Deixai que amaldiçoe, se Iahweh lhe ordenou que o fizesse. 12Talvez Iahweh considere a minha miséria e me restitua o bem pelas maldições de hoje.” 13Davi e os seus homens continuaram o seu caminho. Semei ia andando ao lado da montanha, paralelamente a Davi, e, enquanto andava, proferia maldições, atirava pedras e jogava terra para o ar. 14O rei e todo o povo que o acompanhava chegaram extenuados a…, e lá tomaram fôlego.

Cusai une-se a Absalão15Absalão entrou em Jerusalém com todos os homens de Israel, e Aquitofel estava com ele. 16Assim que Cusai, o araquita, amigo de Davi, se aproximou de Absalão, Cusai disse-lhe: “Viva o rei! Viva o rei!” 17Absalão, porém, disse a Cusai: “É essa a grande afeição que tens pelo teu amigo? Por que não foste com o teu amigo?” 18Cusai respondeu a Absalão: “Não, aquele com quem quero estar é aquele a quem Iahweh e este povo e todos os homens de Israel escolheram, com esse permanecerei! 19Ademais, a quem vou servir? Não és seu filho? Como servi a teu pai, assim te servirei.”

Absalão e as concubinas de Davi20Absalão disse a Aquitofel: “Consultai-vos: que faremos?” 21Aquitofel respondeu a Absalão: “Aproxima-te das concubinas de teu pai, que ele deixou aqui para guardar o palácio: todo o Israel saberá que te tornaste odioso a teu pai, e a coragem de todos os teus partidários aumentará.” 22Armou-se então uma tenda no terraço do palácio, e Absalão esteve com as concubinas de seu pai aos olhos de todo o Israel. 23O conselho que Aquitofel dava naquele tempo era recebido como um oráculo de Deus. Assim era o conselho de Aquitofel, tanto para Davi como para Absalão.

17 Cusai desfaz os planos de Aquitofel1Aquitofel disse a Absalão: “Dá-me permissão de escolher doze mil homens e me lançar esta noite mesmo à perseguição de Davi. 2Cairei sobre ele quando estiver cansado e sem coragem, e o assombrarei, e todo o povo que estiver com ele fugirá. Então ferirei mortalmente o rei 3e farei que se volte para ti todo o povo, como vem a noiva ao seu esposo; tu só queres a morte de um homem,e todo o povo escapará.” 4A idéia agradou a Absalão e a todos os anciãos de Israel. 5Contudo, disse Absalão: “Consultai ainda a Cusai, o araquita. Ouçamos também o que ele pensa.” 6Cusai veio a Absalão, e Absalão lhe disse: “Aquitofel falou desta maneira. Devemos fazer o que ele recomendou? Se não, dá o teu parecer.” 7Cusai respondeu a Absalão: “Desta vez, o conselho de Aquitofel não é bom.” 8E Cusai prosseguiu: “Tu bem sabes que o teu pai e a sua gente são valentes e estão enfurecidos, como fica a ursa a que se tiram as crias. Teu pai é um guerreiro e não deixará o exército dormir de noite. 9Agora mesmo está escondido nalguma gruta ou nalgum outro lugar. Se, logo no começo, houver vítimas do nosso lado, se espalhará a notícia de que houve derrota no exército de Absalão. 10Então, até mesmo o valente que tem um coração semelhante ao de um leão perderá a coragem, porque todo o Israel sabe que teu pai é um bravo e que aqueles que o acompanham o são também. 11Eu, portanto, aconselho que todo o Israel, desde Dã até Bersabéia, se reúna em torno a ti, tão numeroso como os grãos de areia na praia do mar, e tu marcharás pessoalmente no meio deles.” 12Nós o acharemos onde quer que se encontre e cairemos sobre ele como o orvalho sobre a terra, e não deixaremos escapar nem a ele nem a nenhum dos que o acompanham. 13Se ele se refugiar nalguma cidade, todo o Israel levará” cordas para essa cidade, e com elas a arrastaremos até a torrente, de modo que não se possa encontrar lá nem sequer um seixo.” 14Absalão e todos os homens de Israel disseram: “O conselho de Cusai, o araquita, é melhor do que o de Aquitofel.” É que Iahweh tinha determinado fazer malograr o engenhoso plano de Aquitofel, para fazer cair a desgraça sobre Absalão. 15Então disse Cusai aos sacerdotes Sadoc e Abiatar: “Aquitofel deu tal e tal conselho a Absalão e aos anciãos de Israel, porém eu aconselhei de tal e tal modo. 16Agora, pois, enviai urgentemente aviso a Davi dizendo: ‘Não fiques esta noite nos passos do deserto, mas segue imediatamente para o outro lado, para que não venham a ser destruídos o rei e todo o exército que o acompanha.’ ”

Davi, avisado, atravessa o Jordão17Jônatas e Aquimaás estavam postados junto à fonte do Pisoeiro: uma serva iria avisá-los e eles então iriam avisar o rei Davi, pois eles não podiam ser vistos entrando na cidade. 18Mas um moço os viu e levou a notícia a Absalão. Então os dois partiram apressadamente e chegaram à casa de um homem de Baurim. Havia um poço no pátio e eles desceram para dentro dele. 19A mulher tomou um pano e o estendeu sobre a boca do poço e espalhou por cima grão descascado, e assim ninguém percebeu nada. 20Vieram os servos de Absalão, entraram na casa daquela mulher e perguntaram: “Onde estão Aquimaás e Jônatas?” A mulher lhes disse: “Passaram por aqui em direção à água Eles procuraram e, não achando ninguém, voltaram a Jerusalém. 21Quando eles partiram, Aquimaás e Jônatas saíram do poço e foram avisar o rei Davi: “Levantai-vos e passai depressa o rio, porque esta foi a idéia que Aquitofel deu acerca de vós.” 22Davi e todo o exército que o acompanhava puseram-se, então, a caminho e cruzaram o Jordão; ao nascer do sol não havia ninguém que já não estivesse do outro lado do Jordão. 23Quando Aquitofel viu que o seu conselho não tinha sido seguido, selou seu jumento, montou-o e partiu para a sua casa na cidade. Pôs em ordem a sua casa e depois se enforcou, e morreu. Foi sepultado no túmulo de seu pai.

