NUMEROS

0
15
LEVÍTICO
DEUTERONÔMIO

NUMEROS

I. O recenseamento

11Iahweh falou a Moisés, no deserto do Sinai, na Tenda da Reunião, no primeiro dia do segundo mês, no segundo ano após a saída da terra do Egito. Disse: 2“Fazei o recenseamento de toda a comunidade dos filhos de Israel, segundo os clãs e segundo as casas patriarcais, alistando os nomes de todos os homens, cabeça por cabeça. 3Todos aqueles em Israel, de vinte anos para cima, hábeis para ir à guerra, tu, e Aarão os registrareis segundo os seus esquadrões. 4Estará convosco um homem de cada tribo, os chefes das casas patriarcais.

Os encarregados do recenseamento5“Estes são os nomes daqueles que vos auxiliarão: De Rúben, Elisur, filho de Sedeur. 6De Simeão, Salamiel, filho de Surisadai. 7De Judá, Naasson, filho de Aminadab. 8De Issacar, Natanael, filho de Suar. 9De Zabulon, Eliab, filho de Helon. 10Dos filhos de José: de Efraim, Elisama, filho de Amiud; de Manassés, Gamaliel, filho de Fadassur. 11De Benjamim, Abidã, filho de Gedeão. 12De Dã, Aiezer, filho de Amisadai. 13De Aser, Fegiel, filho de Ocrã. 14De Gad, Eliasaf, filho de Reuel. 15De Neftali, Aíra, filho de Enã.” 16Esses foram os homens escolhidos na comunidade; eram chefes da tribo de seu antepassado e esses eram os cabeças dos milhares de Israel. 17Então Moisés e Aarão tomaram esses homens que haviam sido designados nominalmente 18e convocaram toda a comunidade no primeiro dia do segundo mês. Os filhos de Israel determinaram a sua descendência, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, e registraram-se os nomes dos homens de vinte anos para cima, cabeça por cabeça. 19Como Iahweh lhe havia ordenado, Moisés os enumerou no deserto do Sinai.

O recenseamento20Quando se determinou a descendência dos filhos de Rúben, primogênito de Israel, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 21Foram recenseados quarenta e seis mil e quinhentos na tribo de Rúben. 22Quando se determinou a descendência dos filhos de Simeão, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 23Foram recenseados cinqüenta e nove mil e trezentos na tribo de Simeão. 24Quando se determinou a descendência dos filhos de Gad, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 25Foram recenseados quarenta e cinco mil e seiscentos e cinqüenta na tribo de Gad. 26Quando se determinou a descendência dos filhos de Judá, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 27Foram recenseados setenta e quatro mil e seiscentos na tribo de Judá. 28Quando se determinou a descendência dos filhos de Issacar, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 29Foram recenseados cinqüenta e quatro mil e quatrocentos na tribo de Issacar. 30Quando se determinou a descendência dos filhos de Zabulon, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 31Foram recenseados cinqüenta e sete mil e quatrocentos na tribo de Zabulon. 32Filhos de José: Quando se determinou a descendência dos filhos de Efraim, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 33Foram recenseados quarenta mil e quinhentos na tribo de Efraim. 34Quando se determinou a descendência dos filhos de Manassés, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 35Foram recenseados trinta e dois mil e duzentos na tribo de Manassés. 36Quando se determinou a descendência dos filhos de Benjamim, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 37Foram recenseados trinta e cinco mil e quatrocentos na tribo de Benjamim. 38Quando se determinou a descendência dos filhos de Dã, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para à guerra. 39Foram recenseados sessenta e dois mil e setecentos na tribo de Dã. 40Quando se determinou a descendência dos filhos de Aser, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 41Foram recenseados quarenta e um mil e quinhentos na tribo de Aser. 42Quando se determinou a descendência dos filhos de Neftali, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais, foram registrados, cabeça por cabeça, os nomes de todos os homens de vinte anos para cima, aptos para a guerra. 43Foram recenseados cinqüenta e três mil e quatrocentos na tribo de Neftali. 44Esses são os que Moisés, Aarão e os doze príncipes de Israel recensearam, um de cada uma de suas casas patriarcais. 45Todos os filhos de Israel de vinte anos para cima, todos aqueles que em Israel eram aptos para a guerra, foram recenseados segundo as casas patriarcais. 46O total dos recenseados foi de seiscentos e três mil e quinhentos e cinqüenta. 47Os levitas, porém, não foram recenseados com eles, nem a sua tribo patriarcal.

Estatuto dos levitas48Falou, pois, Iahweh a Moisés e disse: 49“Não registrareis, contudo, a tribo de Levi e não a recenseareis no meio dos filhos de Israel. 50Mas estabelece, tu mesmo, os levitas para o serviço da Habitação do Testemunho, de todos os seus utensílios e de tudo o que lhe pertence. Eles transportarão a Habitação e todos os seus utensílios, exercerão nela o seu ministério e acamparão ao redor da Habitação. 51Quando a Habitação se mudar, os levitas a desarmarão; quando a Habitação tiver de parar, os levitas a armarão. Qualquer profano que se aproximar dela será condenado à morte. 52Os filhos de Israel acamparão cada um no seu próprio acampamento, junto de sua insígnia, segundo os seus exércitos. 53Os levitas, porém, acamparão ao redor da Habitação do Testemunho. Deste modo a Ira não se manifestará contra a comunidade dos filhos de Israel. E os levitas assegurarão o serviço da Habitação do Testemunho.” 54Os filhos de Israel fizeram tudo de acordo com o que Iahweh ordenara a Moisés. Realmente assim o fizeram.

2 Ordem das tribos1Falou Iahweh a Moisés e a Aarão e disse: 2“Os filhos de Israel acamparão cada um junto à sua insígnia, sob os emblemas de suas casas patriarcais. Acamparão ao redor da Tenda da Reunião, a uma distância determinada. 3Estes são os que acamparão ao oriente: Ao oriente, a insígnia do acampamento de Judá, segundo os seus esquadrões. Príncipe dos filhos de Judá: Naasson, filho de Aminadab. 4Seu exército: setenta e quatro mil e seiscentos recenseados. 5Junto dele acampam: A tribo de Issacar. Príncipe dos filhos de Issacar: Natanael, filho de Suar. 6Seu exército: cinqüenta e quatro mil e quatrocentos recenseados. 7A tribo de Zabulon. Príncipe dos filhos de Zabulon: Eliab, filho de Elon. 8Seu exército: cinqüenta e sete mil e quatrocentos recenseados. 9Os recenseados do acampamento de Judá, segundo seus esquadrões, são ao todo cento e oitenta e seis mil e quatrocentos. Esses serão os primeiros a levantar o acampamento. 10Ao sul, a insígnia do acampamento de Rúben, segundo seus esquadrões. Príncipe dos filhos de Rúben: Elisur, filho de Sedeur. 11Seu exército: quarenta e seis mil e quinhentos recenseados. 12Junto dele acampam: A tribo de Simeão. Príncipe dos filhos de Simeão: Salamiel, filho de Surisadai. 13Seu exército: cinqüenta e nove mil e trezentos recenseados. 14Tribo de Gad. Príncipe dos filhos de Gad: Eliasaf, filho de Reuel. 15Seu exército: quarenta e cinco mil e seiscentos e cinqüenta recenseados. 16Os recenseados do acampamento de Rúben, segundo seus esquadrões, são ao todo cento e cinqüenta e um mil e quatrocentos e cinqüenta. Esses levantarão o acampamento em segundo lugar. 17E assim que a Tenda da Reunião partir, o acampamento dos levitas estará no meio dos outros acampamentos. A ordem de marcha será a mesma do acampamento, cada um sob sua insígnia. 18A insígnia do acampamento de Efraim estará ao ocidente, segundo os seus esquadrões. Príncipe dos filhos de Efraim: Elisama, filho de Amiud. 19Seu exército: quarenta mil e quinhentos recenseados. 20Junto dele: A tribo de Manassés. Príncipe dos filhos de Manassés: Gamaliel, filho de Fadassur. 21Seu exército: trinta e dois mil e duzentos recenseados. 22Tribo de Benjamim. Príncipe dos filhos de Benjamim: Abidã, filho de Gedeão. 23Seu exército: trinta e cinco mil e quatrocentos recenseados. 24Os recenseados do acampamento de Efraim, segundo seus esquadrões, são ao todo cento e oito mil e cem. Esses levantarão o acampamento em terceiro lugar. 25A insígnia do acampamento de Dã estará ao norte, segundo os seus esquadrões. Príncipe dos filhos de Dã: Aiezer, filho de Amisadai. 26Seu exército: sessenta e dois mil e setecentos recenseados. 27Junto dele acampam: Tribo de Aser. Príncipe dos filhos de Aser: Fegiel, filho de Ocrã. 28Seu exército: quarenta e um mil e quinhentos recenseados. 29Tribo de Neftali. Príncipe dos filhos de Neftali: Aíra, filho de Enã. 30Seu exército: cinqüenta e três mil e quatrocentos recenseados. 31Os recenseados do acampamento de Dã são ao todo cento e cinqüenta e sete mil e seiscentos. Esses levantarão o acampamento em último lugar. Todos de acordo com as suas insígnias.” 32Esses são os filhos de Israel cujo recenseamento foi feito pelas casas patriarcais. Os que foram recenseados desses acampamentos, segundo os seus esquadrões, são ao todo seiscentos e três mil e quinhentos e cinqüenta. 33Contudo, conforme Iahweh havia ordenado a Moisés, os levitas não foram recenseados com os filhos de Israel. 34Os filhos de Israel fizeram tudo de acordo com o que Iahweh havia ordenado a Moisés. Assim pois acamparam, segundo as suas insígnias. E assim também levantaram o acampamento, cada um no seu clã e cada um com a sua casa patriarcal.

3 A tribo de Levi: A. Os sacerdotes1Eis a descendência de Aarão e de Moises, quando Iahweh falou a Moisés no monte Sinai. 2Estes são os nomes dos filhos de Aarão: Nadab, o primogênito, depois Abiú, Eleazar, Itamar. 3Esses são os nomes dos filhos de Aarão, sacerdotes que receberam a unção e que foram consagrados para exercer o sacerdócio. 4Nadab e Abiú morreram diante de Iahweh, no deserto do Sinai, quando apresentaram diante de Iahweh um fogo irregular. Não tinham filhos, e assim Eleazar e Itamar exerceram o sacerdócio na presença de Aarão, seu pai.

B. Os levitas. Suas funções5Iahweh falou a Moisés e disse: 6“Faze chegar a tribo de Levi e põe-na à disposição de Aarão, o sacerdote: eles estarão a seu serviço. 7Encarregar-se-ão dos deveres que lhes pertencem, bem como dos deveres de toda a comunidade, na Tenda da Reunião, ao ministrarem na Habitação. 8Cuidarão de todos os utensílios da Tenda da Reunião e encarregar-se-ão daquilo que compete aos filhos de Israel, ao ministrarem na Habitação. 9Darás pois, a Aarão e a seus filhos os levitas, como ‘doados’; eles lhe serão doados pelos filhos de Israel. 10Registrarás a Aarão e seus filhos, que desempenharão o seu ofício sacerdotal. Porém, todo profano que se aproximar será punido de morte.”

C. A eleição dos levitas11Iahweh falou a Moisés e disse: 12“Vede que, eu mesmo, escolhi os levitas do meio dos filhos de Israel, em lugar de todos os primogênitos, daqueles que entre os filhos de Israel abrem o seio materno; portanto, os levitas são meus. 13Assim, todo primogênito me pertence. No dia em que feri de morte todos os primogênitos na terra do Egito, consagrei a mim todos os primogênitos em Israel, tanto os dos homens como os dos animais. Eles me pertencem; eu sou Iahweh.”

D. O recenseamento dos levitas14Iahweh falou a Moisés no deserto do Sinai e disse: 15“Recensearás os filhos de Levi segundo as suas casas patriarcais e segundo os seus clãs; recensearás todos os homens da idade de um mês para cima.” 16E Moisés os recenseou segundo a ordem de Iahweh, de acordo com o que Iahweh lhe havia ordenado. 17Estes são os nomes dos filhos de Levi: Gérson, Caat e Merari. 18Estes são os nomes dos filhos de Gérson, segundo os seus clãs: Lobni e Semei; 19os filhos de Caat, segundo os seus clãs: Amram, Isaar, Hebron e Oziel; 20os filhos de Merari, segundo os seus clãs: Mooli e Musi. Esses são os clãs de Levi, reunidos em casas patriarcais. 21De Gérson originaram-se o clã lobnita e o clã semeíta. Esses são os clãs dos gersonitas; 22o número total dos homens recenseados, da idade de um mês para cima, foi de sete mil e quinhentos. 23Os clãs dos gersonitus acampavam atrás da Habitação, ao ocidente. 24O príncipe da casa patriarcal de Gérson era Eliasaf, filho de Lael. 23Os filhos de Gérson tinham, na Tenda da Reunião, o encargo da Habitação, da Tenda e da sua cobertura, do véu de entrada da Tenda da Reunião, 26das cortinas do átrio, do véu de entrada do átrio que está ao redor da Habitação e do altar, como também das cordas necessárias a todo o seu serviço. 27De Caat originaram-se os clãs amramita, isaarita, hebronita e ozielita. Esses são os clãs caatitas; 28o número total dos homens recenseados, da idade de um mês para cima, foi de oito mil e trezentos. Eles estavam encarregados do serviço do santuário. 29Os clãs dos caatitas acampavam do lado meridional da Habitação. 30O príncipe da casa patriarcal dos clãs caatitas era Elisafã, filho de Oziel. 31Tinham o encargo da Arca, da mesa, do candelabro, dos altares, dos objetos sagrados do culto e do véu com todos os seus pertences. 32O príncipe dos príncipes de Levi era Eleazar, filho de Aarão, o sacerdote. Ele exercia a superintendência de todos aqueles que cuidavam do santuário. 33De Merari originaram-se o clã moolita e o clã musita. Esses são os clãs meraritas; 34o número total dos homens recenseados, da idade de um mês para cima, foi de seis mil e duzentos. 35O príncipe da casa patriarcal dos clãs meraritas era Suriel, filho de Abiail. Eles acampavam do lado setentrional da Habitação. 36Os filhos de Merari estavam encarregados das tábuas da Habitação, das suas vigas, das suas colunas e bases de todos os seus acessórios e de todos os seus utensílios, 37assim como das colunas que rodeiam o átrio, das suas bases, das suas estacas e das suas cordas. 38Finalmente, acampavam ao oriente, diante da Habitação, diante da Tenda da Reunião, ao oriente, Moisés, Aarão e seus filhos, que tinham o encargo do santuário em nome dos filhos de Israel. Todo estranho que se aproximasse devia ser punido com a morte. 39O total dos levitas recenseados, que Moisés enumerou segundo os clãs, conforme a ordem de Iahweh, o número dos homens da idade de um mês para cima, foi de vinte e dois mil.

E. Os levitas e o resgate dos primogênitos40Iahweh disse a Moisés: “Faze o recenseamento de todos os primogênitos homens dos filhos de Israel, da idade de um mês para cima; faze a soma dos seus nomes. 41Em seguida, em lugar dos primogênitos de Israel, tomarás para mim, Iahweh, os levitas; e de igual modo o seu gado em lugar dos primogênitos do gado dos filhos de Israel.” 42Conforme Iahweh lhe havia ordenado, Moisés recenseou todos os primogênitos dos filhos de Israel. 43O recenseamento dos nomes dos primogênitos, da idade de um mês para cima, deu o número total de vinte e dois mil e duzentos e setenta e três. 44Então falou Iahweh a Moisés e disse: 45“Toma os levitas em lugar de todos os primogênitos dos filhos de Israel, e o gado dos levitas em lugar do gado deles; os levitas serão meus, para mim mesmo, Iahweh. 46Para o resgate dos duzentos e setenta e três primogênitos dos filhos de Israel que excedem o número dos levitas, 47tomarás cinco siclos por cabeça; tu os tomarás segundo o siclo do santuário, a vinte geras o siclo. 48E darás esse dinheiro a Aarão e a seus filhos para resgate daqueles que são excedentes.” 49Moisés recebeu esse dinheiro em resgate daqueles que não foram resgatados devido ao número insuficiente de levitas. 50Recebeu o dinheiro dos primogênitos dos filhos de Israel, mil e trezentos e sessenta e cinco siclos, segundo o siclo do santuário. 51Moisés deu o dinheiro desse resgate a Aarão e a seus filhos, segundo a ordem de Iahweh, de acordo com o que Iahweh havia ordenado a Moisés.

4 Os clãs dos levitas: A. Os caatitas1Iahweh falou a Moisés e a Aarão e disse: 2“Fazei o recenseamento dos levitas que são filhos de Caat, segundo os seus clãs e segundo as casas patriarcais: 3todos os homens de trinta a cinqüenta anos, que devem fazer o serviço militar e que realizarão as suas funções na Tenda da Reunião. 4Este será o serviço dos filhos de Caat na Tenda da Reunião: as coisas santíssimas. 5Quando se levantar o acampamento, Aarão e seus filhos virão tirar a cortina do véu. Cobrirão com ele a Arca do Testemunho. 6E porão por cima uma cobertura de couro fino, sobre a qual estenderão um pano todo de púrpura violeta. Em seguida colocarão os varais da Arca. 7E estenderão sobre a mesa da oblação um pano de púrpura, sobre o qual colocarão os pratos, os copos, as taças e os jarros para libação; também o pão da oblação perpétua estará sobre ele. 8E por cima deles estenderão um pano escarlate, que será recoberto com uma cobertura de couro fino. Em seguida colocarão os varais da mesa. 9Tomarão então um pano de púrpura com o qual cobrirão o candelabro de luz, suas lâmpadas, seus espevitadores e seus apagadores e todos os vasos de óleo empregados no seu serviço. 10E o colocarão com todos os seus acessórios sobre uma cobertura de couro fino e o porão sobre os varais. 11Sobre o altar de ouro estenderão um pano de púrpura e o recobrirão com uma cobertura de couro fino. Em seguida ajustarão nele os varais. 12Em seguida tomarão todos os objetos usados no serviço do santuário. Depositá-los-ão sobre um pano de púrpura e os recobrirão com uma cobertura de couro fino, e porão tudo sobre os varais. 13Depois de haver retirado do altar suas cinzas gordurosas, estenderão sobre ele um pano escarlate, 14sobre o qual depositarão todos os utensílios que se empregam no ofício, os incensórios, os garfos, as pás, as bacias, todos os acessórios do altar. Estenderão por cima uma cobertura de couro fino; em seguida colocarão os varais. 15Assim que Aarão e seus filhos tiverem terminado de acondicionar as coisas sagradas e todos os seus acessórios, no momento de levantar o acampamento, virão os filhos de Caat para transportá-los, sem contudo tocar naquilo que é consagrado; morrerão, se o fizerem. Este é o encargo dos filhos de Caat na Tenda da Reunião. 16Quanto a Eleazar, filho de Aarão, o sacerdote, ficará encarregado de cuidar do óleo da luminária, dos perfumes de ervas aromáticas, da oblação perpétua, do óleo da unção; terá a superintendência de toda a Habitação e de tudo que nela se encontra: das coisas sagradas e dos seus acessórios.” 17Iahweh falou a Moisés e a Aarão. Disse: 18“Não elimineis do número dos levitas a tribo dos clãs caatitas. 19Fazei, pois, assim com eles, a fim de que vivam e não morram ao se aproximarem das coisas santíssimas: Aarão e seus filhos virão e designarão cada um deles para o seu serviço e junto do seu encargo. 20Serão assim impedidos de entrar e de contemplar, ainda que por um momento, as coisas sagradas, pois morreriam!”

B. Os gersonitas21Iahweh falou a Moisés e disse: 22“Faze também o recenseamento dos filhos de Gérson, segundo as casas patriarcais e segundo os clãs: 23Farás o recenseamento de todos os homens de trinta a cinqüenta anos, em condições de fazer o serviço militar, e que farão o serviço na Tenda da Reunião. 24Este será o serviço dos clãs dos gersonitas, suas funções e seus encargos. 25Transportarão as cortinas da Habitação, a Tenda da Reunião com a sua cobertura e a cobertura de couro fino que a recobre, a cortina da entrada da Tenda da Reunião, 26as cortinas do átrio, o véu da entrada da porta do átrio que rodeia a Habitação e o altar, as cordas e todos os utensílios do culto, todo o material necessário. Farão, pois, o seu serviço. 27Todo este serviço dos filhos de Gérson — funções e transportes — se fará sob as ordens de Aarão e dos seus filhos: e vós determinareis, expressamente, o que devem transportar. 28Esse será o serviço dos clãs dos gersonitas na Tenda da Reunião. O seu serviço estará sob as ordens de Itamar, filho de Aarão, o sacerdote.”