Absalão atravessa o Jordão. Davi em Maanaim24Davi tinha chegado a Maanaim quando Absalão atravessou o Jordão com todos os homens de Israel.25Absalão colocara Amasa na chefia do exército em lugar de Joab. Amasa era filho de um homem cujo nome era Jetra, o ismaelita, e que se tinha unido a Abigail, filha de Jessé e irmã de Sárvia, a mãe de Joab. 26Israel e Absalão acamparam no território de Galaad. 27Logo que Davi chegou a Maanaim, Sobi, filho de Naás, de Rabá dos amonitas, Maquir, filho de Amiel, de Lo-Dabar, e Berzelai, o galaadita, de Rogelim, 28trouxeram colchões, tapetes, copos e vasos de barro. Havia trigo, cevada, farinha, grão torrado, favas, lentilhas, 29mel, coalhada, queijos de leite de vaca e de ovelha, que ofereceram a Davi e ao povo que o acompanhava, para que se alimentassem. Com efeito, eles haviam dito: “O exército sofreu fome, cansaço e sede no deserto.”

18 Derrota do exército de Absalão1Então Davi passou revista as tropas que o acompanhavam e colocou no seu comando chefes de mil e chefes de cem. 2Davi dividiu o exército em três corpos: um terço nas mãos de Joab, um terço nas mãos de Abisaí, filho de Sárvia e irmão de Joab, e um terço nas mãos de Etai, de Gat. Depois Davi disse às tropas: “Eu também seguirei convosco para a guerra.” 3Mas as tropas disseram: “Tu não deves partir, porque, se formos obrigados a recuar, não nos darão atenção, e se morrer a metade de nós, não nos darão atenção, ao passo que tu és como dez mil dentre nós. Portanto, é melhor que sejas o nosso socorro pronto a vir da cidade. 4Respondeu-lhes Davi: “Farei o que vos parecer bem.” O rei se pôs ao lado da porta enquanto o exército saía em unidades de cem e de mil. 5O rei deu esta ordem a Joab, a Abisaí e a Etai: “Tratai o moço Absalão com brandura, por amor de mim.” Todo o exército ouviu a ordem que o rei deu a todos os chefes a respeito de Absalão. 6O exército saiu a campo, aberto ao encontro de Israel, e a batalha teve lugar na floresta de Efraim.7O exército de Israel foi vencido à vista da guarda de Davi, e houve nesse dia uma grande derrota em que pereceram vinte mil homens. 8A luta se estendeu por toda a região, e nesse dia a floresta devorou mais vítimas do que a espada.

A morte de Absalão9Aconteceu que Absalão foi por acaso esbarrar com a guarda de Davi. Absalão ia num burro, que se meteu debaixo dos galhos de um grande carvalho. A cabeça de Absalão prendeu-se no carvalho e ele ficou suspenso entre o céu e a terra enquanto o animal passava. 10Alguém o viu e veio dizer a Joab: “Acabo de ver Absalão suspenso num carvalho.” 11Respondeu Joab: “Pois se o viste, por que não o mataste ali mesmo? Eu te daria agora dez siclos de prata e um cinturão!” 12O homem, porém, replicou a Joab: “Mesmo que pusesses nas minhas mãos mil siclos de prata, não levantaria a mão contra o filho do rei! E foi diante de nós que o rei te ordenou, e também a Abisaí e a Etai: ‘Por amor de mim, tratai com brandura o moço Absalão.’ 13Se eu mentisse a mim mesmo, do rei nada se oculta, e tu te terias conservado à distância.” 14Então Joab disse: “Não quero ficar perdendo tempo contigo.” Tomou então três dardos” e os lançou no coração de Absalão, que estava ainda vivo entre os galhos do carvalho. 15Logo chegaram dez jovens, escudeiros de Joab, e golpearam Absalão até que o mataram. 16Joab mandou soar então a trombeta, e o exército cessou de atacar Israel, porque Joab conteve o exército. 17Pegaram Absalão e o atiraram para dentro de uma grande fossa no meio da mata e jogaram em cima um montão de pedras. Todo o Israel fugiu, cada qual para a sua tenda. 18Em vida, Absalão tinha resolvido erigir para si a estela que está no vale do Rei, porquanto dizia: “Não tenho filhos que conservem a memória do meu nome”, e por isso deu seu nome àquele monumento, que ainda hoje é conhecido como o monumento de Absalão.

A noticia é levada a Davi 19Disse Aquimaás, filho de Sadoc: “Vou correndo anunciar ao rei a boa nova de que Iahweh lhe fez justiça e o livrou de seus inimigos.” 20Mas Joab lhe replicou: “Hoje não serás portador de uma alegre mensagem; noutro dia sim, porque hoje a nova não é boa, pois o filho do rei está morto.” 21E Joab disse ao cuchita: “Vai relatar ao rei tudo o que viste.” O cuchita se prostrou diante de Joab e partiu correndo. 22Aquimaás, filho de Sadoc, insistiu ainda e disse a Joab: “Haja o que houver, eu também quero ir atrás do cuchita.” Joab respondeu: “Para que vais correr, meu filho? Nenhuma recompensa receberás com isso.” 23Ele replicou: “Seja como for, correrei!” Então Joab lhe disse: “Vai, pois.” E Aquimaás partiu correndo pelo caminho da planície e ultrapassou o cuchita. 24Davi estava sentado entre as duas portas. A sentinela que tinha subido ao terraço da porta, sobre a muralha, estendeu a vista e notou um homem que vinha correndo, sozinho. 25A sentinela gritou e avisou o rei, e o rei disse: “Se é um só, é que traz boas notícias nos lábios.” Quando já vinha se aproximando, 26a sentinela avistou outro homem que vinha correndo, e a sentinela que estava sobre a porta gritou: “Vem outro homem que corre sozinho.” E Davi disse: “Esse é ainda um mensageiro de bom augúrio.” 27Disse a sentinela: “Eu reconheço o modo de correr do primeiro: é como corre Aquimaás, filho de Sadoc.” O rei disse: “E um homem de bem, e vem para dar uma boa notícia.” 28Aquimaás aproximou-se do rei e disse: “Paz!” Prostrou-se, o rosto em terra diante do rei, e disse: “Bendito seja Iahweh teu Deus, que entregou os homens que levantaram a mão contra o senhor meu rei!” 29O rei perguntou: “Vai tudo bem com o moço Absalão?” E Aquimaás respondeu: “Eu vi um alvoroço no momento em que Joab, servo do rei, mandou o teu servo, mas não sei o que era.” 30Disse o rei: “Passa e coloca-te ali.” Ele obedeceu e esperou. 31Logo chegou o cuchita e disse: “Recebe, senhor meu rei, a boa notícia. Iahweh te fez justiça hoje livrando-te de todos os que se levantavam contra ti.” 32O rei perguntou ao cuchita: “Vai tudo bem com o moço Absalão?” E o cuchita disse: “Que tenham a mesma sorte desse moço todos os inimigos do senhor meu rei e todos os que se têm levantado contra ti para te fazerem mal!”

19 O sofrimento de Davi1Então o rei tremeu. Subiu para a sala que está acima da porta e caiu em pranto. E dizia entre soluços: “Meu filho Absalão! meu filho! meu filho Absalão! Porque não morri eu em teu lugar! Absalão, meu filho! meu filho!” 2Avisaram a Joab: “O rei chora e se lamenta por causa de Absalão.” 3A vitória, naquele dia, se transformou em luto para todo o exército, porque o exército compreendeu naquele dia que o rei estava em grande angústia por causa de seu filho. 4Naquele dia, o exército entrou furtivamente na cidade, como faria um exército coberto de vergonha por estar fugindo no meio do combate. 5O rei tinha o rosto coberto e clamava em alta voz: “Meu filho Absalão! Absalão meu filho! meu filho!” 6Joab se aproximou do rei, no interior da casa, e lhe disse: “Tu cobres hoje de vergonha o rosto de todos os teus servos que hoje salvaram a tua vida, a dos teus filhos e das tuas filhas, a das tuas mulheres e das tuas concubinas, 7porque amas os que te odeiam e odeias os que te amam. Pois demonstraste hoje que chefes e soldados nada são para ti, porque agora sei que, se Absalão estivesse vivo e nós todos mortos hoje, tu acharias tudo muito bem. 8Vamos, rogo-te, sai e fala aos teus soldados, porque, eu juro por Iahweh, se tu não saíres, não haverá ninguém que passe contigo esta noite, e isso será para ti um mal maior do que todos os males que têm caído sobre ti desde a tua mocidade até o dia de hoje.” 9O rei se levantou e veio assentar-se à porta. E anunciou-se a todo o exército: “Eis que o rei está assentado à porta”, e então todo o exército se reuniu diante do rei.

Preparação para a volta de Davi — Israel fugiu, cada um para a sua tenda. 10Em todas as tribos de Israel, todos discutiam. Dizia-se: “Foi o rei quem nos livrou da mão dos nossos inimigos, foi ele quem nos salvou da mão dos filisteus, e agora teve de fugir da terra, para longe de Absalão. 11Quanto a Absalão, que tínhamos ungido para que reinasse sobre nós, morreu na batalha. Então, por que não fazeis nada para trazer o rei de volta?” 12bO que se dizia em todo o Israel chegou aos ouvidos do rei. 12aEntão o rei Davi mandou dizer aos sacerdotes Sadoc e Abiatar: “Falai assim aos anciãos de Judá: ‘Por que seríeis vós os últimos a trazer de volta o rei para casa? 13Vós sois meus irmãos, sois da minha carne e dos meus ossos. Por que seríeis os últimos a trazer o rei de volta?’ 14E direis a Amasa: ‘Não és tu osso meu e minha carne? Que Deus me faça este mal e acrescente este outro, se não estiveres para sempre ao meu serviço como chefe do exército, em lugar de Joab.’ ” 15Assim foi um só o sentimento de todos os homens de Judá, como o coração de um só homem, e mandaram dizer ao rei: “Vem, tu e todos os teus servos.”