C. Os meraritas29“Farás o recenseamento dos filhos de Merari, por clãs e segundo as casas patriarcais. 30Farás o recenseamento de todos os homens de trinta a cinqüenta anos, em condições de fazer o serviço militar, e que farão o serviço na Tenda da Reunião. 31Este é o serviço que assumirão e toda a função que será de sua competência na Tenda da Reunião: as tábuas da Habitação, suas vigas, suas colunas e suas bases. 32As colunas que rodeiam o átrio, suas bases, suas estacas, suas cordas e todo o seu acessório. E destacareis o nome dos objetos de cujo transporte estarão encarregados. 33Esse será o serviço dos clãs dos meraritas. E para todo o seu serviço na Tenda da Reunião, terão a direção de Itamar, filho de Aarão, o sacerdote.”

Recenseamento dos levitas34Moisés, Aarão e os chefes da comunidade fizeram o recenseamento dos filhos de Caat, segundo os seus clãs e casas patriarcais; 35todos os homens de trinta a cinqüenta anos, aptos para o serviço militar e encarregados do serviço na Tenda da Reunião. 36Contaram-se segundo os seus clãs, dois mil e setecentos e cinqüenta recenseados. 37Este foi o número dos recenseados dos clãs caatitas, todos aqueles que deviam servir na Tenda da Reunião, e que foram recenseados por Moisés e Aarão, segundo a ordem de Iahweh transmitida por Moisés. 38Fez-se o recenseamento dos filhos de Gérson, segundo os seus clãs e  asas patriarcais: 39todos os homens de trinta a cinqüenta anos, aptos para o serviço militar e encarregados do serviço na Tenda da Reunião. 40Contaram-se dois mil e seiscentos e trinta recenseados, segundo os clãs e as casas patriarcais. 41Esse foi o número dos recenseados, dos clãs dos gersonitas, todos aqueles que deviam servir na Tenda da Reunião e que foram recenseados por Moisés e Aarão, segundo a ordem de Iahweh. 42Fez-se o recenseamento dos clãs dos filhos de Merari, segundo os seus clãs e casas patriarcais: 43todos os homens de trinta a cinqüenta anos, aptos para o serviço militar e encarregados do serviço na Tenda da Reunião. 44Contaram-se, segundo os seus clãs, três mil e duzentos recenseados. 45Esse foi o número dos recenseados dos clãs dos meraritas, que foram recenseados por Moisés e Aarão, segundo a ordem de Iahweh transmitida por Moisés. 46O número total dos levitas que Moisés, Aarão e os chefes de Israel recensearam, segundo os clãs e as casas patriarcais — 47todos os homens de trinta a cinqüenta anos, aptos para ministrar no culto e para trabalhar no serviço de transporte da Tenda da Reunião — 48elevou-se a oito mil e quinhentos e oitenta recenseados. 49Fez-se o recenseamento deles segundo a ordem de Iahweh transmitida por Moisés, atribuindo-se a cada um o seu serviço e o seu transporte; foram recenseados conforme Iahweh havia ordenado a Moisés.

II. Leis diversas

5 Expulsão dos impuros1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Ordena aos filhos de Israel que excluam do acampamento todo leproso, todas as pessoas enfermas de corrimento ou todo aquele que se tornou impuro devido ao contato com um morto. 3Homem ou mulher, os afastareis e os colocareis fora do acampamento. Assim os filhos de Israel não contaminarão o seu acampamento, no qual eu habito no meio deles.” 4E assim fizeram os filhos de Israel: puseram-nos fora do acampamento. Os filhos de Israel fizeram conforme Iahweh havia dito a Moisés.

A restituição5Iahweh falou a Moisés e disse: 6“Fala aos filhos de Israel: Se um homem ou mulher cometer algum dos pecados pelos quais se ofende a Iahweh, essa pessoa é culpada. 7Confessará o pecado cometido e restituirá o valor de que é devedor, acrescido de um quinto. Restituirá àquele a quem prejudicou. 8Mas se tal homem não tem nenhum parente ao qual se possa fazer a restituição, a indenização devida a Iahweh é entregue ao sacerdote, além do carneiro de expiação por meio do qual o sacerdote fará o rito de expiação pelo culpado. 9Tudo aquilo que os filhos de Israel consagrarem e trouxerem ao sacerdote pertencerá a este. 10As coisas consagradas de cada um lhe pertencem; aquilo que alguém oferece ao sacerdote será deste.”

A oferta pelo ciúme11Iahweh falou então a Moisés e disse: 12“Fala aos filhos de Israel; tu lhes dirás: Se há alguém cuja mulher se desviou e se tornou infiel, 13visto que, às escondidas do seu marido, esta mulher dormiu maritalmente com um homem, e tornou-se impura secretamente, sem que haja testemunhas contra ela e sem que tenha sido surpreendida no ato; 14contudo, se um espírito de ciúme vier sobre o marido e o tornar ciumento da sua mulher que está contaminada, ou ainda se este espírito de ciúme, vindo sobre ele, o tornar ciumento de sua mulher que está inocente: 15tal homem conduzirá sua mulher diante do sacerdote e fará por ela uma oferenda de um décimo de medida de farinha de cevada. Sobre ela não derramará azeite e nem porá incenso, pois é uma ‘oblação de ciúme’, uma oblação comemorativa que deve trazer à memória um pecado. 16O sacerdote fará aproximar a mulher e a colocará diante de Iahweh. 17Em seguida tomará água santa em um vaso de barro e, tendo tomado do pó do chão da Habitação, o espargirá sobre a água. 18E apresentará a mulher diante de Iahweh, soltará a sua cabeleira e colocará nas suas mãos a oblação comemorativa (isto é, a oblação de ciúme). E nas mãos do sacerdote estarão as águas amargas e de maldição. 19A seguir o sacerdote fará a mulher jurar e lhe dirá: ‘Se não é verdade que algum homem se deitou contigo e que te desviaste e que te tornaste impura, enquanto sob o domínio de teu marido, que estas águas amargas e de maldição te sejam inofensivas! 20Porém, se é verdade que te desviaste enquanto sob o poder de teu marido e que te tornaste impura e que outro homem, que não o teu marido, participou do teu leito…’ 21O sacerdote fará, aqui, a mulher prestar um juramento imprecatório e lhe dirá: ‘…Que Iahweh te faça, no teu povo, objeto de imprecação e maldição, fazendo murchar o teu sexo e inchar o teu ventre! 22Que estas águas de maldição penetrem nas tuas entranhas, a fim de que o teu ventre se inche e o teu sexo murche!’ A mulher responderá: ‘Amém! Amém!’ 23Em seguida o sacerdote escreverá essas imprecações e as apagará com as águas amargas. 24E fará a mulher beber essas águas amargas e de maldição, e serão para ela amargas. 25O sacerdote, então, tomará das mãos da mulher a oblação de ciúme e a erguerá, apresentando-a diante de Iahweh, e a colocará sobre o altar. 26E tomará um punhado da oblação de ciúme e o queimará sobre o altar, para memorial. O sacerdote fará a mulher beber dessas águas. 27E ao fazê-la beber as águas, se realmente ela se tornou impura enganando a seu marido, então as águas de maldição, penetrando nela, lhe serão amargas: seu ventre inchará, seu sexo murchará e ela servirá para o seu povo de exemplo nas maldições. 28Se, ao contrário, ela não se tornou impura, mas está pura, sairá ilesa e será fecunda. 29Este é o ritual para o caso de ciúme, quando uma mulher se desvia se torna impura, enquanto sob o poder do seu marido, 30ou quando um espírito de ciúme vem sobre um homem e o torna ciumento de sua mulher. Quando o marido tiver conduzido tal mulher perante Iahweh, o sacerdote implicará integralmente a ela este ritual. 31O marido estará isento de culpa; a mulher, contudo, levará a sua iniqüidade.”

6 O nazireato1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Fala aos filhos de Israel; tu lhes dirás: Quando um homem ou uma mulher fizer um voto especial, o voto do nazireato, pelo qual se consagra a Iahweh, 3abster-se-á de vinho e de bebidas fermentadas, não beberá vinagre de vinho ou de bebidas fermentadas, nem tomará suco algum de uvas, e não comerá uvas frescas ou secas. 4Durante todo o tempo da sua consagração não tomará produto algum da videira, desde as sementes até às cascas. 5Durante o tempo do seu nazireato não raspará a cabeça com navalha; até que se cumpra o tempo pelo qual se consagrou a Iahweh será consagrado e deixará crescer livremente a sua cabeleira. 6Durante todo o tempo da sua consagração a Iahweh não se aproximará de um morto; 7nem por seu pai ou por sua mãe e nem por seu irmão ou por sua irmã se tornará impuro, caso venham eles a morrer, visto que traz sobre sua cabeça a consagração de seu Deus. 8Durante todo o tempo do seu nazireato estará consagrado a Iahweh. 9Se alguém morrer de morte súbita perto dele, tornando impura a sua cabeleira consagrada, rapará a cabeça no dia da sua purificação; no sétimo dia rapará a cabeça. 10No oitavo dia levará ao sacerdote duas rolas ou dois pombinhos, à entrada da Tenda da Reunião. 11O sacerdote oferecerá um em sacrifício pelo pecado e o outro em holocausto, e realizará em seguida sobre esse homem o rito de expiação, devido à contaminação relativa ao morto. O homem consagrará a sua cabeça naquele mesmo dia; 12ele se consagrará a Iahweh durante todo o tempo do seu nazireato e levará um cordeiro de um ano como sacrifício de reparação. O tempo já decorrido não se contará, visto que a sua cabeleira se tornou impura. 13Este é o ritual do nazireu, no dia em que se findar o seu nazireato. Conduzido à entrada da Tenda da Reunião, 14oferecerá a Iahweh a sua oferenda: um cordeiro perfeito, de um ano, em holocausto; uma ovelha perfeita, de um ano, em sacrifício pelo pecado; um carneiro perfeito, como oferta de comunhão; 15um cesto de bolos de flor de farinha, sem fermento, amassada com azeite, e tortas sem fermento, untadas com azeite, acompanhadas das suas oblações e libações. 16E o sacerdote, havendo trazido tudo diante de Iahweh, apresentará o sacrifício pelo pecado e o holocausto do nazireu. 17Oferecerá um sacrifício de comunhão com o carneiro e com os ázimos do cesto; o sacerdote oferecerá também a oblação e a libação que acompanham o sacrifício. 18Em seguida o nazireu rapará a cabeleira consagrada, à entrada da Tenda dá Reunião, e, tomando os cabelos da sim cabeça consagrada, colocá-los-á no fogo do sacrifício de comunhão. 19O sacerdote tomará a espádua do carneiro, já cozida, um bolo sem fermento do cesto e uma torta sem fermento e colocará tudo na mão do nazireu quando este já houver rapado a sua cabeleira. 20E o sacerdote os erguerá em apresentação diante de Iahweh; é a parte santa que pertence ao sacerdote, além do peito que é apresentado e da coxa que é reservada. Depois disso o nazireu poderá beber vinho. 21Este é o ritual referente ao nazireu. Se, além da sua cabeleira, fez um voto de oferenda pessoal a Iahweh (sem contar aquilo que as suas posses lhe permitem), pagará o voto que fez, além do previsto no ritual para a sua cabeleira.”

A fórmula da bênção22Iahweh falou a Moisés e disse: 23“Fala a Aarão e a seus filhos e dize-lhes: Assim abençoareis os filhos de Israel. Dir-lhes-eis: 24‘Iahweh te abençoe e te guarde! 25Iahweh faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te seja benigno! 26Iahweh mostre para ti a sua face e te conceda a paz!’ 27Porão assim o meu nome sobre os filhos de Israel e eu os abençoarei.”

III. Oferendas dos chefes e consagração dos levitas

7 Oferenda de carros1No dia em que Moisés terminou de erigir a Habitação, ele a ungiu e a consagrou com todos os seus pertences, bem como o altar com todos os seus utensílios. Quando havia acabado de ungir e de consagrar todas as coisas, 2os chefes de Israel fizeram uma oferenda; eram os chefes das casas patriarcais, aqueles que foram os chefes das tribos e que presidiram o recenseamento. 3E levaram a sua oferenda diante de Iahweh: seis carros cobertos e doze bois; cada dois príncipes ofereceram um carro, e cada um deles um boi e os apresentaram diante da Habitação. 4Iahweh falou a Moisés e disse: 5“Recebe-os deles e sejam destinados ao serviço da Tenda da Reunião. Tu os darás aos levitas, a cada um conforme a sua função.” 6Recebeu Moisés os carros e os bois, e os deu aos levitas. 7Aos filhos de Gérson deu dois carros e quatro bois, conforme a função deles. 8Aos filhos de Merari deu quatro carros e oito bois, conforme a função que tinham de exercer sob a direção de Itamar, filho de Aarão, o sacerdote. 9Aos filhos de Caat, porém, não deu nada, pois deviam transportar sobre seus ombros a carga sagrada que lhes incumbia.

Oferenda da Dedicação 10Os príncipes fizeram então uma oferenda para a dedicação do altar, no dia da sua unção. Trouxeram a sua oferenda  limite do altar, 11e Iahweh disse a Moisés: “Cada dia um dos príncipes trará a sua oferenda para a dedicação do altar.” 12No primeiro dia, o que apresentou a sua oferenda foi Naasson, filho de Aminadab, da tribo de Judá. 13A sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 14um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 15um novilho, um carneiro, um cordeiro de um ano para o holocausto, 16um bode para o sacrifício pelo pecado 17e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Naasson, filho de Aminadab. 18No segundo dia, apresentou a sua oferenda Natanael, filho de Suar, príncipe de Issacar. 19A sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 20um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 21um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 22um bode para o sacrifício pelo pecado 23e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Natanael, filho de Suar. 24No terceiro dia, trouxe a sua oferenda Eliab, filho de Helon, príncipe dos filhos de Zabulon. 25Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 26um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 27um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 28um bode para o sacrifício pelo pecado 29e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Eliab, filho de Helon. 30Trouxe a sua oferenda, no quarto dia, Elisur, filho de Sedeur, príncipe dos filhos de Rúben. 31Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 32um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 33um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 34um bode para o sacrifício pelo pecado 35e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Elisur, filho de Sedeur. 36No quinto dia, trouxe a sua oferenda Salamiel, filho de Surisadai, príncipe dos filhos de Simeão. 37Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 38um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 39um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 40um bode para o sacrifício pelo pecado 41e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Salamiel, filho de Surisadai. 42No sexto dia, trouxe a sua oferenda Eliasaf, filho de Reuel, príncipe dos filhos de Gad. 43Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 44um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso. 45um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto. 46um bode para o sacrifício pelo pecado 47e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Eliasaf, filho de Reuel. 48No sétimo dia, trouxe a sua oferenda Elisama, filho de Amiud, príncipe dos filhos de Efraim. 49Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 50um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 51um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 52um bode para o sacrifício pelo pecado 53e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de uni ano. Essa foi a oferenda de Elisama, filho de Amiud. 54No oitavo dia, trouxe a sua oferenda Gamaliel, filho de Fadassur, príncipe dos filhos de Manassés. 55Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 56um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 57um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 58um bode para o sacrifício pelo pecado 59e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Gamaliel, filho de Fadassur. 60No nono dia, apresentou a sua oferenda Abidã, filho de Gedeão, príncipe dos filhos de Benjamim. 61Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 62um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 63um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 64um bode para o sacrifício pelo pecado 65e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Abidã, filho de Gedeão. 66No décimo dia, trouxe a sua oferenda Aiezer, filho de Amisadai, príncipe dos filhos de Dã. 67Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 68um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 69um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 70um bode para o sacrifício pelo pecado 71e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Aiezer, filho de Amisadai. 72No décimo primeiro dia, trouxe a sua oferenda Fegiel, filho de Ocrã, príncipe dos filhos de Aser. 73Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 74um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 75um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 76um bode para o sacrifício pelo pecado 77e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Fegiel, filho de Ocrã. 78No décimo segundo dia, trouxe a sua oferenda Aíra, filho de Enã, príncipe dos filhos de Neftali. 79Sua oferenda foi: uma bandeja de prata pesando cento e trinta siclos, uma bacia de aspersão, de prata, de setenta siclos (conforme os siclos do santuário), ambas cheias de flor de farinha amassada com azeite, para a oblação, 80um vaso de ouro de dez siclos, cheio de incenso, 81um novilho, um carneiro e um cordeiro de um ano para o holocausto, 82um bode para o sacrifício pelo pecado 83e, para o sacrifício de comunhão, dois bois, cinco carneiros, cinco bodes e cinco cordeiros de um ano. Essa foi a oferenda de Aíra, filho de Enã. 84Essas foram as oferendas dos príncipes de Israel para a dedicação do  altar, no dia da sua unção: doze bandejas de prata, doze bacias de aspersão, de prata, doze vasos de ouro. 85Cada bandeja de prata pesava cento e trinta siclos e cada bacia de aspersão setenta, sendo que o total da prata desses objetos pesava dois mil e quatrocentos siclos do santuário. 86Cada um dos doze vasos de ouro cheios de incenso pesava dez ciclos, em siclos do santuário, sendo que o ouro desses vasos pesava um total de cento e vinte siclos. 87O total dos animais para o holocausto foi: doze novilhos, doze carneiros, doze cordeiros de um ano, com as oblações que os acompanhavam. Para o sacrifício pelo pecado, doze bodes. 88O total dos animais para o sacrifício de comunhão foi: vinte e quatro novilhos, sessenta carneiros, sessenta bodes e sessenta cordeiros de um ano. Essas foram as oferendas para a dedicação do altar, após a sua unção. 89Quando Moisés entrava na Tenda da Reunião para se dirigir a Ele, ouvia a voz que lhe falava do alto do propiciatório que estava sobre a Arca do Testemunho, entre os dois querubins. Assim, pois, falava com Ele.

8 As lâmpadas do candelabro1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Fala a Aarão; tu lhe dirás: ‘Quando colocares as lâmpadas, será de modo tal que as sete lâmpadas iluminem a parte dianteira do candelabro.’ 3Assim fez Aarão. Colocou as lâmpadas na parte dianteira do candelabro, conforme Iahweh havia ordenado a Moisés. 4O candelabro era trabalho de ouro batido; tanto o pedestal como as hastes eram também de ouro batido. De acordo com o que Iahweh havia mostrado a Moisés, assim foi feito o candelabro.

Os levitas são consagrados a Iahweh5Iahweh falou a Moisés e disse: 6“Toma os levitas do meio dos filhos de Israel e purifica-os. 7A fim de os purificar, procederás da seguinte maneira: farás sobre eles uma aspersão de água lustral, raparão eles todo o seu corpo e lavarão as suas vestes e estarão, então, puros. 8Em seguida tomarão um novilho, juntamente com a oblação de flor de farinha amassada com azeite, e tu tomarás um segundo novilho para o sacrifício pelo pecado. 9Farás os levitas se aproximarem diante da Tenda da Reunião e reunirás toda a comunidade dos filhos de Israel. 10Quando, pois, tiveres feito os levitas se aproximarem diante de Iahweh, os filhos de Israel imporão as mãos sobre eles. 11Em seguida Aarão, fazendo o gesto de apresentação diante de Iahweh, oferecerá os levitas da parte dos filhos de Israel. Serão assim pertencentes ao serviço de Iahweh. 12Os levitas, em seguida, porão a mão sobre a cabeça dos novilhos; com um dos animais tu farás um sacrifício pelo pecado, e com o outro, um holocausto a Iahweh, a fim de realizar com os levitas o rito de expiação. 13Havendo colocado os levitas diante de Aarão e seus filhos, tu os oferecerás a Iahweh com o gesto de apresentação. 14Assim, pois, separarás os levitas do meio dos filhos de Israel, a fim de que me pertençam. 15Os levitas começarão, pois, a fazer o serviço da Tenda da Reunião. Tu os purificarás e os oferecerás com o gesto de apresentação, 16porque me foram dados, como ‘doados’, entre os filhos de Israel. Eles substituem aqueles que abrem o seio materno, todos os primogênitos; dentre os filhos de Israel, eu os atribuí a mim. 17Na verdade, a mim pertencem todos os primogênitos dos filhos de Israel, homem ou animal: eu os consagrei a mim desde o dia em que feri todos os primogênitos na terra do Egito, 18e, em lugar de todos os primogênitos dos filhos de Israel, tomei os levitas. 19Dou os levitas a Aarão e a seus filhos, do meio dos filhos de Israel, como ‘doados’; farão para os filhos de Israel o serviço do culto na Tenda da Reunião e farão por eles o rito de expiação, de modo que nenhum dos filhos de Israel seja ferido por haver se aproximado do santuário.” 20Moisés, Aarão e toda a comunidade dos filhos de Israel fizeram com os levitas segundo tudo o que Iahweh havia ordenado a Moisés; assim fizeram os filhos de Israel com respeito aos levitas. 21Os levitas se purificaram, lavaram as suas vestes e Aarão os ofereceu com o gesto de apresentação diante de Iahweh. Em seguida realizou com eles o rito de expiação para purificá-los. 22Os levitas foram então admitidos para fazer o seu serviço na Tenda da Reunião, na presença de Aarão e dos seus filhos. Conforme o que Iahweh havia ordenado a Moisés a respeito dos levitas, assim se fez com eles.