Episódios da volta: Semei16Então o rei voltou e chegou até o Jordão. Judá tinha chegado a Guilgal para ir encontrar-se com o rei, para ajudá-lo a atravessar o Jordão. 17A toda pressa, Semei, filho de Gera, o benjaminita de Baurim, desceu com os de Judá ao encontro do rei Davi. 18Vinham com ele mil homens de Benjamim. Siba, servo da casa de Saul, os seus quinze filhos e os seus vinte servos desceram com ele antes do rei ao Jordão 19e prepararam tudo para fazer passar a família do rei e agradar-lhe. Semei, filho de Gera, atirou-se aos pés do rei, quando ele atravessava o Jordão, 20e disse ao rei: “Que o meu senhor não me tenha por culpado! E não te lembres do mal que o teu servo cometeu no dia em que o senhor meu rei saiu de Jerusalém. Que o rei não guarde isso no coração! 21Porque o teu servo reconhece que pecou, e hoje sou o primeiro de toda a casa de José a descer perante o senhor meu rei.” 22Abisaí, filho de Sárvia, tomou então a palavra e disse: “Não é certo que Semei merece a morte por ter amaldiçoado o ungido de Iahweh?” 23Mas Davi disse: “Que tenho eu convosco, filhos de Sárvia, para que vos torneis hoje meus adversários? Poderia ser alguém condenado à morte hoje em Israel? Não tenho hoje a garantia de que sou rei sobre Israel?” 24O rei disse a Semei: “Não morrerás!”, e o rei o jurou.

Meribaal25Meribaal, o filho de Saul, tinha também descido perante o rei. Não tinha lavado os pés nem as mãos, nem aparado o bigode, nem tinha lavado a sua roupa desde o dia em que o rei tinha partido até o dia em que voltou em paz. 26Tendo chegado de Jerusalém perante o rei, este lhe perguntou: “Por que não vieste comigo, Meribaal?” 27Ele respondeu: “O meu servo me enganou, senhor meu rei. O teu servo lhe havia dito: ‘Sela a minha mula: vou montá-la e irei com o rei’, porque o teu servo é aleijado. 28Ele caluniou o teu servo perante o senhor meu rei. Mas o senhor meu rei é como o Anjo de Deus: faze o que parecer bem aos teus olhos. 29Porque toda a família de meu pai merecia do senhor meu rei somente a morte, contudo recebeste o teu servo entre os que comem à tua mesa. Que direito tenho, pois, de implorar ainda ao rei?” 30O rei disse: “Por que continuar falando? Eu decido que tu e Siba repartais as terras.” 31Meribaal disse ao rei: “Fique ele com tudo, pois o senhor meu rei voltou em paz à sua casa!”

Berzelai32Berzelai, o galaadita, tinha descido de Rogelim é acompanhado o rei até o Jordão, a fim de despedir-se dele no Jordão. 33Berzelai era muito idoso: tinha oitenta anos. Havia ele, quando o rei passou por Maanaim, acudido à manutenção do rei, porque era um homem muito rico. 34Disse, pois, o rei a Berzelai: “Continua comigo e eu te proverei com o que precisares em Jerusalém.” 35Mas Berzelai respondeu ao rei: “Quantos anos me restam de vida, para que suba com o rei a Jerusalém? 36Estou agora com oitenta anos. Poderei distinguir o que é bom do que é mau? Sente este teu servo sabor no que come ou bebe? Poderei ainda ouvir a voz dos cantores e das cantoras? Por que seria o teu servo agora um peso para o senhor meu rei? 37O teu servo passará o Jordão com o rei, mas por que me daria o rei tal recompensa? 38Permite ao teu servo que dali retorne: morrerei na minha cidade, perto do túmulo do meu pai e da minha mãe. Mas aqui está o teu servo Camaam: fique ele com o senhor meu rei, e faze com ele o que bem te aprouver.” 39Disse o rei: “Continue Camaam comigo então, e farei por ele o que te agradar, e tudo o que me pedires eu lhe farei por ti.” 40Todo o povo passou o Jordão, e então o rei passou, beijou a Berzelai e o abençoou, e Berzelai voltou para a sua casa.

Judá e Israel disputam o rei41O rei prosseguiu em direção a Guilgal, e Camaam foi com ele. Todo o povo de Judá acompanhava o rei, e também a metade do povo de Israel. 42E eis que todos os homens de Israel vieram ter com o rei e lhe disseram: “Por que os nossos irmãos, os homens de Judá, se apossaram de ti, e fizeram passar o Jordão ao rei, à sua família e a todos os homens de Davi com ele?” 43Então todos os homens de Judá responderam aos homens de Israel: “É porque o rei é mais aparentado comigo! Por que te irritas por isso? Comemos nós a expensas do rei? Ou nos trouxe ele alguma porção?” 44Responderam os homens de Israel aos homens de Judá: “Eu tenho dez partes no rei, e, além disso, sou teu primogênito: por que me desprezaste? E não fui eu o primeiro a promover a volta do meu rei?” Mas as palavras dos homens de Judá foram mais ofensivas do que as dos homens de Israel.

20 Revolta de Seba1Ora, havia ali um homem vagabundo chamado Seba, filho de Boeri, benjaminita. Ele tocou a trombeta e disse: “Não temos parte com Davi, nenhuma herança temos no filho de Jessé! Cada qual para as suas tendas, ó Israel!” 2Todos os homens de Israel abandonaram Davi e foram com Seba, filho de Boeri, mas os homens de Judá ficaram junto do seu rei, do Jordão até Jerusalém. 3Davi foi para o seu palácio em Jerusalém. O rei tomou as dez concubinas que tinha deixado para guardar o palácio, e as pôs em confinamento, provendo-lhes a manutenção, sem jamais delas se aproximar, e elas ficaram segregadas até o dia em que morreram, como viúvas de um vivo.

Assassínio de Amasa4O rei disse a Amasa: “Convoca os homens de Judá. Dou-te três dias para te apresentares aqui.” 5Partiu Amasa para convocar Judá, mas demorou-se além do limite que lhe fora estabelecido. 6Então Davi disse a Abisaí: “Seba, filho de Boeri, é de hoje em diante mais perigoso para nós do que Absalão. Toma, pois, os guardas do teu senhor e acossa-o de medo, para que não alcance as cidades fortificadas e não nos escape.”7Após Abisaí, partiram também Joab, os cereteus, os feleteus e todos os homens valentes. Eles deixaram Jerusalém para perseguir Seba, filho de Boeri. 8Estavam perto da grande pedra que se acha em Gabaon, quando apareceu Amasa à frente deles. Ora, Joab trajava sua roupa militar com o cinto de que pendia a espada na bainha, a qual saiu e caiu. 9Joab perguntou a Amasa: “Vais bem, meu irmão?” E, com a mão direita, segurou a barba de Amasa para o beijar. 10Amasa não percebeu a espada que Joab tinha na mão, e este lha cravou no abdômen, derramando-se-lhe as entranhas no chão. Não foi preciso dar-lhe um segundo golpe, e Amasa morreu. Joab e seu irmão Abisaí partiram em seguida perseguindo Seba, filho de Boeri. 11Um dos moços de Joab, parando perto de Amasa, disse: “Quem é amigo de Joab e é por Davi siga a Joab!” 12Amasa jazia ali no meio do caminho, numa poça de sangue. Vendo que todos paravam, aquele moço tirou Amasa do caminho e o pôs no campo e cobriu-lhe o corpo com um manto, porque ele observou que todos os que passavam perto dele se detinham. 13Depois que Amasa foi afastado para fora do caminho, todos iam passando sem parar, seguindo a Joab na perseguição de Seba, filho de Boeri.

Fim da revolta14Seba atravessou todas as tribos de Israel até chegar a Abel-Bet-Maaca e todos os bocritas… Eles se reuniram e foram também após ele. 15E vieram e o cercaram em Abel-Bet-Maaca e levantaram junto à cidade um terrapleno, que chegava até o muro, e todo o exército que estava com Joab se esforçava por derrubar a muralha, solapando-a. 16Então uma mulher sensata gritou de dentro da cidade: “Ouvi! Escutai! Dizei a Joab: Aproxima-te, que te quero falar!” 17Ele se aproximou e a mulher perguntou: “És tu Joab?” Ele respondeu: “Sim, sou eu.” Ela lhe disse: “Escuta a palavra da tua serva.” Ele respondeu: “Escuto.” 18Então ela disse: “Antigamente era assim que se dizia: ‘Quem quiser saber pergunte em Abel e em Dã se se acabou 19o que os fiéis de Israel tinham estabelecido! E tu pretendes destruir uma cidade e metrópole em Israel. Por que queres acabar com a herança de Iahweh?” 20Respondeu Joab: “Longe de mim, longe de mim querer destruir ou arruinar! 21Não é disso que se trata, mas um homem da montanha de Efraim, chamado Seba, filho de Boeri, se revoltou contra o rei, contra Davi. Basta que o entregueis, e eu suspenderei o cerco da cidade.” A mulher disse a Joab: “Pois bem! Jogaremos a cabeça dele por cima da muralha!” 22A mulher falou do assunto a todo o povo como lhe ditava o seu bom senso: e degolaram a Seba, filho de Boeri, e jogaram a cabeça a Joab. Então ele mandou soar a trombeta e se afastaram da cidade, e cada um foi para a sua tenda. Joab, porém, voltou para Jerusalém, para junto do rei.

Os altos oficiais de Davi23Joab era o comandante supremo do exército; Banaías, filho de Joiada, comandava os cereteus e os feleteus; 24Adoram controlava a corvéia; Josafá, filho de Ailud, era o arauto; 25Siva era secretário; Sadoc e Abiatar eram sacerdotes. 26Além desses, também Ira, o jairita, era sacerdote de Davi.

V. Apêndices

21 A grande fome e a execução dos descendentes de Saul1No tempo de Davi, houve uma fome, que durou três anos consecutivos. Davi consultou a Iahweh, e Iahweh disse: “Há sangue em Saul e na sua família, porque ele levou à morte os gabaonitas.” 2O rei convocou os gabaonitas e lhes contou isso. — Esses gabaonitas não eram filhos de Israel: eram um resto dos amorreus com os quais os filhos de Israel se tinham comprometido por juramento. Saul, porém, havia procurado feri-los, no seu zelo pelos filhos de Israel e por Judá. — 3Por isso Davi disse aos gabaonitas: “Que se deve fazer por vós e como reparar o que sofrestes, para que abençoeis a herança de Iahweh?” 4Os gabaonitas lhes responderam: “Não se trata de um caso de prata nem de ouro entre nós e Saul e a sua família. Nem se trata, para nós de um homem que deve ser morto em Israel.” Disse Davi: “O que disserdes, eu vo-lo farei.” 5Então eles disseram ao rei:”Aquele homem exterminou a nossa gente e projetou destruir-nos, para que não mais existíssemos em todo o território de Israel. 6Que nos sejam entregues sete dos seus filhos, e nós os desmembraremos perante Iahweh em Gabaon, na montanha de Iahweh.” E o rei respondeu: “Eu os entregarei.” 7O rei poupou, no entanto, a Meribaal, filho de Jônatas, filho de Saul, por causa do juramento por Iahweh que unia Davi e Jônatas, filho de Saul. 8O rei tomou os dois filhos que Resfa, filha de Aías, tinha dado a Saul, a saber, Armoni e Meribaal, e os cinco filhos que Merob, filha de Saul, tinha dado a Adriel, filho de Berzelai, de Meoia. 9E entregou-os nas mãos dos gabaonitas, e estes os desmembraram na montanha, na presença de Iahweh. Os sete morreram juntos; foram executados no começo dos primeiros dias da colheita, no começo da colheita da cevada. 10Resfa, filha de Aías, tomou um pano de saco e o estendeu sobre o rochedo, desde o início da colheita da cevada, até o dia em que a chuva caiu do céu sobre eles, e ela não deixou descerem sobre eles as aves do céu durante o dia, nem os animais selvagens durante a noite. 11Informaram a Davi sobre o que fizera Resfa, filha de Aías, a concubina de Saul. 12Então Davi foi pedir os ossos de Saul e os de Jônatas, seu filho, aos notáveis de Jabes de Galaad, que os tinham levado da praça de Betsã, onde os filisteus os haviam enforcado, quando os filisteus venceram Saul em Gelboé. 13Davi tirou dali os ossos de Saul e os de seu filho Jônatas, e os juntou aos dos que tinham sido executados. 14Então sepultaram os ossos de Saul, os de seu filho Jônatas e os dos que tinham sido executados, na terra de Benjamim, em Sela, no túmulo de Cis, pai de Saul. Tudo o que o rei tinha ordenado foi cumprido, e então Deus se compadeceu da terra.