O tempo de serviço dos levitas23Iahweh falou a Moisés e disse: 24“Eis o que compete aos levitas. A partir da idade de vinte e cinco anos, o levita deverá prestar serviço, ocupando-se de uma função na Tenda da Reunião. 25A partir de cinqüenta anos não estará mais obrigado ao serviço; não terá mais função alguma. 26Contudo, poderá ajudar os seus irmãos a garantir a ordem na Tenda da Reunião, mas não se ocupará de nenhum serviço. Assim, pois, farás aquilo que se refere ao ministério dos levitas.”

IV. A Páscoa e a partida

9 Data da Páscoa 1Iahweh falou a Moisés, no deserto do Sinai, no segundo ano da saída do Egito, no primeiro mês e disse: 2“Celebrem os filhos de Israel a Páscoa, no tempo determinado. 3No  dia catorze deste mês, no crepúsculo, a celebrareis, no tempo determinado. Celebrá-la-eis segundo todos os estatutos e normas a ela referentes.” 4Moisés, pois, ordenou aos filhos de Israel que celebrassem a Páscoa. 5Celebraram-na no deserto do Sinai, no primeiro mês, no dia catorze do mês, no crepúsculo. Fizeram os filhos de Israel de acordo com tudo o que Iahweh havia ordenado a Moisés.

Caso particular6Ora, havia alguns homens que estavam impuros por causa de um morto; não puderam celebrar a Páscoa naquele dia. No mesmo dia vieram procurar Moisés e Aarão 7e disseram-lhes: “Estamos impuros devido a um morto. Por que seremos excluídos e privados de trazer a oferenda de Iahweh no tempo determinado, no meio dos filhos de Israel?” 8Respondeu-lhes Moisés: “Aguardai, para que eu saiba o que Iahweh ordena a vosso respeito.” 9Iahweh falou a Moisés e disse: 10“Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Se alguém do meio de vós ou dos vossos descendentes se achar impuro devido a um morto, ou estiver numa longa viagem, celebrará, contudo, a Páscoa a Iahweh. 11No segundo mês, no dia catorze, no crepúsculo, celebrá-la-ão. Com ázimos e ervas amargas a comerão; 12não deverá restar dela nada para o dia seguinte e nem se lhe quebrará osso algum. Segundo todo o ritual da Páscoa, celebrá-la-ão. 13Aquele, porém, que se encontrar puro ou não estiver em viagem e deixar de celebrar a Páscoa, será exterminado do seu povo. Não trouxe a oferenda de Iahweh no tempo determinado e, portanto, levará a responsabilidade do seu pecado. 14Se algum estrangeiro reside entre vós e celebra a Páscoa a Iahweh, deverá celebrá-la segundo o ritual e os costumes da Páscoa. Haverá entre vós apenas um estatuto, tanto para o estrangeiro como para o natural da terra”.

A Nuvem15No dia em que foi levantada a Habitação, a Nuvem cobriu a Habitação, ou seja, a Tenda da Reunião. Desde o entardecer até à manhã, repousava sobre a Habitação com o aspecto de fogo. 16Assim, pois, a Nuvem a cobria permanentemente, tomando o aspecto de fogo até o amanhecer. 17Quando a Nuvem se elevava sobre a Tenda, então os filhos de Israel se punham em marcha; no lugar onde a Nuvem parava aí acampavam os filhos de Israel. 18Segundo a ordem de Iahweh, os filhos de Israel partiam, e segundo a ordem de Iahweh, acampavam. Permaneciam acampados durante todo o tempo em que a Nuvem repousava sobre a Habitação. 19Se a nuvem permanecia muitos dias sobre a Habitação, os filhos de Israel prestavam seu culto a Iahweh e não partiam. 20Às vezes a Nuvem se detinha poucos dias sobre a Habitação, então acampavam segundo a ordem de Iahweh e também partiam segundo a ordem de Iahweh. 21Se acontecia que a Nuvem, depois de ter permanecido desde a tarde até à manhã, elevava-se ao amanhecer, então partiam. Ora a Nuvem se elevava depois de haver permanecido um dia e uma noite, e então partiam, 22ora a Nuvem permanecia dois dias, um mês ou um ano; enquanto a Nuvem permanecia sobre a Habitação, os filhos de Israel ficavam acampados; mas quando ela se levantava, então partiam. 23Conforme a ordem de Iahweh acampavam e conforme a ordem de Iahweh partiam. Prestavam culto a Iahweh, seguindo as ordens de Iahweh transmitidas por Moisés.

10 As trombetas1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Faze para ti duas trombetas; tu as farás de prata batida. Servir-te-ão para convocar a comunidade e para dar o sinal de partida aos acampamentos. 3Quando ambas soarem, toda a comunidade se reunirá junto de ti, à entrada da Tenda da Reunião. 4Mas se soar apenas uma das trombetas, serão os príncipes, os chefes dos milhares dos filhos de Israel que se reunirão junto de ti. 5Quando o soar da trombeta for acompanhado de aclamações, partirão os acampamentos estabelecidos ao oriente. 6Ao soarem, pela segunda vez, acompanhadas de aclamações, partirão os acampamentos estabelecidos ao sul. Para a partida, o soar será acompanhado de aclamações, 7mas para reunir a assembléia, o soar será sem aclamações. 8Os filhos de Aarão, os sacerdotes, tocarão as trombetas; isso será para vós e para os vossos descendentes um estatuto perpétuo. 9Quando, no vosso país, tiverdes de partir para a guerra contra um inimigo que vos oprime, tocareis as trombetas com fragor e aclamações: a vossa lembrança será evocada diante de Iahweh, vosso Deus, e sereis salvos dos vossos inimigos. 10Nos vossos dias de festas, solenidades ou neomênias, tocareis as trombetas nos vossos holocaustos e sacrifícios de comunhão, e elas vos serão como memória diante do vosso Deus. Eu sou Iahweh vosso Deus.”

A ordem de partida11No segundo ano, no segundo mês, no dia vinte do mês, a Nuvem se elevou sobre a Habitação da Reunião. 12Os filhos de Israel partiram, em ordem de marcha, do deserto do Sinai. A Nuvem se deteve no deserto de Farã. 13São estes os que partiram em primeiro lugar, segundo a ordem de Iahweh, transmitida por Moisés: 14Partiu, primeiramente, o estandarte do acampamento dos filhos de Judá, segundo os seus esquadrões. À frente do contingente de Judá estava Naasson, filho de Aminadab; 15à frente do contingente da tribo dos filhos de Issacar, segundo os seus esquadrões, estava Natanael, filho de Suar; 16à frente do contingente da tribo dos filhos de Zabulon, segundo os seus esquadrões, estava Eliab, filho de Helon. 17Em seguida, a Habitação foi desmontada; partiram então os filhos de Gérson e os filhos de Merari, que transportavam a Habitação. 18Partiu depois o estandarte do acampamento dos filhos de Rúben, segundo os seus esquadrões. À frente do seu contingente estava Elisur, filho de Sedeur; 19à frente do contingente da tribo dos filhos de Simeão, segundo os seus esquadrões, estava Salamiel, filho de Surisadai; 20à frente do contingente da tribo dos filhos de Gad, segundo os seus esquadrões, estava Eliasaf, filho de Reuel. 21 Partiram então os filhos de Caat que levavam o santuário (a Habitação foi levantada antes da chegada deles). 22Partiu depois o estandarte do acampamento dos filhos de Efraim, secundo os seus esquadrões. À frente do seu contingente estava Elisama, filho de Amiud; 23à frente do contingente da tribo dos filhos de Manassés, segundo os seus esquadrões, estava Gamaliel, filho de Fadassur; 24à frente do contingente da tribo dos filhos de Benjamim, segundo os seus esquadrões, estava Abidã, filho de Gedeão. 25Finalmente partiu, na retaguarda de todos os acampamentos, o estandarte do acampamento dos filhos de Dã, segundo os seus esquadrões. À frente do seu contingente estava Aiezer, filho de Amisadai; 26à frente do contingente da tribo dos filhos de Aser, segundo os seus esquadrões, estava Fegiel, filho de Ocrã; 27à frente do contingente dos filhos de Neftali, segundo os seus esquadrões, estava Aíra, filho de Enã. 28Essa foi a ordem de marcha dos filhos de Israel, segundo os seus esquadrões. E puseram-se em marcha.

Proposta de Moisés a Hobab29Moisés disse a Hobab, filho de Ragüel, o madianita, seu sogro; “Partimos para o lugar do qual disse Iahweh: Eu vo-lo darei. Vem conosco e te faremos bem, pois Iahweh prometeu boas coisas a Israel.” — 30“Não irei”, respondeu-lhe, “mas irei para a minha terra e para a minha parentela.” — 31“Não nos abandones”, disse Moisés, “pois tu conheces os lugares onde devemos acampar no deserto e tu serás os nossos olhos.32Se vieres conosco, faremos a ti o mesmo bem que Iahweh nos fizer.”

A partida33Partiram, pois, do monte de Iahweh, a fim de fazer três dias de marcha. A arca da aliança de Iahweh devia ir na frente deles, durante esses três dias de marcha, procurando-lhes um lugar de repouso. 34 Durante o dia a Nuvem de Iahweh pairava acima deles, quando partiam do acampamento. 35Quando a arca partia, dizia Moisés: “Levanta-te, Iahweh, e sejam dispersos os teus inimigos, e fujam diante de ti os que te aborrecem!” 36E no lugar do repouso dizia: “Volta, Iahweh, para as multidões de milhares de Israel.”

V. Etapas no deserto

11 Tabera1Ora, o povo elevou uma queixa aos ouvidos de Iahweh e Iahweh a ouviu. A sua ira se inflamou e o fogo de Iahweh ardeu entre eles e devorou uma extremidade do acampamento. 2O povo clamou a Moisés, que intercedeu junto de Iahweh, e o fogo se extinguiu. 3Chamou-se este lugar de Tabera, porque o fogo de Iahweh ardeu entre eles.

Cibrot-ataava.

Queixas do povo4A turba que estava no meio deles foi tomada de cobiça. Os próprios filhos de Israel se puseram a chorar e a dizer: “Quem nos dará carne para comer? 5Lembramo-nos do peixe que comíamos por um nada no Egito, dos pepinos, dos melões, das verduras, das cebolas e dos alhos! 6Agora estamos definhando, privados de tudo; nossos olhos nada vêem senão este maná!” 7O maná era parecido com a semente de coentro e tinha a aparência do bdélio. 8O povo espalhava-se para recolhê-lo; e o moía em moinho ou o pisava num pilão; cozia-o em panelas e fazia bolos. O seu sabor era de bolo amassado com azeite. 9Quando, à noite, o orvalho caía sobre o acampamento, caía também o maná.

Intercessão de Moisés10Moisés ouviu o povo chorar, cada família à entrada da sua tenda. A ira de Iahweh se inflamou com grande ardor. Moisés sentiu-se grandemente desgostoso 11e disse a Iahweh: “Por que fazes mal a teu servo? Por que não achei graça a teus olhos, visto que me impuseste o encargo de todo este povo? 12Fui eu, porventura, que concebi todo este povo? Fui eu que o dei à luz, para que me digas: ‘Leva-o em teu regaço, como a ama leva a criança no colo, à terra que prometi sob juramento a seus pais’? 13Onde acharei carne para dar a todo este povo, visto que me importuna com as suas lágrimas dizendo: ‘Dá-nos carne para comer’? 14Não posso, eu sozinho, levar todo este povo; é muito pesado para mim. 15Se queres tratar-me assim, dá-me antes a morte! Ah! se eu tivesse encontrado graça a teus olhos, para não ver a minha desventura!”

A resposta de Iahweh16Iahweh disse a Moisés: “Reúne setenta anciãos de Israel, que tu sabes serem anciãos e escribas do povo. Tu os levarás à Tenda da Reunião, onde permanecerão contigo. 17Eu descerei para falar contigo; tomarei do Espírito que está em ti e o porei neles. Assim levarão contigo a carga deste povo e tu não a levarás mais sozinho. 18E dirás ao povo: Santificai-vos para amanhã e comereis carne, pois que chorastes aos ouvidos de Iahweh, dizendo: ‘Quem nos dará carne para comer? Éramos felizes no Egito!’ Pois bem, Iahweh vos dará carne para comer. 19Não comereis um dia apenas, ou dois ou cinco ou dez ou vinte, 20mas, pelo contrário, um mês inteiro, até que saia pelas vossas narinas e vos provoque náuseas, visto que rejeitastes Iahweh que está no meio de vós e que chorastes diante dele dizendo: ‘Por que, pois, saímos do Egito?’ ” 21Disse-lhe Moisés: “O povo no meio do qual estou conta seiscentos mil homens a pé e tu dizes: Eu lhe darei carne para comer durante um mês inteiro! 22Se se matassem para eles rebanhos de pequenos e grandes animais, ser-lhes-iam suficientes? Se se ajuntassem para eles todos os peixes do mar, ser-lhes-iam suficientes?” 23Respondeu Iahweh a Moisés: “Ter-se-ia, porventura, encurtado o braço de Iahweh? Tu verás se a palavra que eu te disse se cumpre ou não.”

Efusão do Espírito24Moisés saiu e disse ao povo as palavras de Iahweh. Em seguida reuniu setenta anciãos dentre o povo e os colocou ao redor da Tenda. 25Iahweh desceu na Nuvem. Falou-lhe e tomou do Espírito que repousava sobre ele e o colocou nos setenta anciãos. Quando o Espírito repousou sobre eles, profetizaram; porém, nunca mais o fizeram. 26Dois homens haviam permanecido no acampamento: um deles se chamava Eldad e o outro Medad. O Espírito repousou sobre eles; ainda que não tivessem vindo à Tenda, estavam entre os inscritos. Puseram-se a profetizar no acampamento. 27Um jovem correu e foi anunciar a Moisés: “Eis que Eldad e Medad”, disse ele, “estão profetizando no acampamento.” 28Josué, filho de Nun, que desde a sua juventude servia a Moisés, tomou a palavra e disse: “Moisés, meu senhor, proíbe-os!” 29Respondeu-lhe Moisés: “Estás ciumento por minha causa? Oxalá todo o povo de Iahweh fosse profeta, dando-lhe Iahweh o seu Espírito!” 30A seguir Moisés voltou ao acampamento e com ele os anciãos de Israel.

As codornizes31Levantou-se então um vento, enviado por Iahweh e vindo do mar, que trouxe codornizes e as arremessou no acampamento. Delas havia numa extensão de um dia de marcha, de um lado e do outro do acampamento, e numa espessura de dois côvados acima do solo. 32E levantou-se o povo todo aquele dia, toda aquela noite e o dia seguinte para recolher codornizes: aquele que recolheu menos recolheu dez almudes; depois as estenderam ao redor do acampamento. 33A carne estava ainda no seus dentes, sem ter sido mastigada, quando a ira de Iahweh se inflamou contra o povo. Iahweh o feriu com uma praga muito grande. 34Deu-se a este lugar o nome de Cibrot-ataava, pois ali foram sepultados aqueles que se entregaram à sua concupiscência. 35De Cibrot-ataava o povo partiu para Haserot e acampou em Haserot.

12 Maria e Aarão contra Moisés1Maria e Aarão murmuraram contra Moisés por causa da mulher cuchita que ele havia tomado Pois ele havia desposado uma mulher cuchita. 2Disseram-lhe: “Falou, porventura, Iahweh, somente a Moisés? Não falou também a nós?” Iahweh os ouviu. 3Ora, Moisés era um homem muito humilde, o mais humilde dos homens que havia na terra.

Resposta divina4Subitamente disse Iahweh a Moisés, a Aarão e a Ma ria: “Vinde, todos os três, à Tenda da Reunião.” Todos os três foram 5e Iahweh desceu numa coluna de nuvem e se deteve à entrada da Tenda. Chamou a Aarão e a Maria; ambos se apresentaram. 6Disse Iahweh: “Ouvi, pois, as minhas palavras: Se há entre vós um profeta, é em visão que me revelo a ele, é em sonho que lhe falo. 7Assim não se dá com o meu servo Moisés, a quem toda a minha casa está confiada. 8Falo-lhe face a face, claramente e não em enigmas, e ele vê a forma de Iahweh. Por que ousastes falar contra meu servo Moisés?” 9A ira de Iahweh se inflamou contra eles. E retirou-se 10e a Nuvem deixou a Tenda. E Maria tornou-se leprosa, branca como a neve. Aarão voltou-se para ela, e estava leprosa.

Intercessão de Aarão e de Moisés 11Disse Aarão a Moisés: “Ai, meu senhor! Não queiras nos infligir a culpa do pecado que tivemos a loucura de cometer e do qual somos culpados. 12Peço-te, não seja ela como um aborto cuja carne já está meio consumida ao sair do seio de sua mãe!” 13Moisés clamou a Iahweh: “Ó Deus”, disse ele, “digna-te dar-lhe a cura, eu te suplico!” 14Disse então Iahweh a Moisés: “E se seu pai lhe cuspisse no rosto não ficaria ela envergonhada por sete dias? Seja, portanto, segregada sete dias fora do acampamento e depois seja nele admitida novamente.” 15Maria foi segregada durante sete dias fora do acampamento. O povo não partiu antes do seu retorno. 16Depois o povo partiu de Haserot e foi acampar no deserto de Farã.

13 Exploração de Canaã1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Envia homens, um de cada tribo, para explorar a terra de Canaã, que vou dar aos filhos de Israel. Enviareis todos aqueles que sejam seus príncipes.” 3Conforme a ordem de Iahweh, Moisés os enviou do deserto de Farã. listes homens eram, todos eles, chefes dos filhos de Israel. 4São estes os seus nomes: Da tribo de Rúben, Samua, filho de Zacur; 5da tribo de Simeão, Safat, filho de Huri; 6da tribo de Judá, Caleb, filho de Jefoné; 7da tribo de Issacar, Igal, filho de José; 8da tribo de Efraim, Oséias, filho de Nun; 9da tribo de Benjamim, Falti, filho de Rafu; 10da tribo de Zabulon, Gediel, filho de Sodi; 11da tribo de José, da tribo de Manassés, Gadi, filho de Susi; 12da tribo de Dã, Amiel, filho de Gemali; 13da tribo de Aser, Setur, filho de Miguel; 14da tribo de Neftali, Naabi, filho de Vapsi; 15da tribo de Gad, Guel, filho de Maqui. 16Estes são os nomes dos homens que Moisés enviou para explorar a terra. E Moisés deu a Oséias, filho de Nun, o nome de Josué. 17Moisés os enviou para explorar a terra de Canaã: “Subi ao Negueb, e em seguida escalai a montanha. 18Vede como é a terra; como é o povo que a habita, forte ou fraco, escasso ou numeroso; 19como é a terra por ele habitada, boa ou má; como são as cidades por ele habitadas, campos ou fortalezas; 20como é a terra, fértil ou estéril, se tem matas ou não. Sede corajosos. Trazei produtos da terra.” Era a época das primeiras uvas. 21Subiram eles para explorar a terra, desde o deserto de Sin até Roob, a Entrada de Emat.22Subiram pelo Negueb e chegaram a Hebron, onde se achavam Aimã, Sesai e Tolmai, os enacim. (Hebron havia sido fundada sete anos antes de Tânis do Egito). 23E chegaram ao vale de Escol; lá cortaram um ramo de videira com um cacho de uvas que levaram sobre uma vara, transportada por dois homens; levaram também romãs e figos. 24Chamou-se a este lugar de vale de Escol por causa do cacho que lá cortaram os filhos de Israel.

O relato dos enviados25Ao cabo de quarenta dias, voltaram da exploração da terra. 26Vieram a Moisés, Aarão e a toda a comunidade de Israel, no deserto de Farã, em Cades. Fizeram-lhe o seu relato, bem como a toda a comunidade, e mostraram-lhes os produtos da terra. 27Relataram-lhes o seguinte: “Fomos à terra à qual nos enviastes. Na verdade é terra onde mana leite e mel; eis os seus produtos. 28Contudo, o povo que a habita é poderoso; as cidades são fortificadas, muito grande; também vimos ali os filhos de Enac. 29Os amalecitas ocupam a região do Negueb; os heteus, os amorreus e os jebuseus, a montanha; os cananeus, a orla marítima e ao longo do Jordão.” 30Então Caleb fez calar o povo reunido diante de Moisés: “Devemos marchar”, disse ele, “e conquistar essa terra: realmente podemos fazer isso.” 31Os homens que o haviam acompanhado disseram: “Não podemos marchar contra esse povo, visto que é mais forte do que nós.” 32E puseram se a difamar diante dos filhos de Israel a terra que haviam explorado: “A terra que fomos explorar é terra que devora os seus habitantes. Todos aqueles que lá vimos são homens de grande estatura. 33Lá também vimos gigantes (os filhos de Enac, descendência de gigantes). Tínhamos a impressão de sermos gafanhotos diante deles e assim também lhes parecíamos.”