Feitos heróicos contra os filisteus15Houve ainda uma guerra dos filisteus contra Israel. Davi desceu com sua guarda. Combateram os filisteus, e Davi ficou exausto. 16Ora, havia um grande guerreiro, um dos descendentes de Rafa; o peso da sua lança era de trezentos siclos de bronze e cingia uma espada nova. Ele pretendia matar Davi. 17Porém Abisaí, filho de Sárvia, veio em socorro de Davi, atingiu o filisteu e o matou. Então os homens de Davi imploraram dizendo-lhe: “Nunca mais irás conosco à guerra, para que não apagues a lâmpada de Israel!” 18Depois disso, recomeçou em Gob a guerra com os filisteus. Foi então que Sobocai de Husa matou Saf, descendente de Rafa. 19Ainda em Gob, noutra guerra com os filisteus, Elcanã, filho de Jair, de Belém, matou Golias de Gat; a madeira de sua lança era como cilindro de tear. 20Houve ainda outra refrega em Gat, e havia lá um homem altíssimo,que tinha seis dedos em cada mão e em cada pé; vinte e quatro dedos no total. Também ele descendia de Rafa. 21Como estivesse desafiando Israel, Jônatas, filho de Sama, irmão de Davi, o abateu. 22Os quatro eram descendentes de Rafa em Gat, e sucumbiram pelas mãos de Davi e dos seus guardas.

22 Salmos de Davi1Davi dedicou a Iahweh as palavras deste cântico, quando Iahweh o livrou de todos os seus inimigos e da mão de Saul. 2Ele disse: Iahweh é a minha rocha e minha fortaleza, o meu libertador: 3ele é o meu Deus. Nele me abrigo: é meu rochedo, escudo, fortaleza e salvação, é a minha cidadela e o meu refúgio. Meu salvador, tu me salvaste da violência. 4Digno é ele de louvor: eu invoco a Iahweh e sou salvo dos meus inimigos. 5As vagas da Morte me cercavam, as torrentes de Belial me apavoravam; 6as cordas do Xeol me rodeavam, as ciladas da Morte me esperavam. 7Na minha angústia invoquei a Iahweh, ao meu Deus lancei meu grito, ele escutou do seu Templo a minha voz e o meu clamor chegou aos seus ouvidos. 8E a terra tremeu e vacilou, os fundamentos do céu se abalaram (pela sua ira eles oscilaram); 9fumo se elevou de suas narinas e da sua boca um fogo devorador (carvões inflamados saíam dele). 10Ele inclinou os céus e desceu, uma névoa escura debaixo dos seus pés; 11cavalgou um querubim e alçou vôo, planou sobre as asas do vento. 12Fez das trevas a sua companhia e sua tenda, treva d’água, nuvem sobre nuvem; 13um fulgor adiante dele inflamou granizo e brasas de fogo. 14Iahweh trovejou desde os céus, o Altíssimo fez ouvir a sua voz;15disparou setas e as espalhou, fez cintilar os relâmpagos e os dissipou. 16O leito dos mares apareceu, os fundamentos do mundo se descobriram, pela repreensão de Iahweh e ao sopro do vento de suas narinas. 17Enviou das alturas e me tomou, e me tirou das águas profundas; 18livrou-me do feroz inimigo, de adversários mais fortes do que eu. 19Atacaram-me no dia da minha desgraça, mas Iahweh foi a minha fortaleza; 20livrou-me e me colocou em amplo espaço, e salvou-me porque me ama. 21Iahweh recompensou-me segundo a minha justiça, segundo a pureza das minhas mãos me retribuiu, 22porque me mantive nos caminhos de Iahweh, sem me distanciar do meu Deus. 23Os seus julgamentos estão todos diante de mim, e dos seus decretos não me afastei; 24mas sou inocente perante ele, eu me resguardei do pecado. 25E Iahweh me retribuiu segundo a minha justiça, segundo a pureza que ele viu em mim com os seus olhos. 26Com o homem fiel tu és fiel, irrepreensível com quem é sem repreensão, 27puro com quem é puro, tortuoso com o perverso 28tu salvas o povo dos pobres e abates os olhos presunçosos. 29Tu és a minha lâmpada, Iahweh: o meu Deus alumia as minhas trevas; 30contigo eu salto a muralha, com o meu Deus escalo os muros. 31O caminho de Deus é sem mácula, e a palavra de Iahweh sem impureza. Ele é o escudo de quem nele se refugia. 32Quem, pois, é Deus, senão Iahweh? quem é Rochedo senão o nosso Deus? 33Esse Deus que me cinge de força e torna o meu caminho irrepreensível, 34que faz os meus pés como os das corças e me sustenta de pé nas alturas, 35que instrui as minhas mãos para o combate e meus braços a retesarem o arco de bronze. 36Tu me cedes o teu escudo de salvação, jamais deixas de acudir-me. 37Alargaste os meus passos debaixo de mim, e os meus artelhos não vacilaram. 38Persigo os meus inimigos e os extermino, e não retorno sem os ter destruído. 39Eu os esmago e não podem levantar-se, tombam e jazem sob os meus pés. 40Tu me cingiste de força para a guerra, esmagaste debaixo de mim os meus agressores; 41dos meus inimigos fizeste-me ver as costas, e aqueles que me odeiam, eu os extermino. 42Clamam, e não há quem os salve, chamam por Iahweh, mas não vem resposta: 43eu os trituro como pó das praças, como a lama dos becos os amasso. 44Tu me livras das querelas dos povos, e me pões à testa das nações; o povo que eu não conhecia me serve, 45os filhos dos estrangeiros me cortejam, prestam atenção e me obedecem, 46os filhos dos estrangeiros se debilitam, e a tremer abandonam os seus redutos. 47Viva Iahweh, e bendito seja o meu Rochedo, exaltado seja o Deus da minha salvação, 48o Deus que me dá a vingança e esmaga os povos debaixo de mim, 49que me tira do meio dos meus inimigos. Tu me exaltas acima dos meus agressores e me livras do homem violento. 50Ó Iahweh, louvar-te-ei no meio das nações, e cantarei em louvor do teu nome. 51Ele multiplica a salvação do seu rei e mostra amor pelo seu ungido, por Davi e por sua descendência para sempre.23

23 As últimas palavras de Davi1Foram estas as últimas palavras de Davi:Oráculo de Davi, filho de Jessé, oráculo do homem que foi exaltado,do ungido do Deus de Jacó, do cantor dos salmos de Israel. 2O espírito de Iahweh falou por meu intermédio, a sua palavra está na minha língua. 3O Deus de Jacó falou, a Rocha de Israel me disse: Quem governa os homens com justiça e quem governa segundo o temor de Deus 4é como a luz da manhã ao nascer do sol (na manhã sem nuvens), que faz brilhar depois da chuva a grama da terra. 5Sim, a minha casa é estável na presença de Deus: ele fez comigo eterna aliança, em tudo ordenada e bem segura; não faz ele germinar toda a minha salvação e todo o meu prazer? 6No entanto, a gente de Belial é toda como os espinheiros que se rejeitam porque não se podem pegar com as mãos: 7ninguém os toca, a não ser com um ferro ou com a haste de uma lança, e são queimados no fogo.

Os valentes de Davi8Estes são os nomes dos valentes de Davi: Isbaal, o haquemonita, chefe dos Três, foi quem brandiu a sua lança matando oitocentos de uma só vez. ‘Depois dele, Eleazar, filho de Dodô, o aoíta, um dos três valentes. Ele estava com Davi em Afes-Domim quando os filisteus lá se reuniram para o combate, e os homens de Israel recuaram à vista deles. 10Mas ele se manteve firme e combateu os filisteus até que a sua mão adormeceu e ficou colada à espada. Naquele dia, Iahweh operou uma grande vitória, e o exército retornou após ele, mas só para apoderar-se dos despojos. 11Depois dele, Sama, filho de Ela, o ararita. Os filisteus se haviam reunido em Lequi. Havia ali um campo de lentilhas. O exército fugira diante dos filisteus; 12ele, porém, se pôs no meio do campo e o defendeu, e venceu os filisteus. Iahweh operou uma grande vitória. 13Três dos Trinta desceram e vieram, no começo da colheita, a Davi, na gruta de Odolam, enquanto uma companhia dos filisteus acampava no vale dos rafaim. 14Davi estava então no refúgio, e os filisteus tinham um posto de guarda em Belém. 15Davi revelou este desejo: “Quem me dará a beber água do poço que existe à porta de Belém?” 16Os três valentes abriram passagem através do campo filisteu e tiraram água do poço que existe à porta de Belém, e a trouxeram e ofereceram a Davi; ele, contudo, não quis tomá-la e a ofereceu em libação a Iahweh. 17Disse ele: “Que me livre Iahweh de fazer tal coisa! É o sangue dos homens que foram arriscando a sua vida!” Por isso ele não quis beber. Isso fizeram os três valentes. 18Abisaí, irmão de Joab e filho de Sárvia, era o chefe dos Trinta. Foi ele que vibrou a sua lança matando trezentos, e alcançou fama entre os Trinta. 19Ele foi mais ilustre que os Trinta, e veio a ser seu capitão, mas não foi contado entre os Três. 20Banaías, filho de Joiada, um bravo, pródigo em façanhas, originário de Cabseel, foi quem abateu os dois heróis de Moab, e foi ele quem desceu e quem matou o leão no poço, num dia de neve. 21Foi ele também que matou um egípcio de elevada estatura. O egípcio trazia na mão uma lança, mas ele o enfrentou com um cajado, arrancou a lança da mão do egípcio e o. matou com a sua própria lança. 22Isto foi o que fez Banaías, filho de Joiada, e alcançou fama entre os trinta valentes. 23Ele foi mais ilustre do que os Trinta, mas não foi contado entre os Três; Davi o colocou na chefia da sua guarda pessoal. 24Asael, irmão de Joab, estava entre os Trinta. Elcanã, filho de Dodô, de Belém. 25Sama, de Harod. Elica, de Harod. 26Heles, de Bet-Falet. Ira, filho de Aces, de Técua. 27Abiezer, de Anatot. Sobocai, de Husa. 28Selmon, de Ao. Maarai, de Netofa. 29Héled, filho de Baana, de Netofa. Etai, filho de Ribai, de Gabaá de Benjamim. 30Banaías de Faraton. Hedai, das Torrentes de Gaás. 31Abibaal, de Bet-Arabá. Azmot, de Baurim. 32Eliaba, de Saalbon. Jasen, de Gimzo. 33Jônatas, filho de Sama, de Arar. Aiam, filho de Sarar, de Arar. 34Elifalet, filho de Aasbai, de Bet-Maaca. Eliam, filho de Aquitofel, de Gilo. 35Hessai, de Carmel. Farai, de Arab. 36Igaal, filho de Natã, de Soba. Bani, o gadita. 37Selec, o amonita. Naarai, de Berot, escudeiro de Joab, filho de Sárvia. 38Ira, de Jeter. Gareb, de Jeter. 39Urias, o heteu. No total, trinta e sete.