14 Revolta de Israel 1Então toda a comunidade elevou a voz; puseram-se a clamar, e o povo chorou aquela noite. 2Todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e Aarão, e toda a comunidade lhes disse: “Antes tivéssemos morrido na terra do Egito! Antes morrêssemos neste deserto! 3E por que Iahweh nos traz a esta terra para nos fazer perecer à espada, para entregar como presa as nossas mulheres e as nossas crianças? Não nos seria melhor voltar para o Egito?” 4E diziam uns aos outros: “Escolhamos um chefe e voltemos para o Egito.” 5Diante de toda a comunidade reunida dos filhos de Israel, Moisés e Aarão prostraram-se com a face em terra. 6Dentre aqueles que exploraram a terra, Josué, filho de Nun, e Caleb, filho de Jefoné, rasgaram as suas vestes. 7Disseram a toda a comunidade dos filhos de Israel: “A terra que fomos explorar é boa, é uma terra excelente. 8Se Iahweh nos é propício, ele nos fará entrar nesta terra e no-la dará. É uma terra que mana leite e mel. 9Tão-somente não vos rebeleis contra Iahweh. Não tenhais medo do povo daquela terra, pois os devoraremos como um bocado de pão. A sua sombra protetora lhes foi tirada, ao passo que Iahweh está conosco. Portanto, não tenhais medo deles.”

Ira de Iahweh e intercessão de Moisés10Toda a comunidade falava em apedrejá-los, quando a glória de Iahweh apareceu na Tenda da Reunião a todos os filhos de Israel. 11E Iahweh disse a Moisés: “Até quando este povo me desprezará? Até quando recusará crer em mim, apesar dos sinais que fiz no meio deles? 12Vou feri-lo com pestilência e o deserdarei. De ti, contudo, farei uma nação maior e mais poderosa do que este povo.” 13Moisés respondeu a Iahweh: “Os egípcios ouviram que pela tua própria força fizeste sair este povo do meio deles. 14Disseram-no também aos habitantes desta terra. Souberam que tu, Iahweh, estás no meio deste povo, a quem te fazes ver face a face; que és tu, Iahweh, cuja nuvem paira sobre eles; que tu marchas diante cicies, de dia numa coluna de nuvem e de noite numa coluna de fogo. 15Se fazes perecer a este povo como a um só homem, as nações que ouviram falar de ti vão dizer: 16‘Iahweh não pôde fazer este povo entrar na terra que lhe havia prometido com juramento e, por isso, o destruiu no deserto.’ 17Não! Mas que agora a tua força, meu Senhor, se engrandeça! Segundo a tua palavra: 18‘Iahweh é lento para a cólera e cheio de amor, tolera a falta e a transgressão, mas não deixa ninguém impune, ele que castiga a falta dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração.’ 19Perdoa, pois, a falta deste povo segundo a grandeza da tua bondade, tudo conforme o tens tratado desde o Egito até aqui.”

Perdão e castigo20Disse Iahweh: “Eu o perdôo, conforme a tua súplica. 21Mas — eis que eu vivo! e a glória de Iahweh enche toda a terra! — 22todos estes homens que viram minha glória e os sinais que fiz no Egito e no deserto, estes homens que já me puseram à prova dez vezes, sem obedecer à minha voz, 23não verão a terra que prometi com juramento a seus pais. Nenhum daqueles que me ultrajaram a verá. 24Mas o meu servo Caleb, visto que um espírito diferente o animou e que me obedeceu inteiramente, eu o farei entrar na terra onde já esteve, e a sua descendência a possuirá. 25(Os amalecitas e os cananeus habitam na planície.) Amanhã, pois, fazei meia volta e retornai ao deserto, na direção do mar de Suf.” 26Iahweh falou a Moisés e a Aarão. Disse-lhes: 27“Até quando esta comunidade perversa há de murmurar contra mim? Ouvi as queixas que os filhos de Israel murmuram contra mim. 28Dize-lhes: Por minha vida — oráculo de Iahweh — eu vos tratarei segundo as próprias palavras que pronunciastes aos meus ouvidos. 29Os vossos cadáveres cairão neste deserto, todos vós os recenseados, todos vós os enumerados desde a idade de vinte anos para cima, vós que tendes murmurado contra mim. 30Juro que não entrareis neste país, a respeito do qual eu, levantando a mão, fiz juramento de nele vos estabelecer. Apenas Caleb, filho de Jefoné, e Josué, filho de Nun, 31e os vossos filhos, dos quais dizíeis que seriam levados como presa, serão eles que farei entrar e que conhecerão a terra que desprezastes. 32Quanto a vós, os vossos cadáveres cairão neste deserto, 33e vossos filhos andarão errantes neste deserto durante quarenta anos, carregando o peso da vossa infidelidade, até que os vossos cadáveres se consumam no deserto. 34Explorastes a terra durante quarenta dias. A cada dia corresponde um ano: por quarenta anos levareis o peso de vossas faltas e sabereis o que é o fato de me abandonardes. 35Eu falei, eu mesmo, Iahweh; é assim que tratarei toda esta comunidade perversa amotinada contra mim. Neste mesmo deserto não restará um deles e é ali que morrerão.” 36Os homens que Moisés havia mandado para explorarem a terra e que, ao voltarem, haviam excitado toda a comunidade de Israel a murmurar contra ele, desacreditando a terra, 37tais homens que infamaram perversamente a terra, foram feridos de morte perante Iahweh. 38Dos homens que foram explorar a terra somente Josué, filho de Nun, e Caleb, filho de Jefoné, permaneceram vivos.

Tentativa fracassada dos filhos de Israel39Moisés transmitiu estas palavras aos filhos de Israel e o povo fez grandes lamentações. 40Depois, levantando-se de madrugada, subiram ao cume da montanha e diziam: “Eis nos aqui e subimos a este lugar, a respeito do qual Iahweh disse que havia mos pecado.” 41Respondeu Moisés: “Por que transgredis a ordem de Iahweh? Isso não será bem sucedido. 42Não subais, pois Iahweh não está no meio de vós: não prepareis a vossa derrota por meio dos vossos inimigos. 43Na verdade, os amalecitas e os cananeus estão lá diante de vós, e caireis à espada, porque vós vos desviastes de Iahweh e Iahweh não está convosco.” 44Contudo, eles subiram, na sua presunção, ao cume da montanha. A arca da aliança de Iahweh e Moisés não se apartaram do acampamento. 45Os amalecitas e os cananeus que habitavam esta montanha desceram, derrotaram-nos e os fizeram em pedaços até Horma.

VI. Disposições sobre os sacrifícios. Poderes dos sacerdotes e dos levitas

15 A oblação que acompanha os sacrifícios 1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Fala aos filhos de Israel; tu lhes dirás: Quando tiverdes entrado na terra onde habitareis e que vos dou, 3se apresentardes manjares queimados ao Senhor, em holocausto ou em sacrifício, seja para cumprir um voto ou seja a título de oferenda espontânea, seja por ocasião das vossas solenidades — fazendo assim do vosso gado miúdo ou graúdo um perfume agradável a Iahweh —, 4o ofertante trará, para sua oferenda pessoal a Iahweh, uma oblação de um décimo de flor de farinha, amassada com um quarto de hin de azeite. 5Farás uma libação de vinho de um quarto de hin por cordeiro, além do holocausto ou do sacrifício. 6Para um carneiro farás uma oblação de dois décimos de flor de farinha, amassada com um terço de hin de azeite, 7e uma libação de vinho de um terço de hin, que oferecerás em perfume agradável a Iahweh. 8Se for um novilho que vieres oferecer em holocausto ou em sacrifício, a fim de cumprir um voto, ou como sacrifício de comunhão a Iahweh, 9 será oferecida, além do animal, uma oblação de três décimos de flor de farinha, amassada com meio hin de azeite, 10e oferecerás uma libação de vinho de meio hin, como oferenda queimada, de perfume agradável a Iahweh. 11Assim se fará para cada novilho, cada carneiro ou cada cabeça de animal pequeno, ovelha ou cabrito. 12Segundo o número das vítimas que fordes imolar, fareis o mesmo para cada uma delas, conforme o seu número. 13Assim fará todo o natural dentre o vosso povo, quando oferecer uma oferenda queimada em perfume agradável a Iahweh. 14E se algum estrangeiro residir convosco, ou com os vossos descendentes, oferecerá uma oferenda queimada em perfume agradável a Iahweh: como fizerdes, assim fará. 15a assembléia. Haverá somente um estatuto, tanto para vós como para o estrangeiro. É um estatuto perpétuo para os vossos descendentes: diante de Iahweh, será tanto para vós como para o estrangeiro. 16Haverá somente uma lei e um direito, tanto para vós como para o estrangeiro que habita no meio de vós.”

As primícias do pão17Iahweh falou a Moisés e disse: 18“Fala aos filhos de Israel; tu lhes dirás: Quando tiverdes entrado na terra para a qual eu vos conduzo, 19devereis oferecer um tributo a Iahweh, tão logo comais do pão dessa terra. 20Como primícias da vossa massa separareis um pão; fareis esta separação como aquela que se faz com a eira. 21Dareis a Iahweh um tributo do melhor das vossas massas. Isso é válido para os vossos descendentes.

Expiação das faltas cometidas por inadvertência22“Se deixardes de cumprir, por inadvertência, a qualquer um destes mandamentos que Iahweh transmitiu a Moisés 23(tudo aquilo que Iahweh vos ordenou por intermédio de Moisés, desde o dia em que ordenou todas estas coisas, e às vossas gerações), 24proceder-se-á assim: Se foi a comunidade que cometeu a inadvertência, a comunidade inteira fará holocausto de um novilho em perfume agradável a Iahweh, juntamente com a oblação e a libação, segundo a norma, e oferecerá um bode em sacrifício pelo pecado. 25O sacerdote fará o rito de expiação por toda a comunidade dos filhos de Israel e o pecado lhes será perdoado, pois que foi uma inadvertência. Quando trouxerem a sua oferenda para ser queimada perante Iahweh e apresentarem diante de Iahweh o seu sacrifício pelo pecado, a fim de reparar a sua inadvertência, 26ele será perdoado a toda a comunidade dos filhos de Israel e de igual modo ao estrangeiro que reside no meio deles, pois que todo o povo agiu por inadvertência. 27Se for apenas uma pessoa que pecou por inadvertência, oferecerá, em sacrifício pelo pecado, uma cabra de um ano. 28O sacerdote fará perante Iahweh o rito de expiação pela pessoa que se desviou pelo pecado de inadvertência, cumprindo sobre a pessoa o rito de expiação, e ela será perdoada, 29quer se trate de um nativo dentre os filhos de Israel, quer de um estrangeiro que habita no meio deles. Haverá uma só lei entre vós, para aquele que procede por inadvertência. 30Aquele, porém, que procede deliberadamente, quer seja nativo, quer estrangeiro, comete ultraje contra Iahweh. Tal indivíduo será exterminado do meio do seu povo: 31desprezou a palavra de Iahweh e violou o seu mandamento. Este indivíduo deverá ser eliminado, pois a sua culpa está nele mesmo.”

Violação do sábado 32Enquanto os filhos de Israel estavam no deserto, um homem foi surpreendido apanhando lenha no dia de sábado. 33Aqueles que o surpreenderam recolhendo lenha trouxeram-no a Moisés, a Aarão e a toda a comunidade. 34Puseram-no sob guarda, pois não estava ainda determinado o que se devia fazer com ele. 35Iahweh disse a Moisés: “Tal homem deve ser morto. Toda a comunidade o apedrejará fora do acampa mento.” 36Toda a comunidade o levou para fora do acampamento e o apedrejou até que morreu, como Iahweh ordenara a Moisés.

As borlas das vestes37Iahweh falou a Moisés e disse: 38“Fala aos filho de Israel: tu lhes dirás, para as suas gerações, que façam borlas nas pontas das suas vestes e ponham um fio de púrpura violeta na borla da ponta. 39Trareis, portanto, uma borla, e vendo-a vos lembrareis de todos os mandamentos de Iahweh. E os poreis em prática, sem jamais seguir os desejos do vosso coração e dos vossos olhos, que vos têm levado a vos prostituir. 40Assim vós vos lembrareis de todos os meus mandamentos e os poreis em prática e sereis consagrados ao vosso Deus. 41Eu sou Iahweh vosso Deus, que vos tirei da terra do Egito, a fim de ser vosso Deus, eu, Iahweh vosso Deus.”

16 Rebelião de Coré, Datã e Abiram1Coré, filho de Isaar, filho de Caat, filho de Levi, Datã e Abiram, filhos de Eliab e On, filho de Felet (Eliab e Felet eram filhos de Rúben), encheram-se de orgulho; 2levantaram-se contra Moisés, juntamente com duzentos e cinqüenta filhos de Israel, príncipes da comunidade, respeitados nas solenidades, homens de renome. 3Ajuntaram-se, pois, contra Moisés e Aarão, dizendo-lhes: “Basta! Toda a comunidade e todos os seus membros são consagrados, e Iahweh está no meio deles. Por que, então, vos exaltais acima da assembléia de Iahweh?” 4Moisés, ouvindo isso, prostrou-se com a face em terra. 5Depois disse a Coré e a toda a sua comunidade: “Amanhã cedo Iahweh fará conhecer quem é dele e qual é o homem consagrado que permitirá aproximar-se dele. Aquele que ele fizer aproximar-se dele, esse é aquele que ele escolheu. 6Fazei, pois, isto: tomai os incensórios de Coré e de toda a sua comunidade, 7ponde neles fogo e, amanhã, deitai sobre o fogo o incenso, diante de Iahweh. Aquele que Iahweh escolher, esse é o homem que lhe é consagrado. Isto vos é suficiente, filhos de Levi!” 8Moisés disse a Coré: “Ouvi, agora, filhos de Levi! 9Acaso é muito pouco para vós que o Deus de Israel vos haja separado da comunidade de Israel, trazendo-vos para perto dele, a fim de fazerdes o serviço da Habitação de Iahweh, colocando-vos diante desta comunidade para ministrardes em seu favor? 10Ele te chamou para perto dele, tu e contigo todos os teus irmãos, os levitas, e além disso ambicionais o sacerdócio! 11Vós conspirastes contra Iahweh, tu e a tua comunidade: quem é Aarão, para que murmureis contra ele?” 12Moisés mandou chamar a Datã e Abiram, filhos de Eliab. Responderam eles: “Não iremos. 13Não é por acaso bastante que nos fizeste deixar uma terra que mana leite e mel, para nos fazer morrer neste deserto, e queres ainda fazer-te príncipe sobre nós? 14Na verdade não é uma terra que mana leite e mel a terra para a qual nos conduziste e não nos deste por herança campos e vinhas! Pensas em tornar cego a este povo? De modo algum iremos.” 15Moisés ficou extremamente irado e disse a Iahweh: “Não atendas para a sua oblação. Não tomei deles sequer um asno e não fiz mal a nenhum deles.”

O castigo16Moisés disse a Coré: “Tu e toda a tua comunidade vinde Manhã, a fim de vos colocardes diante de Iahweh, tu e eles e também Aarão. 17Cada um tome o seu incensório, ponha nele o incenso e traga cada mui o seu incensório perante Iahweh — duzentos e cinqüenta incensórios. Tu e Aarão, igualmente, tome cada um o seu incensório.” 18Cada um tomou o seu incensório, pôs fogo nele e depositou o incenso em cima. Em seguida puseram-se à porta da Tenda da Reunião, com Moisés e Aarão. 19Coré reuniu diante desses últimos toda a comunidade, na entrada da Tenda da Reunião, e a glória de Iahweh mostrou-se a toda a comunidade. 20Iahweh falou a Moisés e a Aarão. Disse-lhes:21 “Apartai-vos desta comunidade, pois vou destruí-la em um momento.” 22Eles, porém, prostraram-se com a face em terra exclamaram: “Ó Deus, Deus dos espíritos que vivificam toda carne, irritar-te-ias contra toda a comunidade quando um só pecou?” 23Iahweh falou a Moisés e disse: 24“Fala a esta comunidade e dize-lhe: Afastai-vos da habitação de Coré.” 25Moisés levantou-se e dirigiu-se a Datã e Abiram; seguiram-no os anciãos de Israel. 26Ele falou à comunidade e disse: “Suplico-vos, separai-vos das tendas destes homens ímpios e não toqueis em nada daquilo que lhes pertence, para que não sejais apanhados em todos os pecados deles.” 27Afastaram-se, pois, dos arredores da habitação de Coré. Datã e Abiram saíram e se puseram à entrada das suas tendas, com suas mulheres, seus filhos e suas crianças. 28Disse Moisés: “Nisto conhecereis que foi Iahweh que me enviou para realizar todos estes feitos e que não os fiz por mim mesmo: 29se estas pessoas morrerem de morte natural, atingidas pela sentença comum a todos os homens, então não foi Iahweh que me enviou. 30Mas se Iahweh fizer alguma coisa estranha, se a terra abrir a sua boca e os engolir, eles e tudo aquilo que lhes pertence, e se descerem vivos ao Xeol, sabereis que estas pessoas desprezaram a Iahweh.” 31E aconteceu que, acabando de pronunciar todas essas palavras, o solo se fendeu sob os seus pés, 32a terra abriu a sua boca e os engoliu, eles e suas famílias, bem como todos os homens de Coré e todos os seus bens. 33Desceram vivos ao Xeol, eles e tudo aquilo que lhes pertencia. A terra os recobriu e desapareceram do meio da assembléia. 34A seus gritos, fugiram todos os filhos de Israel que se encontravam ao redor deles. E diziam: “Que a terra não engula a nós também!” 35Saiu fogo da parte de Iahweh e consumiu os duzentos e cinqüenta homens que ofereciam o incenso.

17Os incensórios1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Dize a Eleam, filho de Aarão, o sacerdote, que retire os incensórios do meio das brasas e espalhe o fogo longe, 3porque esses incensórios de pecado estilo santificados pelo preço da vida desses homens. Visto que foram trazidos para diante de Iahweh e estão consagrados, que o metal deles seja reduzido a lâminas para recobrir o altar. Servirão de sinal para os filhos de Israel.” 4Eleazar, o sacerdote, tomou os incensórios de bronze trazidos pelos homens que o fogo havia destruído. Foram reduzidos a lâminas para recobrir o altar. 5Elas lembram aos filhos de Israel que nenhum profano, estranho à descendência de Aarão, deverá aproximar-se para queimar incenso perante Iahweh, sob pena de sofrer a sorte de Coré e de sua comunidade, segundo o que Iahweh havia dito por intermédio de Moisés.

A intercessão de Aarão6No dia seguinte, toda a comunidade dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e Aarão, dizendo: “Fizestes perecer o povo de Iahweh.” 7Ora, como a comunidade se reunia contra Moisés e Aarão, ambos se dirigiram para a Tenda da Reunião. Eis que a Nu vem a cobriu e a glória de Iahweh apareceu. 8Moisés e Aarão foram diante da Tenda da Reunião. 9Iahweh falou a Moisés e disse: 10“Saí do meio desta comunidade; vou destruí-la em um instante.” Eles prostraram-se com a face em terra. 11Em seguida Moisés disse a Aarão: “Toma o incensório, põe nele fogo do altar e em cima o incenso, e vai depressa à comunidade, a fim de fazer o rito da expiação por ela. Eis que a ira já saiu de diante de Iahweh: já começou a Praga.” 12Aarão o tomou, conforme ordenou Moisés, e correu para o meio da assembléia; mas a Praga já havia começado entre o povo. Colocou o incenso e fez o rito de expiação pelo povo. 13E permaneceu ele entre os mortos e os vivos; e cessou a Praga. 14Foram catorze mil e setecentas as vítimas da Praga, sem contar aqueles que foram mortos por causa de Coré. 15E Aarão voltou para junto de Moisés, à entrada da Tenda da Reunião: a Praga havia cessado.

A vara de Aarão16Iahweh falou a Moisés e disse: 17“Fala aos filhos de Israel. Recebe deles, para cada casa patriarcal, uma vara; que todos os seus chefes, pelas suas casas patriarcais, te entreguem doze varas. Escreverás o nome de cada um deles na sua própria vara; 18e na vara de Levi escreverás o nome de Aarão, visto que haverá uma vara para o chefe das casas patriarcais de Levi. 19Tu as colocarás em seguida na Tenda da Reunião, diante do Testemunho, onde eu me encontro contigo. 20O homem cuja vara florescer será o que escolhi; assim não deixarei chegar até mim as murmurações que os filhos de Israel proferem contra vós.” 21Moisés falou aos filhos de Israel e todos os seus príncipes lhe entregaram uma vara cada um, doze varas para o conjunto das casas patriarcais; entre elas estava a vara de Aarão. 22Moisés as depositou diante de Iahweh, na Tenda do Testemunho. 23No dia seguinte, quando Moisés veio à Tenda do Testemunho, a vara de Aarão, pela casa de Levi, havia florescido: os botões haviam surgido, as flores haviam desabrochado e as amêndoas amadurecido. 24Moisés tomou todas as varas de diante de Iahweh e as levou a todos os filhos de Israel; eles verificaram o fato e cada um retomou a sua vara. 25Iahweh disse a Moisés: “Torna a levar a vara de Aarão para diante do Testemunho, onde terá ela o seu lugar ritual, como um sinal para os rebeldes. Assim ela reduzirá a nada as suas murmurações, para que não subam até mim e não venham a morrer.” 26Moisés fez conforme Iahweh lhe determinara. Assim, de fato, o fez.

O papel expiatório do sacerdócio27Os filhos de Israel disseram a Moisés: “Vede! Eis que estamos perdidos! Eis que perecemos! Todos pereceremos! 28Todo aquele que se aproxima da Habitação de Iahweh, para fazer oferenda, morre. Seremos levados à destruição, até o último?”

18  1Então Iahweh disse a Aarão: “Tu, teus filhos e a casa de teu pai contigo levareis o peso das faltas cometidas com relação ao santuário. Tu e teus filhos contigo levareis o peso das faltas do vosso sacerdócio. 2Faze igualmente juntarem-se a ti os irmãos do ramo de Levi, a tribo de teu pai. Sejam eles teus auxiliares e te sirvam, a ti e aos teus filhos, perante a Tenda do Testemunho. 3Farão o teu serviço e o de toda a Tenda. Não devem se aproximar dos objetos sagrados, nem do altar, para que tanto eles como vós não venhais a morrer. 4Serão teus auxiliares e responderão pelos encargos da Tenda da Reunião, por todos os serviços da Tenda, e nenhum profano se aproximará de vós. 5Respondereis pelos encargos do santuário e pelos serviços do altar, para que não haja mais ira contra os filhos de Israel. 6Eis que escolhi vossos irmãos, os levitas, dentre os filhos de Israel, para fazer deles uma doação para vós. A título de ‘doados’, pertencem a Iahweh, para fazerem o serviço da Tenda da Reunião. 7Tu e os teus filhos assumireis as funções sacerdotais em tudo o que se refere ao altar e em tudo o que está atrás do véu. Vós realizareis o serviço do culto, cujo ofício concedo ao vosso sacerdócio. Contudo, o profano que se aproximar morrerá.”

A parte dos sacerdotes8Iahweh disse a Aarão: “Eis que te dei o encargo daquilo que é separado para mim. Tudo aquilo que os filhos de Israel consagrarem eu te dou, como a parte que te é atribuída, bem como a teus filhos, e isto como um estatuto perpétuo. 9Eis o que te pertencerá das coisas santíssimas, das oferendas apresentadas: todas as oferendas que me restituírem os filhos de Israel, a título de oblação, de sacrifício pelo pecado e de sacrifício de reparação; são coisas santíssimas, que te pertencerão, bem como a teus filhos. 10Vós vos nutrireis de coisas santíssimas. Toda pessoa do sexo masculino poderá comer delas. Tu as considerarás sagradas. 11Isto também te pertencerá: aquilo que é reservado das oferendas dos filhos de Israel, de tudo aquilo que é erguido em gesto de apresentação; dou-o a ti, a teus filhos e a tuas filhas, como estatuto perpétuo. Todo o que estiver puro, na tua casa, poderá dele comer. 12Todo o melhor do azei te, todo o melhor do vinho novo e do trigo, estas primícias que oferecem a Iahweh, dou-as a ti. 13Todos os primeiros produtos do seu país, que trazem a Iahweh, te pertencerão; todo aquele que estiver puro, na tua casa, poderá comer dele. 14Tudo aquilo que estiver atingido por anátema, em Israel, será para ti. 15Todo primogênito que se traz a Iahweh te pertencerá, tudo aquilo que procede de um ser de carne, homem ou animal; tu, porém, farás resgatar o primogênito do homem e, igualmente, farás resgatar o primogênito de um animal impuro. 16Tu o resgatarás com um mês de idade, dando-lhes o valor de cinco siclos de prata, segundo o siclo do santuário, que é de vinte geras. 17Os primogênitos da vaca, da ovelha e da cabra não serão resgatados. São santos: derramarás o seu sangue sobre o altar, e queimarás a sua gordura como oferenda queimada de perfume agradável a Iahweh, 18e a sua carne te pertencerá, assim como o peito que será apresentado e a coxa direita. 19Todas as oferendas que os filhos de Israel trazem a Iahweh, das coisas santas, dou-as a ti, bem como a teus filhos e a tuas filhas, como um estatuto perpétuo. É uma aliança eterna de sal, diante de Iahweh, para ti e para a tua descendência contigo.”

A parte dos levitas20Iahweh disse a Aarão: “Não terás herança alguma na terra deles e nenhuma parte haverá para ti no meio deles. Eu sou a tua parte e a tua herança no meio dos filhos de Israel. 21Eis que aos filhos de Levi dou por herança todos os dízimos arrecadados em Israel, em compensação pelos seus serviços, isto é, o serviço que fazem na Tenda da Reunião. 22Os filhos de Israel não se aproximarão jamais da Tenda da Reunião: carregariam um pecado e morreriam. 23Levi fará o serviço da Tenda da Reunião e os levitas levarão o peso das suas faltas. É estatuto perpétuo para as vossas gerações: os levitas não possuirão herança alguma no meio dos filhos de Israel, 24visto que são os dízimos que os filhos de Israel separam para Iahweh, que eu dou por herança aos levitas. Eis por que lhes disse que não possuirão herança alguma no meio dos filhos de Israel.”

Os dízimos25Iahweh falou a Moisés e disse: 26“Falarás aos levitas e lhes dirás: Quando tiverdes dos filhos de Israel os dízimos que vos dou como herança da parte deles, separareis a parte de Iahweh, o dízimo dos dízimos. 27Essa parte tomará o lugar daquilo que é separado, a ser tomado de vós,  como se fosse o trigo tomado da eira e o vinho novo tomado do lagar. “Assim, pois, vós também retirareis a parte de Iahweh de todos os dízimos que receberdes dos filhos de Israel: dareis aquilo que houverdes separado para Iahweh ao sacerdote Aarão. 29De todas as oferendas que receberdes retirareis a parte de Iahweh; do melhor de todas as coisas retirareis a parte sagrada. 30Tu lhes dirás: Quando houverdes separado o melhor, todas essas dádivas serão para os levitas, como se fossem produto da eira e produto do lagar. 31Podereis comê-las em qualquer lugar, vós e a vossa família: é o vosso salário pelo vosso serviço na Tenda da Reunião. 32Não sereis culpados de pecado algum por isso, desde que separeis o melhor; não profanareis as coisas consagradas pelos filhos de Israel, para que não morrais.”

19 As cinzas da novilha vermelha1Iahweh falou a Moisés e a Aarão. Disse-lhes: 2“Eis um estatuto da Lei que Iahweh prescreve. Fala aos filhos de Israel. Que tragam a ti uma novilha vermelha sem defeito e perfeita e que não lenha ainda sido submetida ao jugo. 3Entregá-la-eis a Eleazar, o sacerdote. Será levada para fora do acampamento e será imolada diante dele. 4Depois o sacerdote Eleazar tomará com o seu dedo um pouco do sangue da vítima e com esse sangue fará sete aspersões na direção da entrada da Tenda da Reunião. 5Queimar-se-á, então, a novilha na sua presença; o couro, a carne, o sangue e os excrementos serão queimados. 6O sacerdote tomará em seguida madeira de cedro, hissopo e escarlate de cochonila e os lançará no fogo onde arde a novilha. 7Lavará, então, as suas vestes e banhará o seu corpo com água; depois disso entrará no acampamento, mas ficará ainda impuro até à tarde. 8Igualmente aquele que queimou a novilha lavará as suas vestes, banhará o seu corpo com água e ficará impuro até à tarde. Um homem em estado de pureza recolherá as cinzas da novilha e as depositará, fora do acampamento, em lugar puro. Ali permanecerão para uso ritual da comunidade dos filhos de Israel, para fazerem a água lustral; é um sacrifício pelo pecado. 10Aquele que tiver recolhido as cinzas da novilha lavará suas vestes e ficará impuro até à tarde. Tanto para os filhos de Israel como para o estrangeiro que habita entre eles isso será um estatuto perpétuo.

Caso de impureza11“Aquele que tocar um cadáver, qualquer que seja o morto, ficará impuro sete dias. 12Purificar-se-á com esta água, no terceiro e no sétimo dias, e se tornará puro; contudo, se não se purificar no terceiro e no sétimo dia, não ficará puro. 13Todo aquele que tocar um morto, o corpo de alguém que morreu, e não se purificar, contamina a Habitação de Iahweh; tal homem será eliminado de Israel, visto que as águas lustrais não foram aspergidas sobre ele, e está impuro, e a sua impureza ainda permanece nele. 14Esta é a lei a respeito de um homem que morre numa tenda. Quem quer que entre na tenda e quem quer que aí se encontre ficará impuro sete dias. 15Está igualmente impuro todo recipiente aberto que não tenha sido fechado com uma tampa ou com uma atadura. 16Todo aquele que tocar, em campo aberto, um homem assassinado, um cadáver, uma ossada humana ou um túmulo, ficará impuro sete dias

Ritual das águas lustrais17“Tomar-se-á, para o homem impuro, cinza da vítima queimada em sacrifício pelo pecado. Derramar-se-á água correu te sobre as cinzas em um vaso. 18Em seguida um homem puro tomará hissopo e o mergulhará naquela água. Fará aspersão sobre a tenda, sobre todos os vasos e sobre todas as pessoas que ali estiverem, bem como sobre aquele que tocou a ossada, um homem assassinado, um cadáver, ou um túmulo. 19O homem puro fará aspersão sobre o impuro, no terceiro e no sétimo dia, e no sétimo dia estará livre do seu pecado. O homem impuro lavará as suas vestes, banhar-se-á com água e à tarde estará puro. 20Contudo, um homem impuro que deixar de se purificar desta maneira será eliminado da comunidade, porque contaminaria o santuário de Iahweh. As águas lustrais não foram aspergidas sobre ele; está, pois, impuro. 21Isto será para eles um estatuto perpétuo. Aquele que fizer a aspersão das águas lustrais lavará suas vestes e aquele que tocou essas águas ficará impuro até à tarde. 22Tudo aquilo que o impuro tocar ficará impuro, e a pessoa que o tocar ficará impura até à tarde.”

VII. De Cades a Moab

20 As águas de Meriba 1Os filhos de Israel, toda a comunidade, chegaram no primeiro mês ao deserto de Sin. O povo permaneceu em Cades. Ali morreu Maria e ali foi sepultada. 2Não havia água para a comunidade; amotinaram-se, então, contra Moisés e Aarão. 3E o povo contendia contra Moisés: “Oxalá tivéssemos perecido”, diziam, “como pereceram nossos irmãos diante de Iahweh! 4Por que conduziste a assembléia de Iahweh a este deserto, para aqui morrermos, nós e os nossos animais? 5Por que nos fizeste subir do Egito para nos conduzir a este terrível lugar? É lugar impróprio para semeadura, sem figueiras, nem vinhas, nem romãzeiras e até mesmo sem água para beber!” 6Moisés e Aarão deixaram a assembléia e vieram à entrada da Tenda da Reunião. Prostraram-se com a face em terra, e apareceu-lhes a glória de Iahweh. 7Iahweh falou a Moisés e disse: 8“Toma a vara e reúne a comunidade, tu e teu irmão Aarão. Em seguida e sob os olhos deles, dize a este rochedo que dê as suas águas. Farás, pois, jorrar água deste rochedo,  darás de beber à comunidade e aos seus animais.” 9Moisés tomou a vara de diante de Iahweh, como lhe havia ordenado. 10Moisés e Aarão reuniram a assembléia diante do rochedo, e em seguida ele lhes disse: “Ouvi, agora, rebeldes. Faremos nós jorrar água, para vós, deste rochedo?” 11Moisés levantou a mão e com a vara feriu o rochedo por duas vezes: a água jorrou abundantemente, e a comunidade e os seus animais puderam beber.

Castigo de Moisés e de Aarão12Então Iahweh disse a Moisés e a Aarão: “Visto que não crestes em mim, de modo a me santificardes aos olhos dos filhos de Israel, não fareis entrar esta assembléia na terra que lhe dei.” 13Estas são as águas de Meriba, onde os filhos de Israel contenderam com Iahweh e onde manifestou-lhes a sua santidade.

Edom recusa passagem14 Moisés enviou de Cades mensageiros: “Ao rei de Edom. Assim fala teu irmão Israel. Tu mesmo sabes quantas tribulações nos têm advindo. 15Nossos pais desceram ao Egito onde habitamos por muito tempo. Os egípcios, contudo, nos maltrataram, bem como a nossos pais. 16Clamamos a Iahweh. Ele ouviu a nossa voz e enviou o anjo que nos tirou do Egito. Eis que agora estamos em Cades, cidade que está nos confins do teu território. 17Queremos, se isto te apraz, atravessar a tua terra. Não atravessaremos os campos, nem as vinhas; não beberemos água dos poços; seguiremos a estrada real, sem nos desviarmos para a direita ou para a esquerda, até que atravessemos o teu território.” 18Respondeu-lhe Edom: “Não passarás por mim, pois do contrário marcharei armado ao leu encontro.” 19Disseram-lhe os filhos de Israel: “Seguiremos a estrada batida; se bebermos da tua água, eu e os meus animais, pagar-te-ei o preço. Hasta que me deixes passar a pé.” 20Respondeu Edom: “Não passarás”, o Edom marchou ao seu encontro, com muita gente e grande força. 21Tendo assim Edom recusado a Israel a passagem pelo seu território, desviou-se dele Israel.

Morte de Aarão22Partiram de Cades, e os filhos de Israel, toda a comunidade, chegaram à montanha de Hor. 23Iahweh falou a Moisés e a Aarão, na montanha de Hor, na fronteira da terra de Edom. Disse-lhes: 24“Aarão reunir-se-á aos seus: não entrará na terra que darei aos filhos de Israel, visto que fostes rebeldes à minha voz, nas águas de Meriba. 25Toma a Aarão e Eleazar, seu filho, e faze-os subir à montanha de Hor. 26Então despirás a Aarão das suas vestes e as porás em Eleazar, seu filho, e Aarão se reunirá aos seus: é ali que ele deve morrer.” 27Moisés fez o que Iahweh havia ordenado. Diante dos olhos de toda a comunidade, subiram à montanha de Hor. 28Moisés despiu a Aarão das suas vestes e as vestiu em Eleazar, seu filho; e lá morreu Aarão, no cume do monte. E Moisés e Eleazar desceram da montanha. 29Toda a comunidade viu que Aarão havia expirado e toda a casa de Israel chorou Aarão durante trinta dias.

21 Tomada de Horma1O rei de Arad, o cananeu, que habitava o Negueb, soube que Israel vinha pelo caminho de Atarim. Atacou a Israel e fez prisioneiros dentre eles. 2Israel fez então o seguinte voto a Iahweh: “Se entregares este povo em meu poder, consagrarei suas cidades ao anátema.” 3Iahweh ouviu a voz de Israel e entregou os cananeus em seu poder. Consagraram-nos ao anátema, eles e suas cidades. Deu-se a este lugar o nome de Horma.

A serpente de bronze4Então, partiram da montanha de Hor pelo caminho do mar de Suf, para contornarem a terra de Edom. No caminho o povo perdeu a paciência. 5Falou contra Deus e contra Moisés: “Por que nos fizestes subir do Egito para morrermos neste deserto? Pois não há nem pão, nem água; estamos enfastiados deste alimento de penúria.” 6Então Iahweh enviou contra o povo serpentes abrasadoras, cuja mordedura fez perecer muita gente em Israel. 7Veio o povo dizer a Moisés: “Pecamos ao falarmos contra Iahweh e contra ti. Intercede junto de Iahweh para que afaste de nós estas serpentes.” Moisés intercedeu pelo povo 8e Iahweh respondeu-lhe: “Faze uma serpente abrasadora e coloca-a em uma haste. Todo aquele que for mordido e a contemplar viverá.” 9Moisés, portanto, fez uma serpente de bronze e a colocou em uma haste; se alguém era mordido por uma serpente, contemplava a serpente de bronze e vivia.

Etapas em direção à Transjordânia10Partiram os filhos de Israel e acamparam em Obot. 11Depois partiram de Obot e acamparam em Jeabarim, no deserto que faz limite com Moab, do lado do sol levante. 12Partiram dali e acamparam na torrente de Zared. 13E dali partiram e acamparam no outro lado do Arnon. Esta torrente saía da terra dos amorreus, no deserto. Porque o Arnon estava na fronteira de Moab, entre os moabitas e os amorreus. 14Por isso se diz no livro das Guerras de Iahweh: …Vaeb, junto de Sufa, e a torrente de Arnon 15e o declive da ravina que se inclina em direção à sede de Ar e se encosta na fronteira de Moab. 16Dali partiram para Beer. — Foi a respeito deste poço que Iahweh disse a Moisés: “Reúne o povo e dar-lhe-ei água.” 17Então Israel cantou este cântico: A respeito do Poço. Entoai-lhe cânticos. 18O Poço cavado pelos príncipes, que foi perfurado pelos chefes do povo, com o cetro, com seus bastões. — e do deserto para Matana,19de Matana para Naaliel, de Naaliel para Bamot, 20e de Bamot para o vale que se abre para os campos de Moab, em direção às alturas do Fasga, que fica diante do deserto e o domina.

Conquista da Transjordânia21 Israel enviou mensageiros a Seon, rei dos amorreus, a fim de dizer-lhe: 22“Desejo atravessar a tua terra. Não nos desviaremos pelos campos nem pelas vinhas; não beberemos a água dos poços; seguiremos a estrada real, até que tenhamos atravessado o teu território.” 23Seon, contudo, não deixou Israel atravessar a sua terra. Reuniu todo o seu povo, marchou pelo deserto ao encontro de Israel, e chegou a Jasa, onde pelejou contra Israel. 24Israel, porém, o feriu a golpes de espada e conquistou a sua terra, desde o Arnon até o Jaboc, até aos filhos de Amon, pois Jazer se encontrava na fronteira amonita. 25Israel tomou todas essas cidades. Ocupou todas as cidades dos amorreus, Hesebon e todos os seus arredores. 26Hesebon era, com efeito, a capital de Seon, rei dos amorreus. Foi Seon que fez guerra ao primeiro rei de Moab e lhe tomou toda a sua terra até o Arnon. 27Por isso dizem os poetas:Vinde a Hesebon, seja ela reconstruída, seja restabelecida a cidade de Seon! 28Um fogo saiu de Hesebon, uma chama da cidade de Seon, e devorou Ar Moab, consumiu’ as alturas do Arnon. 29Ai de ti, Moab! Estás perdido, povo de Camos! Fez dos seus filhos fugitivos e das suas filhas cativas de Seon, rei dos amorreus. 30A sua posteridade foi destruída desde Hesebon até Dibon, e destruímos pelo fogo desde Nofe até Medaba. 31Estabeleceu-se Israel na terra dos amorreus. 32E Moisés enviou exploradores a Jazer, e Israel a tomou, bem como os seus arredores; e desalojaram os amorreus que ali habitavam. 33Depois tomaram a direção de Basã e nele subiram. O rei de Basã, Og marchou ao encontro deles com todo o seu povo, a fim de dar-lhes combate em Edrai.34Iahweh disse a Moisés: “Não o temas, pois o entreguei em teu poder, ele, o seu povo e a sua terra. Tratá-lo-ás como trataste Seon rei dos amorreus, que habitava em Hesebon.” 35Derrotaram-no, a ele, a seus filhos e a seu povo, sem que ninguém escapasse. E tomaram posse da sua terra.

22 1Depois os filhos de Israel partiram e acamparam nas estepes de Moab, além do Jordão, a caminho de Jericó.

O rei de Moab recorre a Balaão2Balac, filho de Sefor, viu tudo o que Israel fizera aos amorreus; 3Moab tomou-se de pânico diante deste povo, pois era muito numeroso. Moab teve pavor dos filhos de Israel; 4ele disse aos anciãos de Madiã: “Eis esta multidão, que devora tudo ao redor de nós, como um boi devora a erva do campo.” Balac, filho de Sefor, era rei de Moab naquele tempo. 5Mandou mensageiros para chamar Balaão, filho de Beor, em Petor, que está junto ao Rio, na terra dos filhos de Amaú. Disse-lhes: “Eis que o povo que saiu do Egito cobriu toda a terra; estabeleceu-se diante de mim. 6Vem, pois, eu te suplico, e amaldiçoa por mim este povo, pois é mais poderoso do que eu. Assim poderemos derrotá-lo e expulsá-lo da terra. Pois eu o sei: aquele que tu abençoas é abençoado, aquele a quem tu amaldiçoas é maldito.” 7Os anciãos de Moab e os anciãos de Madiã partiram, levando nas mãos o preço do augúrio. Chegaram a Balaão e lhe transmitiram as palavras de Balac. 8E ele lhes disse: “Ficai aqui esta noite e eu vos responderei segundo o que Iahweh me disser.” E os príncipes de Moab permaneceram com Balaão. 9Veio Deus a Balaão e lhe disse: “Quem são esses homens que estão contigo?” 10Balaão respondeu a Deus: “Balac, filho de Sefor, rei de Moab, mandou-me dizer isto: 11Eis que o povo que saiu do Egito cobriu toda a terra. Vem, pois, amaldiçoá-lo por mim; assim poderei combatê-lo expulsá-lo.” 12Deus disse a Balaão: “Não irás com eles. Não amaldiçoarás este povo, pois é bendito.” 13Levantou-se Balaão, de manhã, e disse aos príncipes enviados por Balac: “Tornai à vossa terra, pois Iahweh recusa deixar-me ir convosco.” 14Levantaram-se os príncipes de Moab e voltaram para Balac e lhe disseram: “Balaão recusou-se a vir conosco.” 15Balac enviou de novo outros príncipes, em maior número e mais importantes do que os primeiros. 16Foram ter com Balaão e lhe disseram: “Assim falou Balac, filho de Sefor: Eu te suplico, não recuses vir ter comigo. 17Pois te concederei grandes honrarias, e tudo o que me disseres eu farei. Portanto, vem e amaldiçoa por mim este povo.” 18Balaão deu aos enviados de Balac esta resposta: “Ainda que Balac me desse a sua casa cheia de prata e de ouro, eu não poderia transgredir a ordem de Iahweh, meu Deus, em coisa alguma, pequena ou grande. 19Agora, ficai aqui esta noite, vós também, e ficarei sabendo o que Iahweh poderá me dizer ainda.” 20Veio Deus a Balaão durante a noite e lhe disse: “Não vieram essas pessoas para te chamar? Levanta-te e vai com eles. Contudo, não farás senão aquilo que eu te disser.” 21Levantou-se Balaão, de manhã, selou a sua jumenta e partiu com os príncipes de Moab.

A jumenta de Balaão22A sua partida excitou a ira de Iahweh e o Anjo de Iahweh se colocou na estrada, para barrar-lhe a passagem. Ele montava a sua jumenta, e os seus dois servos o acompanhavam. 23 A jumenta viu o Anjo de Iahweh parado na estrada, com a sua espada desembainhada na mão; desviou-se da estrada, em direção ao campo. Balaão, contudo, espancou a jumenta para fazê-la voltar à estrada. 24O Anjo de Iahweh se pôs então em um caminho estreito, no meio das vinhas, com um muro à direita e outro muro à esquerda. 25A jumenta viu o Anjo de Iahweh e encostou-se ao muro, apertando neste o pé de Balaão. Ele tornou a espancá-la outra vez. 26O Anjo de Iahweh mudou de lugar e se colocou em uma passagem apertada, onde não havia espaço para passar nem à direita nem à esquerda. 27Quando a jumenta viu o Anjo de Iahweh, caiu debaixo de Balaão. Balaão ficou enfurecido e espancou a jumenta a golpes de bordão. 28Então Iahweh abriu a boca da jumenta e ela disse a Balaão: “Que te fiz eu, para me teres espancado já por três vezes?” 29Balaão respondeu à pimenta: “É porque zombaste de mim! Se eu tivesse uma espada na mão já te haveria matado.” 30Disse a jumenta a Balaão: “Não sou eu a tua jumenta, que te serve de montaria toda a vida e até o dia de hoje? Tenho o costume de agir assim contigo?” Respondeu ele: “Não.” 31Então Iahweh abriu os olhos de Balaão. E viu o Anjo de Iahweh parado na estrada, tendo a sua espada desembainhada na mão. Inclinou-se e se prostrou com a face em terra. 32Disse-lhe o Anjo de Iahweh: “Por que espancaste assim a tua jumenta, já por três vezes? Sou eu que vim barrar-te a passagem; pois com a minha presença o caminho não pode prosseguir. 33A jumenta me viu e, devido à minha presença, ela se desviou por três vezes. Foi bom para ti que ela se desviasse, pois senão já te haveria matado. A ela, contudo, teria deixado com vida.” 34Balaão respondeu ao Anjo de Iahweh: “Pequei. Não sabia que tu estavas parado diante de mim, no caminho. Agora, se isto não te agrada, voltarei.” 35O Anjo de Iahweh respondeu a Balaão: ‘Vai com esses homens. Somente não digas coisa alguma além daquilo que eu te mandar dizer.” Balaão foi com os príncipes enviados por Balac.

Balaão e Balac36Balac soube que Balaão vinha e saiu ao seu encontro, na direção de Ar Moab, na fronteira do Arnon, na extremidade do território. 37Balac disse a Balaão: “Porventura não enviei mensageiros para chamar-te? Por que não vieste a mim? Na verdade, não estou eu em condições de honrar-te?” 38Balaão respondeu a Balac: “Eis-me aqui, junto de ti. Poderei eu agora dizer alguma coisa? A palavra que Deus puser na minha boca, eu a direi.” 39Balaão partiu com Balac. E chegaram a Cariat-Husot. 40Balac imolou animais grandes e pequenos e ofereceu parte deles a Balaão e aos príncipes que o acompanhavam.41Depois, ao amanhecer, Balac tomou Balaão e o fez subir a Bamot-Baal, de onde pôde ver a extremidade do acampamento.

23 1Balaão disse a Balac: “Edifica-me aqui sete altares e prepara-me sete novilhos e sete carneiros.” 2Balac fez conforme lhe havia dito Balaão e ofereceu em holocausto um novilho e um carneiro sobre cada altar. 3Então Balaão disse a Balac: “Permanece de pé junto dos teus holocaustos, enquanto eu me retiro. Talvez Iahweh me permita encontrá-lo. Aquilo que me fizer ver, revelar-te-ei.” E foi-se para uma colina desnuda.

Oráculos de Balaão4Ora, Deus veio ao encontro de Balaão, que disse a Deus: “Preparei sete altares e ofereci em holocausto um novilho e um carneiro sobre cada altar.” 5Iahweh então pôs em sua boca uma palavra e disse: “Volta para junto de Balac e assim lhe falarás.” 6Balaão voltou, portanto, para junto dele; e o encontrou ainda de pé junto do seu holocausto, com todos os príncipes de Moab. 7E pronunciou o seu poema:” “Balac me fez vir de Aram, o rei de Moab, dos montes de Quedem: ‘Vem, amaldiçoa por mim Jacó, vem, fulmina contra Israel.’ 8Como amaldiçoaria eu, quando Deus não amaldiçoa? Como fulminaria eu, quando Deus não fulmina? 9Sim, do cume do rochedo eu o vejo, do alto das colinas eu o contemplo. Eis um povo que habita à parte, e não é classificado entre as nações.10Quem poderia contar o pó de Jacó? Quem poderia enumerar a nuvem de Israel? Que morra eu a morte dos justos! Que seja o meu fim como o deles!” 11Balac disse a Balão: “Que me fizeste! Eu te chamei para amaldiçoar os meus inimigos e tu pronuncias bênçãos sobre eles!” 12Balaão respondeu: “Não devo eu tomar cuidado de dizer apenas aquilo que Iahweh me põe na boca?” 13Balac lhe disse: “Vem, pois, comigo a outro lugar. Este povo que vês daqui, não vês dele senão uma parte, não o vês de modo completo. Amaldiçoa-o por mim lá adiante.” 14Levou-o ao Campo das Sentinelas, em direção do cume do Fasga. Construiu ali sete altares e ofereceu em holocausto um novilho e um carneiro sobre cada altar. 15Balaão disse a Balac: “Permanece de pé junto dos teus holocaustos, enquanto irei aguardar.” 16Deus veio ao encontro de Balaão e pôs em sua boca uma palavra e disse: “Volta para junto de Balac e assim lhe falarás.” 17Voltou então para junto de Balac; encontrou-o ainda de pé junto dos seus holocaustos, com todos os príncipes de Moab. “Que disse Iahweh?”, perguntou-lhe Balac. 18E Balaão pronunciou o seu poema: “Levanta-te, Balac, e escuta, inclina o teu ouvido, filho de Sefor. 19Deus não é homem, para que minta, nem filho de Adão, para que se retrate. Por acaso ele diz e não o faz, fala e não realiza? 20Recebi a ordem de abençoar, abençoarei e não o revogarei. 21Eu não encontrei iniqüidade em Jacó, nem vi tribulação em Israel. Iahweh, seu Deus, está com ele; no meio dele ressoa a aclamação real. 22Deus o fez sair do Egito, e é para ele como os chifres do búfalo. 23Pois não há presságio contra Jacó nem augúrio contra Israel. Então, agora que se diz a Jacó e a Israel: ‘Que faz, pois, Deus?’ 24eis que um povo se levanta como uma leoa, e se levanta como um leão: não se deita até que tenha devorado sua presa e bebido o sangue daqueles que matou.” 25Balac disse a Balaão: “Não o amaldiçoas, que assim seja! Pelo menos não o abençoes!” 26Balaão respondeu a Balac: “Não te havia eu dito: Tudo o que Iahweh disser, eu o farei?” 27Balac disse a Balaão: “Vem, pois, e eu te levarei a outro lugar. E de lá talvez Deus se agrade que o amaldiçoes.” 28Balac conduziu Balaão ao cume do Fegor, que se volta para o deserto. 29Balaão disse então a Balac: “Edifica-me aqui sete altares e prepara-me sete novilhos e sete carneiros.” 30Balac fez conforme Balaão lhe disse e ofereceu em holocausto um novilho e um carneiro sobre cada altar.

24 1Balaão percebeu então que Iahweh se comprazia em abençoar Israel. Não foi, como as outras vezes, em busca de presságios, mas voltou a face para o deserto. 2Levantando os olhos, Balaão viu Israel acampado segundo suas tribos; o espírito de Deus veio sobre ele 3e ele pronunciou seu poema. Disse: “Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem de olhar penetrante, 4oráculo daquele que ouve as palavras de Deus. Ele vê aquilo que Shaddai faz ver, obtém a resposta divina e os seus olhos se abrem.5Como são formosas as tuas tendas, ó Jacó! e as tuas moradas, ó Israel! 6Como vales que se estendem, como jardins ao lado de um rio, como aloés que Iahweh plantou, como cedros junto às águas! 7Um herói surge na sua descendência, e domina sobre muitos povos. Seu rei é maior que Agag, seu reinado se exalta. 8Deus o tirou do Egito, e é para ele como os chifres do búfalo. Devora o cadáver dos seus adversários o quebra os seus ossos. 9Agacha-se e deita-se, como um leão, como uma leoa: quem o fará levantar-se? Bendito seja aquele que te abençoar, e maldito aquele que te amaldiçoar!” 10Balac se encolerizou contra Balaão. Bateu palmas e disse a Balaão: “Chamei-te para amaldiçoares os meus inimigos e eis que tu os abençoas e já por três vezes! 11E agora foge e vai para o teu lugar. Disse que te cobriria de honras. Contudo, Iahweh te privou delas.” 12Balaão respondeu a Balac: “Não disse eu aos teus mensageiros: 13‘Ainda que Balac me desse a sua casa cheia de prata e de ouro, eu não poderia transgredir a ordem de Iahweh e fazer por mim mesmo bem ou mal; aquilo que Iahweh disser, isso eu direi’? 14Agora que eu parto para os meus, vem e eu te comunicarei o que este povo fará a teu povo, no futuro.” 15Então pronunciou o seu poema. Disse: “Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem de visão penetrante, 16oráculo daquele que ouve as palavras de Deus, daquele que conhece a ciência do Altíssimo. Ele vê aquilo que Shaddai faz ver, alcança a resposta divina e os seus olhos se abrem. 17Eu o vejo — mas não agora, eu o contemplo — mas não de perto: Um astro procedente de Jacó se torna chefe, um cetro se levanta, procedente de Israel. E esmaga as têmporas de Moab e o crânio de todos os filhos de Set. 18Edom se torna uma possessão; e possessão, também, Seir. Israel manifesta o seu poder, 19Jacó domina sobre seus inimigos e faz perecer os restantes de Ar.” 20Balaão viu Amalec e pronunciou o seu poema. Disse: “Amalec: primícias das nações! Contudo a sua posteridade perecerá para sempre.” 21Depois viu os quenitas e pronunciou o seu poema. Disse: “A tua morada está segura, Caim, e o teu ninho” firme sobre o rochedo. 22Contudo, o ninho pertence a Beor; até quando serás cativo de Assur?” 23Em seguida pronunciou o seu poema. Disse: “Os povos do Mar se reúnem ao norte, 24navios do lado de Cetim. Oprimem Assur e oprimem Héber, e ele mesmo perecerá para sempre.” 25Depois Balaão se levantou, partiu e voltou para os seus. Balac também seguiu o seu caminho.

25 Israel em Fegor1Israel estabeleceu-se em Setim. O povo se entregou à prostituição com as filhas de Moab. 2Estas convidaram o povo para o sacrifício dos seus deuses; o povo comeu e prostrou-se diante dos seus deuses. 3Estando Israel assim ligado com o Baal de Fegor, a ira de Iahweh se inflamou contra Israel. 4Iahweh disse a Moisés: “Toma todos os chefes do povo. Empala-os em face do sol, para Iahweh: então a ira ardente de Iahweh se afastará de Israel.” 5Moisés disse aos juízes de Israel: “Mate cada um aquele dos seus homens que se ligaram ao Baal de Fegor.” 6Eis que chegou um homem dos filhos de Israel, trazendo para junto de seus irmãos esta madianita, sob os próprios olhos de Moisés e de toda a comunidade dos filhos de Israel, que choravam à entrada da Tenda da Reunião. 7Vendo isso, Finéias, filho de Eleazar, filho de Aarão, o sacerdote, levantou-se do meio da comunidade, tomou uma lança, 8seguiu o filho de Israel até à alcova e lá transpassou-o, pelo ventre, juntamente com a mulher. E a praga que feria os filhos de Israel cessou. 9E morreram dentre eles vinte e quatro mil, devido à praga. 10Iahweh falou a Moisés e disse: 11“Finéias, filho de Eleazar, filho de Varão, o sacerdote, fez cessar a minha ira contra os filhos de Israel, porque, entre eles, foi possuído do mesmo zelo que eu, por isso, no meu zelo não destruí os filhos de Israel. 12Por essa razão eu afirmo: Dou-lhe a minha aliança de paz. 13Será para ele e para sua descendência depois dele uma aliança que lhe garantirá o sacerdócio perpétuo. Em recompensa do seu zelo pelo seu Deus, poderá realizar o rito de expiações pelos filhos de Israel.” 14O filho de Israel morto (foi morto com a madianita) se chamava Zambri, filho de Saiu, príncipe de uma casa patriarcal de Simeão. 15A mulher, a madianita que foi morta, se chamava Cozbi, filha de Sur, que era chefe de um clã, de uma casa patriarcal, em Madiã. 16Iahweh falou a Moisés e disse: 17“Assaltai os madianitas e feri-os. 18Pois foram eles que vos assaltaram, por seus artifícios contra vós, no caso de Fegor, e no problema de Cozbi, irmã deles, filha de um príncipe de Madiã, aquela que foi morta no dia da praga surgida devido ao problema de Fegor.”

VIII. Novas disposições

26 O recenseamento 19Depois dessa praga, 1Iahweh falou a Moisés e a Eleazar, filho de Aarão, o sacerdote. Disse: 2“Fazei o recenseamento de toda a comunidade dos filhos de Israel, segundo suas casas patriarcais: todos aqueles que têm de vinte anos para cima, aptos para o serviço militar em Israel.” 3Portanto, Moisés e Eleazar, o sacerdote, os recensearam, nas estepes de Moab, junto do Jordão, em direção a Jericó. 4(Conforme Iahweh ordenou a Moisés e aos filhos de Israel, quando saíram da terra do Egito.) Homens de vinte anos para cima: 5Rúben, primogênito de Israel. Os filhos de Rúben: de Henoc, o clã henoquita; de Falu, o clã faluíta; 6de Hesron, o clã hesronita; de Carmi, o clã carmita. 7Esses eram os clãs rubenitas. Formavam o total de quarenta e três mil e setecentos e trinta recenseados. 8Os filhos de Falu: Eliab. 9Os filhos de Eliab: Namuel, Datã e Abiram. Estes são Datã e Abiram, homens de destaque na comunidade, que se sublevaram contra Moisés e Aarão; estavam na companhia de Coré quando este se sublevou contra Iahweh. 10A terra abriu a boca e os devorou (assim como Coré, pereceu igualmente este grupo), quando o fogo consumiu os duzentos e cinqüenta homens. Foram eles um sinal. 11Os filhos de Coré, contudo, não pereceram. 12Os filhos de Simeão, segundo os seus clãs: de Namuel, o clã nanmuelita; de Jamin, o clã jaminita; de Jaquin, o clã jaquinita; 13de Zara, o clã zaraíta; de Saul, o clã saulita. 14Esses, eram os clãs simeonitas. Formavam o total de vinte e dois mil e duzentos recenseados. 15 Os filhos de Gad, segundo seus clãs: de Sefon, o clã sefonita; de Agi, o clã agita; de Suni, o clã sunita; 16de Ozni, o clã oznita; de Heri, o clã herita; 17de Arod, o clã arodita; de Areli, o clã arelita. 18Esses eram os clãs dos filhos de Gad. Formavam o total de quarenta mil e quinhentos recenseados. 19Os filhos de Judá: Her e Onã. Her e Onã morreram na terra de Canaã. 20Dos filhos de Judá, saíram os clãs: de Sela, o clã selaíta; de Farés, o clã faresita; de Zaré, o clã zareíta. 21Os filhos de Farés foram: de Hesron, o clã hesronita; de Hamul, o clã hamulita. 22Esses foram os clãs de Judá. Formavam o total de setenta e seis mil e quinhentos recenseados. 23Os filhos de Issacar, segundo seus clãs: de Tola, o clã tolaíta; de Fua, o clã fuaíta; 24de Jasub, o clã jasubita; de Semron, o clã semronita. 25Esses eram os clãs de Issacar. Formavam o total de sessenta e quatro mil e trezentos recenseados. 26Os filhos de Zabulon, segundo seus clãs: de Sared, o clã saredita; de Elon, o clã elonita; de Jalel, o clã jalelita. 27Esses eram os clãs de Zabulon. Formavam o total de sessenta mil e quinhentos recenseados. 28Os filhos de José, segundo seus clãs: Manassés e Efraim. 29Os filhos de Manassés: de Maquir, o clã maquirita; e Maquir gerou a Galaad; de Galaad, o clã galaadita. 30Estes são os filhos de Galaad: de Jezer, o clã jezerita; de Helec, o clã helequita; 31Asriel, o clã asrielita; Siquém, o clã siquemita; 32Semida, o clã semidaíta; Héfer, o clã hefrita. 33Salfaad, filho de Héfer, não teve filhos, mas apenas filhas; estes são os nomes das filhas de Salfaad: Maala, Noa, Hegla, Melca e Tersa. 34Esses eram os clãs de Manassés. Formavam o total de cinqüenta e dois mil e setecentos recenseados. 35Estes são os filhos de Efraim, segundo os seus clãs: de Sutala, o clã sutalaíta; de Bequer, o clã bequerita; de Teen, o clã teenita. 36Estes são os filhos de Sutala: de Herã, o clã heranita. 37Esses eram os clãs de Efraim. Formavam o total de trinta e dois mil e quinhentos recenseados. Esses eram os filhos de José, segundo os seus clãs. 38Os filhos de Benjamim, segundo seus clãs: de Bela, o clã belaíta; de Asbel, o clã asbelita; de Airam, o clã airamita; 39de Sufam, o clã sufamita; de Hufam, o clã hufamita. 40Bela teve os filhos Ared e Naamã: de Ared, o clã aredita; de Naamã, o clã naamanita. 41Esses eram os filhos de Benjamim, segundo os seus clãs. Formavam o total de quarenta e cinco mil e seiscentos recenseados. 42Estes são os filhos de Dã, segundo seus clãs: de Suam, o clã suamita. Esses eram os filhos de Dã, segundo os seus clãs. 43Todos os clãs suamitas formavam o total de sessenta e quatro mil e quatrocentos recenseados. 44Os filhos de Aser, segundo os seus clãs: de Jemna, o clã jemnaíta; de Jessui, o clã jessuíta; de Beria, o clã beriaíta. 45Dos filhos de Beria: de Heber, o clã heberita; de Melquiel, o clã melquielita. 46O nome da filha de Aser era Sara. 47Esses eram os clãs dos filhos de Aser. Formavam o total de cinqüenta e três mil e quatrocentos recenseados. 48Os filhos de Neftali, segundo os seus clãs: de Jasiel, o clã jasielita; de Guni, o clã gunita; 49de Jeser, o clã jeserita; de Selém, o clã selemita. 50Esses eram os clãs de Neftali, repartidos segundo seus clãs. Os filhos de Neftali formavam o total de quarenta e cinco mil e quatrocentos recenseados. 51Os filhos de Israel eram, portanto, seiscentos e um mil, setecentos e trinta recenseados. 52Iahweh falou a Moisés e disse: 53“A estes a terra será distribuída em herança, segundo o número dos inscritos. 54Àquele que tem um número maior tu darás uma propriedade maior e àquele que tem um número menor tu darás uma propriedade menor; a cada um a sua herança, em proporção ao número dos seus recenseados. 55Todavia, a divisão da terra se fará por meio de sortes. Segundo o número dos nomes das tribos patriarcais, se receberá a herança; 56a herança de cada tribo será repartida por sortes, tendo em conta o maior ou menor número.”

Recenseamento dos levitas57Estes são os levitas recenseados, segundo seus clãs: de Gérson, o clã gersonita; de Caat, o clã caatita; de Merari, o clã merarita. 58Estes são os clãs levitas: o clã lobnita, o clã hebronita, o clã moolita, o clã musita, o clã coreíta. Caat gerou Amram. 59 A mulher de Amram se chamava Jocabed, filha de Levi, que lhe nasceu no Egito. Ela gerou para Amram: Aarão, Moisés e Maria, irmã deles. 60Aarão gerou Nadab e Abiú, Eleazar e Itamar. 61Nadab e Abiú morreram quando levaram um fogo irregular perante Iahweh. 62Ao todo foram recenseados vinte e três mil homens, da idade de um mês para cima. Pois não haviam sido recenseados com os filhos de Israel, não tendo recebido herança no meio deles. 63Esses foram os homens que Moisés e Eleazar, o sacerdote, recensearam, sendo que ambos fizeram o recenseamento dos filhos de Israel nas estepes de Moab, junto do Jordão, na direção de Jericó. 64Nenhum deles estava entre aqueles que Moisés e Aarão, o sacerdote, haviam recenseado, ao numerarem os filhos de Israel no deserto do Sinai; 65pois Iahweh dissera a respeito deles: todos estes morrerão no deserto e não ficará nenhum, à exceção de Caleb, filho de Jefoné, e de Josué, filho de Nun.

27 A herança das filhas1Vieram então as filhas de Salfaad. Este era filho de Héfer, filho de Galaad, filho de Maquir, filho de Manassés; era dos clãs de Manassés, filho de José. Estes são os nomes das suas filhas: Maala, Noa, Hegla, Melca e Tersa. 2Apresentaram-se diante de Moisés, diante de Eleazar, o sacerdote, diante dos príncipes e de toda a comunidade, à entrada da Tenda da Reunião, e disseram: 3“Nosso pai morreu no deserto. Não era do grupo que se formou contra Iahweh, do grupo de Coré; morreu pelo seu próprio pecado e sem ter filhos. 4Por que haveria de desaparecer o nome do nosso pai do seu clã? Visto que ele não teve filhos, dai-nos uma propriedade no meio dos irmãos do nosso pai.” 5Moisés levou o caso delas diante de Iahweh 6e Iahweh falou a Moisés Disse: 7“As filhas de Salfaad falaram corretamente. Dar-lhes-ás, portanto, uma propriedade que será a herança delas no meio dos irmãos de seu pai; transmitirás a elas a herança do pai. 8Falarás, então, aos filhos de Israel: Se um homem morrer sem deixar filhos, transmitireis a sua herança à sua filha. 9Se não tiver filha, dareis a sua herança aos seus irmãos. 10Se não tiver irmãos, dareis a sua herança aos irmãos de seu pai. 11Se o seu pai não tiver irmãos, dareis a sua herança àquele do seu clã que é o seu parente mais próximo: este tomará posse. Isso será para os filhos de Israel um estatuto de direito, conforme Iahweh ordenou a Moisés.”

Josué, chefe da comunidade12Iahweh disse a Moisés: “Sobe a esta montanha da cadeia dos Abarim e contempla a terra que dei aos filhos de Israel. 13E tendo-a contemplado, serás reunido aos teus, como Aarão, teu irmão. 14Pois fostes rebeldes no deserto de Sin, quando a comunidade contendeu contra mim e eu vos ordenei que manifestásseis diante dela a minha santidade, pela água.” (Estas são as águas de Meriba de Cades, no deserto de Sin.) 15Moisés falou a Iahweh e disse: 16“Que Iahweh, Deus dos espíritos que animam toda carne, estabeleça sobre esta comunidade um homem 17que saia e entre à frente dela e que a faça sair e entrar, para que a comunidade de Iahweh não seja como um rebanho sem pastor.” 18Iahweh respondeu a Moisés: “Toma a Josué, filho de Nun, homem em quem está o espírito. Tu lhe imporás a mão. 19Depois traze-o para diante de Eleazar, o sacerdote, e de toda a comunidade, e dá-lhe, diante deles, as tuas ordens 20e comunica-lhe uma parte da tua autoridade, a fim de que toda a comunidade dos filhos de Israel lhe obedeça. 21Ele se apresentará diante do sacerdote Eleazar, que consultará por ele segundo o rito do Urim, diante de Iahweh. Sob a sua ordem sairão e entrarão com ele todos os filhos de Israel, toda a comunidade.” 22Moisés fez conforme Iahweh lhe ordenara. Tomou Josué e o trouxe para diante de Eleazar, o sacerdote, e de toda a comunidade; 23impôs-lhe as mãos e transmitiu-lhe as suas ordens, conforme Iahweh dissera por intermédio de Moisés.

28 Especificações sobre os sacrifícios1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Ordena aos filhos de Israel o seguinte: Tereis o cuidado de me trazer no tempo determinado a minha oferenda, o meu manjar, na forma de oferenda queimada de perfume agradável. 3Tu lhes dirás: Estas são as oferendas queimadas que oferecereis a Iahweh:

A. Sacrifícios cotidianos — “Cada dia, dois cordeiros de um ano, perfeitos, como holocausto perpétuo. 4Oferecerás o primeiro cordeiro em holocausto de manhã e oferecerás o segundo em holocausto no crepúsculo, 5com a oblação de um décimo de medida de flor de farinha amassada em um quarto de medida de azeite virgem. 6É o holocausto perpétuo realizado outrora no Monte Sinai, em perfume agradável, uma oferenda queimada a Iahweh. 7A sua libação será de um quarto de medida para cada cordeiro; no santuário será oferecida a libação de bebida fermentada a Iahweh. 8Com o segundo cordeiro farás o holocausto do crepúsculo; farás com a mesma oblação e a mesma libação da manhã, como oferenda queimada em perfume agradável a Iahweh.

B. O sábado 9“No dia do sábado, oferecereis dois cordeiros de um ano, perfeitos, e dois décimos de flor de farinha, em oblação, amassada com azeite, e igualmente a sua libação. 10O holocausto do sábado se unirá cada sábado ao holocausto perpétuo, e de igual modo a sua libação.

C. A neomênia11“No começo dos vossos meses oferecereis um holocausto a Iahweh: dois novilhos, um carneiro e sete cordeiros de um ano, perfeitos. 12Para cada novilho, três décimos de flor de farinha, em oblação, amassada com azeite; para cada carneiro, dois décimos de flor de farinha, em oblação, amassada com azeite; 13para cada cordeiro, um décimo de flor de farinha, em oblação, amassada com azeite. É o holocausto oferecido em perfume agradável, oferenda queimada a Iahweh. 14As libações que o acompanham serão de meia medida de vinho para cada novilho, de um terço de medida para cada carneiro e de um quarto de medida para cada cordeiro. Este será, mês após mês, o holocausto do mês, para todos os meses do ano. 15Além do holocausto perpétuo, será oferecido a Iahweh um bode, em sacrifício pelo pecado, com a sua libação.

D. Os Ázimos16“No primeiro mês, no décimo quarto dia do mês, é a Páscoa de Iahweh, 17e o décimo quinto dia do mesmo mês é dia de festa. Durante sete dias se comerão ázimos. 18No primeiro dia haverá uma assembléia santa. Não fareis nenhuma obra servil. 19Oferecereis a Iahweh oferendas queimadas em holocausto: dois novilhos, um carneiro e sete cordeiros de um ano, perfeitos. 20A sua oblação, em flor de farinha amassada com azeite, será de três décimos por novilho, de dois décimos por carneiro, 21e de um décimo para cada um dos sete cordeiros. 22E um bode em sacrifício pelo pecado, para fazer o rito de expiação por vós. 23Fareis isto, além do holocausto da manhã, oferecido como holocausto perpétuo. 24Assim fareis cada dia, durante sete dias. É um manjar, uma oferenda queimada em perfume agradável a Iahweh; é oferecido além do holocausto perpétuo e da sua libação correspondente. 25No sétimo dia tereis uma assembléia santa; não fareis nenhuma obra servil.

E. A festa das Semanas26“No dia das primícias, quando oferecerdes a Iahweh uma oblação de frutos novos, na vossa festa das Semanas, tereis assembléia santa; não fareis nenhuma obra servil. 27Oferecereis um holocausto, em perfume agradável a Iahweh: dois novilhos, um carneiro e sete cordeiros de um ano, perfeitos. 28A sua oblação, em flor de farinha amassada com azeite, será de três décimos para cada novilho, de dois décimos para cada carneiro 29e de um décimo para cada um dos sete cordeiros. 30E um bode em sacrifício pelo pecado, para fazer por vós o rito de expiação. 31Fareis isso, além do holocausto perpétuo, da sua oblação e das libações correspondentes.

29 F. A festa das Aclamações1“No sétimo mês, no primeiro dia do mês, tereis uma assembléia santa; não fareis nenhuma obra servil. Será para vós o dia das Aclamações. 2Oferecereis em holocausto, em perfume agradável a Iahweh: um novilho, um carneiro, sete cordeiros de um ano, perfeitos. 3A sua oblação, de flor de farinha amassada com azeite, será de três décimos para o novilho, de dois décimos para o carneiro, 4de um décimo para cada um dos sete cordeiros. 5E um bode em sacrifício pelo pecado, para se fazer por vós o rito de expiação. 6Isso além do holocausto mensal e da sua oblação, do holocausto perpétuo e da sua oblação, e das suas libações correspondentes, segundo o estatuto, em perfume agradável, como oferenda queimada a Iahweh.

G. O dia das Expiações7“No décimo dia do sétimo mês, tereis uma assembléia santa. Jejuareis e não fareis trabalho algum. 8Oferecereis um holocausto a Iahweh, em perfume agradável: um novilho, um carneiro e sete cordeiros de um ano, que escolhereis dentre aqueles que são perfeitos. 9A sua oblação, em flor de farinha amassada com azeite, será de três décimos para o novilho, de dois décimos para o carneiro 10e de um décimo para cada um dos sete cordeiros. 11Será oferecido um bode em sacrifício pelo pecado. Isso além da vítima pelo pecado da festa das Expiações, do holocausto perpétuo e da sua oblação, e das suas libações correspondentes.

H. A festa das Tendas12“No décimo quinto dia do sétimo mês, tereis uma assembléia santa: não fareis nenhuma obra servil e durante sete dias celebrareis festa a Iahweh. 13Oferecereis um holocausto, oferenda queimada em perfume agradável a Iahweh: treze novilhos, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, perfeitos. 14As suas oblações, em flor de farinha amassada com azeite, serão de três décimos para cada um dos treze novilhos, de dois décimos para cada um dos dois carneiros 15e de um décimo para cada um dos catorze cordeiros. 16Acrescentar-se-á um bode em sacrifício pelo pecado. Isso além do holocausto perpétuo, da sua oblação e da sua libação. 17No segundo dia: doze novilhos, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, perfeitos; 18a oblação e as libações correspondentes, feitas de acordo com o estatuto, segundo o número dos novilhos, dos carneiros e dos cordeiros; 19e um bode para o sacrifício pelo pecado; isso além do holocausto perpétuo, da sua oblação e das suas libações. 20No terceiro dia: onze novilhos, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, perfeitos; 21a oblação e as libações correspondentes, feitas de acordo com o estatuto, segundo o número dos novilhos, dos carneiros e dos cordeiros; 22e um bode para o sacrifício pelo pecado; isso além do holocausto perpétuo, da sua oblação e da sua libação. 23No quarto dia: dez novilhos, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, perfeitos; 24a oblação e as libações correspondentes, feitas de acordo com o estatuto, segundo o número dos novilhos, dos carneiros e dos cordeiros; 25e um bode para o sacrifício pelo pecado; isso além do holocausto perpétuo, da sua oblação e da sua libação. 26No quinto dia: nove novilhos, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, perfeitos; 27as oblações e libações correspondentes, feitas de acordo com o estatuto, segundo o número dos novilhos, dos carneiros e dos e ordeiros; 28e um bode para o sacrifício pelo pecado; isso além do holocausto perpétuo, da sua oblação e da sua libação. 29No sexto dia: oito novilhos, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, perfeitos; 30a oblação e as libações correspondentes, feitas de acordo com o estatuto, segundo o número dos novilhos, dos carneiros e dos cordeiros; 31e um bode para o sacrifício pelo pecado; isso além do holocausto perpétuo, da sua oblação e das suas libações. 32No sétimo dia: sete novilhos, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, perfeitos; 33as oblações e libações correspondentes, feitas de acordo com o estatuto, segundo o número dos novilhos, dos carneiros e dos cordeiros; 34e um bode para o sacrifício pelo pecado; isso além do holocausto perpétuo, da sua oblação e da sua libação. 35No oitavo dia, tereis assembléia. Não fareis nenhuma obra servil. 36Oferecereis um holocausto de oferenda queimada, em perfume agradável a Iahweh: um novilho, um carneiro e sete cordeiros de um ano, perfeitos; 37a oblação e as libações correspondentes, feitas de acordo com o estatuto, segundo o número dos novilhos, dos carneiros e dos cordeiros; 38e um bode para o sacrifício pelo pecado; isso além do holocausto perpétuo, da sua oblação e da sua libação. 39Isso é o que oferecereis a Iahweh, nas vossas solenidades, além das vossas oferendas votivas e das vossas oferendas voluntárias, dos vossos holocaustos, oblações e libações, e dos vossos sacrifícios de comunhão.”

301Moisés falou aos filhos de Israel, de acordo com tudo o que Iahweh lhe ordenara.

Leis sobre os votos2Falou então Moisés aos chefes de tribo dos filhos de Israel. Disse: “Eis aqui o que Iahweh ordenou. 3Se um homem fizer um voto a Iahweh ou se obrigar por juramento a uma promessa formal, não violará a sua palavra: tudo aquilo que sair da sua boca, executará. 4Se uma mulher fizer um voto a Iahweh ou se obrigar a uma promessa formal, ainda que jovem e morando na casa de seu pai, 5e se este, conhecendo o seu voto ou a promessa que fez, nada lhe disser, o seu voto, qualquer que seja, será válido. 6Porém, se o seu pai, no dia em que tomou conhecimento, fez oposição à promessa, nenhum dos votos e das promessas que ela fez será válido. Iahweh não a tratará com rigor, porque o seu pai fez oposição. 7Se está comprometida por votos ou por uma promessa que saiu irrefletidamente da sua boca e se casa, 8e se o seu marido, ao tomar conhecimento, nada lhe disser no dia em que é informado, os seus votos serão válidos e as promessas que fez serão válidas. 9Contudo, se no dia em que tomar conhecimento, o seu marido lhe fizer oposição, é nulo o voto que ela fez ou a promessa que a obriga, saída irrefletidamente de sua boca. Iahweh não a tratará com rigor. 10O voto de uma mulher viúva ou repudiada e todas as promessas que fizer serão válidos para ela. 11Se foi na casa de seu marido que fez um voto ou se obrigou a uma promessa por juramento, 12e se o seu marido, sabendo do fato, nada lhe disser e não lhe fizer oposição, o seu voto, qualquer que seja, será válido e a promessa que fez, qualquer que seja, será válida. 13Porém, se o seu mu rido, sabendo dos votos, os anula no dia em que é informado a respeito deles, nada é válido de tudo quanto saiu da sua boca, votos ou promessas Visto que o seu marido os tornou nulos, Iahweh não a tratará com rigor, 14Todo voto e todo juramento que obriga a mulher pode ser confirmado ou anulado pelo seu marido. 15Contudo, se o seu marido nada lhe diz até o dia seguinte, torna válido o seu voto, qualquer que seja, ou a sua promessa qualquer que seja. Ele os torna válidos, no dia em que é informado e nada lhe diz a respeito deles. 16Mas se ele, informado, os anular mais tarde, levará o peso da falta que era da responsabilidade da sua mulher.” 17Esses são os estatutos que Iahweh prescreveu a Moisés, naquilo que se refere à relação entre um homem e sua mulher e um pai e sua filha que, ainda jovem, mora na casa de seu pai.

IX. Despojos de guerra e partilha

31 Guerra santa contra Madiã1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Vinga os filhos de Israel nos madianitas. Em seguida reunir-te-ás aos teus.” 3Falou, pois, Moisés ao povo: “Armem-se alguns dentre vós para a guerra de Iahweh contra Madiã, a fim de pagar a Madiã o preço da vingança de Iahweh. 4Enviareis à guerra mil homens de cada uma das tribos de Israel.” 5Os milhares de Israel forneceram, à razão de mil por tribo, doze mil homens armados para a guerra. 6Moisés enviou-os à guerra, mil de cada tribo, e juntou-se a eles Finéias, filho de Eleazar, o sacerdote, que levava os objetos sagrados e as trombetas para a aclamação. 7Fizeram a guerra contra Madiã, conforme Iahweh ordenara a Moisés, e mataram todos os varões. 8Mataram ainda os reis de Madiã, Evi, Recém, Sur, Hur e Rebe, cinco reis madianitas; também passaram ao fio da espada Balaão, filho de Beor. 9Os filhos de Israel levaram cativas as mulheres dos madianitas com as suas crianças, e tomaram todo o seu gado, todos os seus rebanhos e todos os seus bens. 10Queimaram as cidades em que habitavam, bem como todos os seus acampamentos. 11Em seguida tomaram todos os despojos, tudo que haviam capturado, animais e homens, 12trouxeram cativos, presa e despojos a Moisés, a Eleazar, o sacerdote, e a toda a comunidade dos filhos de Israel, no acampamento, nas estepes de Moab, que se encontram junto do Jordão, em direção a Jericó.

Massacre das mulheres e purificação dos despojos de guerra13Moisés, Eleazar, o sacerdote, e todos os príncipes da comunidade saíram do acampamento ao encontro deles. 14Moisés indignou-se contra os comandantes das forças, chefes de milhares e chefes de centenas, que voltavam desta expedição guerreira. 15Disse-lhes: “Por que deixastes com vida todas essas mulheres? 16Foram elas que, por conselho de Balaão, se tornaram para os filhos de Israel a causa de infidelidade a Iahweh, no caso de Fegor: daí a praga que veio sobre toda a comunidade de Iahweh. 17Matai, portanto, todas as crianças do sexo masculino. Matai também todas as mulheres que conheceram varão, coabitando com ele. 18Não conserveis com vida senão as meninas que ainda não coabitaram com homem e elas serão vossas. 19Quanto a vós, acampai durante sete dias fora do acampamento, todos vós que tendes matado alguém ou tocado um cadáver. Purificai-vos, vós e vossos prisioneiros, no terceiro e no sétimo dia; 20purificai também, todas as roupas, todos os objetos de couro, todos os tecidos de pêlo de cabra, todos os objetos de madeira.” 21Eleazar, o sacerdote, disse aos combatentes que voltavam da guerra: “Este é um artigo da Lei que Iahweh ordenou a Moisés. 22Contudo, o ouro, a prata, o bronze, o ferro, o estanho, o chumbo, 23tudo aquilo que resiste ao fogo, o fareis passar pelo fogo e será puro; todavia, será pelas águas lustrais que será purificado. E tudo aquilo que não resiste ao fogo fareis passar pela água. 24Lavareis as vossas vestes no sétimo dia e ficareis puros. Depois, podereis entrar no acampamento.

Divisão dos despojos de guerra25Iahweh falou a Moisés e disse: 26“Com Eleazar, o sacerdote, e os chefes das casas patriarcais da comunidade, faze a contagem dos despojos e dos cativos, tanto dos homens como dos animais. 27Dividirás, pois, os despojos pela metade, entre os combatentes que foram à guerra e o conjunto da comunidade. 28Como tributo para Iahweh cobrarás, sobre a parte dos combatentes que fizeram a guerra, um para cada quinhentos, tanto de pessoas, como de bois, de jumentos e de ovelhas. 29Tomarás isso da metade que lhes pertence, e darás a Eleazar, o sacerdote, como tributo a Iahweh. 30Da metade que pertence aos filhos de Israel tomarás um de cada cinqüenta, tanto de pessoas, como de bois, de jumentos e de ovelhas, de todos os animais, e os darás aos levitas que têm o encargo da Habitação de Iahweh. 31Moisés e Eleazar, o sacerdote, fizeram conforme Iahweh ordenara a Moisés. 32Ora, os despojos, a parte restante das presas que a tropa combatente havia capturado, se elevavam a seiscentas e setenta e cinco mil cabeças de ovelhas, 33setenta e duas mil cabeças de bois, 34sessenta e um mil jumentos, 35e de pessoas, mulheres que não haviam coabitado com homem, trinta e duas mil pessoas ao todo. 36A metade foi atribuída àqueles que fizeram a guerra, isto é, trezentas e trinta e sete mil e quinhentas cabeças de ovelhas, 37das quais o tributo para Iahweh foi de seiscentas e setenta e cinco, 38trinta e seis mil cabeças de bois, das quais setenta e duas foram tributo para Iahweh, 39trinta mil e quinhentos jumentos, dos quais sessenta e um foram tributo para Iahweh, 40e dezesseis mil pessoas, das quais trinta e duas em tributo para Iahweh. 41Moisés deu a Eleazar, o sacerdote, o tributo separado para Iahweh, conforme Iahweh ordenara a Moisés. 42Quanto à outra metade, que pertencia aos filhos de Israel e que Moisés havia separado daquela pertencente aos combatentes, 43esta metade, pertencente à comunidade, se elevava a trezentas e trinta e sete mil e quinhentas cabeças de ovelhas, 44trinta e seis mil cabeças de bois, 45trinta mil e quinhentos jumentos 46e dezesseis mil pessoas. 47Dessa metade, pertencente aos filhos de Israel, tomou Moisés, um de cada cinqüenta, das pessoas e dos animais e os deu aos levitas que tinham o encargo da Habitação de Iahweh, conforme Iahweh ordenara a Moisés.

As oferendas48Os comandantes dos milhares, que haviam feito a guerra, chefes de milhares e chefes de centenas, aproximaram-se de Moisés 49e lhe disseram: “Teus servos fizeram a conta dos homens de guerra que estavam sob as nossas ordens: não falta nenhum deles. 50Portanto, trazemos cada um, em oferenda a Iahweh, aquilo que achamos em objetos de ouro, braceletes, pulseiras, anéis, brincos, colares, para fazer expiação por nós, diante de Iahweh.” 51Moisés e Eleazar, o sacerdote, receberam deles aquele ouro e todos os objetos trabalhados. 52E essa oferenda de ouro que fizeram a Iahweh deu um total de dezesseis mil e setecentos e cinqüenta siclos, oferecida pelos chefes de milhares e chefes de centenas. 53Os homens de guerra tomaram, cada um para si, a sua presa. 54Contudo, Moisés e Eleazar, o sacerdote, receberam o ouro dos chefes de milhares e de centenas e o trouxeram à Tenda da Reunião, para ser um memorial dos filhos de Israel diante de Iahweh.

32 Divisão da Transjordânia1Os filhos de Rúben e os filhos de Gad tinham grandes rebanhos e em grande quantidade. Viram eles que a terra de Jazer e a terra de Galaad eram regiões favoráveis aos rebanhos. 2Os filhos de Gad e os filhos de Rúben aproximaram-se de Moisés, de Eleazar, o sacerdote, e dos príncipes da comunidade e disseram-lhes: 3“Atarot, Dibon, Jazer, Nemra, Hesebon, Eleale, Sabam, Nebo e Meon, 4esta terra que Iahweh conquistou diante da comunidade de Israel é terra boa para os rebanhos, e os teus servos são criadores de gado.” 5Disseram: “Se achamos graça aos teus olhos, que seja esta terra dada em possessão aos teus servos; não nos faças passar o Jordão.” 6Moisés respondeu aos filhos de Gad e aos filhos de Rúben: “Irão os vossos irmãos à guerra e vós permanecereis aqui? 7Por que desencorajais os filhos de Israel para que não passem à terra que Iahweh lhes deu? 8Assim fizeram vossos pais quando os enviei, de Cades Barne, para ver a terra. 9Subiram até o vale de Escol, observaram a terra, e por fim desencorajaram os filhos de Israel, para que não viessem à terra que Iahweh lhes havia dado. 10Então a ira de Iahweh se inflamou naquele dia, e Iahweh fez este juramento: 11‘Estes homens que saíram do Egito, da idade de vinte anos para cima, jamais verão a terra que prometi, com juramento, a Abraão, a Isaac e a Jacó…, pois que não me seguiram de modo íntegro, 12a não ser Caleb, filho de Jefoné, o cenezeu, e Josué, filho de Nun: estes, sim, seguiram a Iahweh de modo íntegro!’13A ira de Iahweh se inflamou contra Israel e os fez andar errantes pelo deserto durante quarenta anos, até que desapareceu por completo aquela geração que fez o que desagradou a Iahweh. 14Eis que vós vos levantais em lugar dos vossos pais, como rebento de um tronco de pecadores, para aumentardes ainda mais o ardor da ira de Iahweh contra Israel! 15Se vós vos apartardes de Iahweh, ele aumentará ainda mais a vossa permanência no deserto e causareis a ruína de todo este povo.” 16Então aproximaram-se de Moisés e lhe disseram: “Desejamos construir aqui apriscos para os nossos rebanhos e cidades para as nossas crianças. 17Nós, porém, tomaremos as armas, à frente dos filhos de Israel, até que os conduzamos ao lugar que lhes é destinado; as nossas crianças permanecerão nas cidades fortificadas, ao abrigo dos moradores da terra. 18Não regressaremos às nossas casas enquanto cada um dos filhos de Israel não tiver tomado posse da sua herança. 19Pois não possuiremos herança com eles do outro lado do Jordão e nem mais além, visto que a nossa herança nos será concedida aquém do Jordão, ao oriente.” 20Disse-lhes Moisés: “Se realmente fizerdes assim, se sairdes para a guerra diante de Iahweh 21e se todos aqueles dentre vós que estão armados passarem o Jordão diante de Iahweh, até que tenha expulsado todos os seus inimigos diante dele, 22quando a terra estiver submetida a Iahweh, então podereis voltar; assim estareis desobrigados para com Iahweh e para com Israel, e esta terra será vossa propriedade diante de Iahweh. 23Porém, se não procederdes assim, pecareis contra Iahweh, e sabei que o vosso pecado vos achará. 24Construí, pois, cidades para vossas crianças e apriscos para as vossas ovelhas; contudo, aquilo que prometestes, cumpri-o.” 25Os filhos de Gad e os filhos de Rúben disseram a Moisés: “Teus servos farão aquilo que o meu senhor ordenou.26As nossas crianças, as nossas mulheres, os nossos rebanhos e todo o nosso gado permanecerá ali nas cidades de Galaad, 27mas os teus servos, aqueles que estão armados para a guerra, passarão, diante de Iahweh, para combater, como disse o meu senhor.” 28Então Moisés deu ordens a este respeito a Eleazar, o sacerdote, a Josué, filho de Nun, e aos chefes das casas patriarcais das tribos de Israel. 29Disse-lhes Moisés: “Se os filhos de Gad e os filhos de Rúben, todos aqueles que estão armados, passarem convosco o Jordão, para combater, diante de Iahweh, quando a terra estiver subjugada, dar-lhes-eis em possessão a terra de Galaad. 30Contudo, se não passarem armados convosco, receberão entre vós a sua propriedade, na terra de Canaã.” 31Os filhos de Gad e os filhos de Rúben responderam: “O que Iahweh disse a teus servos, nós o faremos. “Passaremos armados diante de Iahweh à terra de Canaã; e tu, dá-nos a posse da nossa herança deste lado do Jordão.” 33Moisés deu-lhes — aos filhos de Gad, aos filhos de Rúben e à meia tribo de Manassés, filho de José — o reino de Seon, rei dos amorreus, o reino de Og, rei de Basã, a terra com as cidades incluídas no seu território, e as cidades limítrofes do país. 34Os filhos de Gad construíram Dibon, Atarot e Aroer, 35Atrot-Sofã, Jazer, Jegbaa, 36Bet-Nemra, Bet-Arã, cidades fortificadas, e apriscos para os rebanhos. 37Os filhos de Rúben construíram Hesebon, Eleale, Cariataim, 38Nebo, Baal-Meon (cujos nomes foram mudados), Sabama. Deram outros nomes às cidades que construíram. 39Os filhos de Maquir, filho de Manassés, marcharam para Galaad. Conquistaram-na e expulsaram os amorreus que lá se encontravam. 40Moisés deu Galaad a Maquir, filho de Manassés, que se estabeleceu nela. 41 Jair, filho de Manassés, foi e tomou as suas aldeias e as chamou Aldeias de Jair. 42Nobe foi e tomou Canat e as cidades de sua vizinhança, e a chamou com o seu próprio nome, Nobe.

33 As etapas do Êxodo1Estas são as etapas que os filhos de Israel percorreram, desde que saíram da terra do Egito, segundo os seus esquadrões, sob a direção de Moisés e Aarão. 2Moisés registrou os seus pontos de partida, quando saíram sob a ordem de Iahweh. Estas são as suas etapas, segundo os seus pontos de partida. 3Partiram de Ramsés no primeiro mês. No décimo quinto dia do primeiro mês, no dia seguinte à Páscoa, partiram de mão erguida, aos olhos de todo o Egito. 4Os egípcios sepultavam aqueles que dentre eles foram feridos por Iahweh, todos os primogênitos; Iahweh fez justiça contra os seus deuses. 5Os filhos de Israel partiram de Ramsés e acamparam em Sucot. 6Em seguida partiram de Sucot e acamparam em Etam, que está nos limites do deserto. 7Partiram de Etam e voltaram em direção de Piairot, que está diante de Baal-Sefon, e acamparam diante de Magdol. 8Partiram de Piairot e alcançaram o deserto, depois de terem atravessado o mar, e depois de três dias de marcha no deserto de Etam acamparam em Mara. 9Partiram de Mara e chegaram a Elim. Em Elim havia doze fontes de água e setenta palmeiras; ali acamparam. 10Partiram de Elim e acamparam junto ao mar dos Juncos. 11Em seguida partiram do mar dos Juncos e acamparam no deserto de Sin. 12Partiram do deserto de Sin e acamparam em Dafca. 13Partiram de Dafca e acamparam em Alus. 14Partiram de Alus e acamparam em Rafidim; o povo não encontrou ali água para beber. 15Partiram de Rafidim e acamparam no deserto do Sinai. 16Partiram do deserto do Sinai e acamparam em Cibrot-ataava. 17Partiram de Cibrot-ataava e acamparam em Haserot. 18Partiram de Haserot e acamparam em Retma. 19Partiram de Retma e acamparam em Remon-Farés. 20Partiram de Remon-Farés e acamparam em Lebna. 21Partiram de Lebna e acamparam em Ressa. 22Partiram de Ressa e acamparam em Ceelata. 23Partiram de Ceelata e acamparam no monte Séfer. 24Partiram do Monte Séfer e acamparam em Harada. 25Partiram de Harada e acamparam em Macelot. 26Partiram de Macelot e acamparam em Taat. 27Partiram de Taat e acamparam em Taré. 28Partiram de Taré e acamparam em Matca. 29Partiram de Matca e acamparam em Hesmona. 30Partiram de Hesmona e acamparam em Moserot. 31Partiram de Moserot e acamparam em Benê-Jacã. 32Partiram de Henê-Jacã e acamparam em Hor-Gadgad. 33Partiram de Hor-Gadgad e acamparam em Jetebata. 34Partiram de Jetebata e acamparam em Ebrona. 35Partiram de Ebrona e acamparam em Asiongaber. 36Partiram de Asiongaber e acamparam no deserto de Sin, que é Cades. 37Partiram de Cades e acamparam na montanha de Hor, nos confins da terra de Edom. 38Aarão, o sacerdote, subiu à montanha de Hor, segundo a ordem de Iahweh, e lá morreu, no quadragésimo ano da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, no quinto mês, no primeiro dia do mês. 39Aarão tinha cento e vinte e três anos quando morreu na montanha de Hor. 40O rei de Arad, cananeu que habitava no Negueb, na terra de Canaã, foi informado da chegada dos filhos de Israel. 41Partiram da montanha de Hor e acamparam em Salmona. 42Partiram de Salmona e acamparam em Finon. 43Partiram de Finon e acamparam em Obot. 44Partiram de Obot e acamparam no território de Moab, em Jeabarim. 45Partiram de Jeabarim e acamparam em Dibon- Gad. 46Partiram de Dibon-Gad e acamparam em Elmon-Deblataim. 47Partiram de Elmon-Deblataim e acamparam nos montes de Abarim, defronte do Nebo. 48Partiram dos montes de Abarim e acamparam nas estepes de Moab, junto do Jordão, em direção a Jericó. 49Acamparam junto do Jordão, entre Bet-Jesimot e Abel-Setim, nas estepes de Moab.

Partilha de Canaã. A ordem de Deus50Iahweh falou a Moisés, nas estepes de Moab, junto do Jordão, em direção a Jericó. Disse: 51“Fala aos filhos de Israel; tu lhes dirás: Quando tiverdes atravessado o Jordão, em direção à terra de Canaã, 52expulsareis de diante de vós todos os habitantes da terra. Destruireis as suas imagens esculpidas, todas as suas estátuas de metal fundido, e demolireis todos os seus lugares altos. 53Tomareis posse da terra e nela habitareis, pois vos dei esta terra para a possuirdes. 54Dividireis a terra, por sorte, entre os vossos clãs. Àquele que é mais numeroso dareis uma parte maior na herança e àquele que é menos numeroso dareis uma parte menor na herança. Onde a sorte cair para cada um, aí será a sua herança. Fareis a divisão entre as vossas tribos. 55Contudo, se não expulsardes de diante de vós os habitantes da terra, aqueles que deixardes dentre eles se tornarão espinhos nos vossos olhos e aguilhões nas vossas ilhargas, vos hostilizarão na terra em que habitardes, 56e farei convosco aquilo que pensei fazer com eles.”

34 Fronteiras de Canaã1Iahweh falou a Moisés e disse: 2“Dá ordens aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando entrardes na terra (de Canaã), esta será a terra que vos caberá em herança: a terra de Canaã segundo as suas fronteiras. 3A região meridional do vosso domínio se estenderá a partir do desci to de Sin, que faz limite com Edom. A vossa fronteira meridional começará do lado do oriente, desde a extremidade do mar Salgado. 4Depois se voltará ao sul, em direção à subida dos Escorpiões, passará por Sin e chegara ao sul, a Cades-Barne. Em seguida irá em direção a Hasar-Adar e passará por Asemona. 5De Asemona a fronteira se voltará em direção à Torrente do Egito e terminará no Mar. 6Tereis por fronteira marítima o Grande Mar; este limite vos servirá de fronteira ao ocidente. 7Esta será a vossa fronteira setentrional: traçareis uma linha desde o Grande Mar até a montanha de Hor,8e da montanha de Hor traçareis uma linha até à Entrada de Emat, e a fronteira terminará em Sedada. 9Prosseguirá em direção a Zefrona e terminará em Hasar-Enon. Esta será a vossa fronteira setentrional. 10Em seguida traçareis vossa fronteira oriental de Hasar-Enon a Sefama. 11A fronteira descerá de Sefama em direção a Harbel, ao oriente de Ain. Descendo ainda tocará a margem oriental do mar de Quineret. 12A fronteira seguirá então o Jordão e irá terminar no mar Salgado. Esta será a vossa terra, com as fronteiras que fazem o seu contorno.” 13Moisés deu, então, esta ordem aos filhos de Israel: “Esta é a terra que repartireis como herança, para vós, por meio de sorte, e que Iahweh ordenou que se desse às nove tribos e à meia tribo. 14Porque a tribo dos filhos de Rúben, com as suas famílias, e a tribo dos filhos de Gad, com as suas famílias, já receberam a sua herança; a meia tribo de Manassés já recebeu também a sua herança. 15Estas duas tribos e a meia tribo já receberam a sua herança além do Jordão de Jerico, ao oriente, no levante.”

Os príncipes indicados para a partilha16Iahweh falou a Moisés e disse: 17“Estes são os nomes dos homens que repartirão a terra por herança entre vós: Eleazar, o sacerdote, e Josué, filho de Nun, 18e para cada tribo tomareis um príncipe para repartir a terra por herança. 19Estes são os nomes desses príncipes: Para a tribo de Judá, Caleb, filho de Jefoné; 20para a tribo dos filhos de Simeão, Samuel, filho de Amiud; 21para a tribo de Benjamim, Elidad, filho de Caselon; 22para a tribo dos filhos de Dã, o príncipe Boci, filho de Jogli; 23para os filhos de José, para a tribo dos filhos de Manassés, o príncipe Haniel, filho de Efod; 24e para a tribo dos filhos de Efraim, o príncipe Camuel, filho de Seftã; 25para a tribo dos filhos de Zabulon, o príncipe Elisafã, filho de Farnac; 26para a tribo dos filhos de Issacar, o príncipe Faltiel, filho de Ozã; 27para a tribo dos filhos de Aser, o príncipe Aiud, filho de Salomi; 28para a tribo dos filhos de Neftali, o príncipe Fedael, filho de Amiud.” 29São esses aos quais Iahweh ordenou que atribuíssem aos filhos de Israel a sua parte de herança na terra de Canaã.

35 A parte dos levitas1Iahweh falou a Moisés, nas etepes de Moab, junto do Jordão, em direção a Jericó. Disse: 2“Ordena aos filhos de Israel que, da herança que possuem, dêem aos levitas cidades, para que nelas habitem, e pastagens ao redor das cidades. Dareis tais cidades aos levitas. 3As cidades serão sua habitação e as pastagens nos seus arredores serão para os seus rebanhos, seus bens e todos os seus animais. 4As pastagens nos arredores das cidades que dareis aos levitas se estenderão, a partir da muralha da cidade, até mil côvados ao seu redor. 5Medireis, fora da cidade, dois mil côvados para o lado oriental, dois mil côvados para o lado meridional, dois mil côvados para o lado ocidental, dois mil côvados para o lado setentrional, ficando a cidade no centro; essas serão as pastagens dessas cidades. 6As cidades que dareis aos levitas serão as seis cidades de refúgio, cedidas por vós para que o homicida possa nelas se refugiar; além dessas dareis mais quarenta e duas cidades. 7Ao todo, dareis aos levitas quarenta e oito cidades, as cidades com as suas pastagens. 8As cidades que dareis da possessão dos filhos de Israel, vós as tomareis em maior número dos que têm muito e em pequeno número dos que têm pouco. Cada um dará das suas cidades aos levitas, em proporção com a herança que tiver recebido.”

As cidades de refúgio9Iahweh falou a Moisés e disse: 10“Fala assim aos filhos de Israel. Quando tiverdes passado o Jordão para a terra de Canaã, 11escolhereis cidades das quais fareis cidades de refúgio, onde possa refugiar-se o homicida que tenha morto alguém inadvertidamente. 12Essas cidades vos servirão de refúgio contra o vingador do sangue, e o homicida não deverá morrer antes de ter comparecido para julgamento, diante da comunidade. 13As cidades que dareis serão para vós seis cidades de refúgio: 14dareis três delas aquém do Jordão e outras três dareis na terra de Canaã, e serão cidades de refúgio. 15Tanto para os filhos de Israel como para o estrangeiro e para aquele que mora no meio de vós, essas seis cidades servirão de refúgio, onde possa se refugiar aquele que matar alguém involuntariamente. 16Contudo, se feriu com um objeto de ferro e disso resultou a morte, é um homicida. O homicida será morto. 17Se feriu com uma pedra apropriada para matar e a pessoa morrer, é um homicida. O homicida será morto. 18Ou ainda, se feriu com um instrumento de madeira, apropriado para matar, e a pessoa morrer, é um homicida. Será morto o homicida. 19O vinga dor do sangue matará o homicida. Quando o encontrar, matá-lo-á. 20Se o homicida empurrou a vítima com ódio ou, a fim de atingi-la, lançou-lhe um projétil mortal, 21ou ainda sé, por inimizade, a esmurrou de modo mortal, aquele que a feriu deve morrer; é um homicida que o vinga dor do sangue matará quando o encontrar. 22Contudo, se empurrou a vítima fortuitamente, sem inimizade, ou se lançou contra ela algum projétil sem procurar atingi-la, 23ou se, sem a ver, deixou cair sobre ela uma pedra própria para matar e disto resultou a sua morte, embora não tivesse contra ela nenhum ódio e não lhe desejasse mal algum, 24a comunidade julgará, segundo estas regras, entre o que feriu e o vingador do sangue, 25e salvará o homicida da mão do vingador do sangue. E o fará voltar à cidade de refúgio onde se refugiará e ali permanecerá até à morte do sumo sacerdote que foi ungido com óleo santo. 26Se o homicida vier a sair do território da cidade de refúgio onde se havia refugiado, 27e o vingador do sangue o encontrar fora do território da sua cidade de refúgio, o vingador do sangue poderá matá-lo sem medo de represálias, 28visto que o homicida deve permanecer na sua cidade de refúgio até à morte do sumo sacerdote; somente após a morte do sumo sacerdote poderá voltar à terra de sua possessão. 29Essas serão regras de direito para vós e para vossas gerações, em qualquer lugar onde habitardes. 30Em todo caso de homicídio, o homicida será morto mediante o depoimento de testemunhas; mas uma única testemunha não levará alguém à pena de morte. 31Não aceitareis resgate pela vida de um homicida condenado à morte, pois ele deverá morrer; 32também não aceitareis resgate por alguém que, tendo-se refugiado na sua cidade de refúgio, quer voltar a habitar a sua terra antes da morte do sumo sacerdote. 33Não profanareis a terra onde estais. O sangue profana a terra, e não há para a terra outra expiação do sangue derramado senão a do sangue daquele que o derramou. 34Não tornarás impura a terra onde habitais e no meio da qual eu habito. Pois eu, Iahweh, habito no meio dos filhos de Israel.”

36 A herança da mulher casada1Apresentaram-se, então, os chefes das casas patriarcais do clã dos filhos de Galaad, filho de Maquir, filho de Manassés, um dos clãs dos filhos de José. Tomaram a palavra, na presença de Moisés e dos príncipes, chefes das casas patriarcais dos filhos de Israel, 2e disseram: “Iahweh ordenou a meu senhor que se desse a terra aos filhos de Israel, repartindo-a por meio de sorte; e o meu senhor recebeu de Iahweh ordem de dar a parte da herança de Salfaad, nosso irmão, às suas filhas. 3Ora, se elas se casarem com um membro de outra tribo dos filhos de Israel, a parte que lhes pertence será subtraída da parte