24 O recenseamento do povo1A ira de Iahweh se acendeu contra Israel e incitou Davi contra eles: “Vai”, disse ele, “e faze o recenseamento de Israel e de Judá.” 2O rei disse a Joab e aos chefes do exército que o acompanhavam: “Percorrei, pois, todas as tribos de Israel, de Dã a Bersabéia, e fazei o recenseamento do povo, a fim de que eu saiba o número da população.” 3Joab respondeu ao rei: “Multiplique Iahweh teu Deus o povo cem vezes mais do que é agora, de sorte que os olhos do senhor meu rei o vejam, mas por que teria o senhor meu rei tal desejo?” 4Mas a ordem do rei se impôs a Joab e aos chefes do exército, e Joab e os chefes do exército deixaram a presença do rei para recensear o povo de Israel. 5Passaram o Jordão e começaram por Aroer e a cidade que está no meio do vale, e chegaram aos gaditas, perto de Jazer. 6Em seguida, foram a Galaad, à terra dos heteus, em Cades, e voltaram a Dã, e de Dã dirigiram-se a Sidônia. 7Depois alcançaram a fortaleza de Tiro e foram a todas as cidades dos heveus e dos cananeus, e chegaram ao Negueb de Judá, em Bersabéia. 8Tendo percorrido toda a terra, voltaram a Jerusalém ao cabo de nove meses e vinte dias. 9Joab apresentou ao rei o número obtido pelo recenseamento do povo: Israel contava oitocentos mil homens de armas que portavam a espada, e Judá quinhentos mil.

A peste e o perdão divino10Depois disso o coração de Davi se descompassou por ter recenseado o povo, e Davi disse a Iahweh: “Cometi um grande pecado! Agora, ó Iahweh, perdoa esta falta ao teu servo, porque cometi uma grande loucura.” 11Quando, de manhã cedo, Davi se levantou — Iahweh tinha dito ao profeta Gad, o vidente de Davi, esta palavra: 12“Vai dizer a Davi: Assim diz Iahweh: Eu te proponho três coisas; escolhe uma, e eu a executarei por ti.” — 13Então Gad foi ter com Davi e lhe disse: “Que queres que te aconteça: que três anos de fome caiam sobre a tua terra, ou que andes três meses fugindo do teu inimigo que te perseguirá, ou que durante três dias a peste caia sobre o teu país? Reflete agora e decide sobre o que devo responder àquele que me enviou!” 14Davi respondeu a Gad: “Estou em grande angústia… Ah! Caiamos nas mãos de Iahweh, porque é grande a sua misericórdia, mas não venha eu a cair nas mãos dos homens!” 15Portanto, Davi escolheu a peste. Era o tempo da colheita do trigo. Iahweh mandou a peste a Israel, desde aquela manhã até o dia determinado. O flagelo feriu o povo, e setenta mil homens do povo morreram, desde Dã até Bersabéia. 16O Anjo estendeu a sua mão sobre Jerusalém para a exterminar, mas Iahweh se arrependeu desse mal, e disse ao Anjo que exterminava o povo: “Basta! Retira a tua mão agora!” O Anjo de Iahweh estava perto da eira de Areúna, o jebuseu. 17Quando Davi viu o Anjo que afligia o povo, disse a Iahweh: “Sou eu quem pecou, eu sou quem cometeu o mal, mas aqueles, e o rebanho, que mal fizeram? Venha a tua mão e caia sobre mim e sobre a minha família!”

A construção de um altar18Nesse mesmo dia, veio Gad a Davi e lhe disse: “Sobe e ergue um altar a Iahweh na eira de Areúna, o jebuseu.” 19Então Davi subiu conforme a palavra de Gad, como Iahweh lhe ordenara. 20Areúna olhou e viu o rei e os seus oficiais que se aproximavam dele. — Areúna estava trilhando o trigo. — Ele saiu e se prostrou diante do rei, com o rosto em terra. 21Disse Areúna: “Por que veio o rei meu senhor a mim seu servo?” E Davi respondeu: “Para adquirir de ti esta eira, a fim de construir nela um altar a Iahweh. Assim a peste deixará o povo.” 22Então disse Areúna ao rei: “Que o senhor meu rei a tome e ofereça o que lhe parecer bem! Aqui estão os bois para o holocausto, a grade e o jugo dos bois para a lenha. 23O servo do senhor meu rei tudo dá ao rei!” E Areúna disse ao rei: “Que Iahweh teu Deus se compraza com a tua oferenda!” 24Mas o rei respondeu a Areúna: “Não! Eu quero comprá-la por preço, pois não quero oferecer a Iahweh meu Deus holocaustos que não me custem nada!” E Davi adquiriu a eira e os bois por dinheiro, cinqüenta siclos.25Davi construiu ali um altar a Iahweh e lhe ofertou holocaustos e sacrifícios de comunhão. Então Iahweh teve piedade da terra, e a peste deixou Israel.

PRIMEIRO SAMUEL
PRIMEIRO REIS
Ajude a Melhorar Ainda Mais o site, Avalie: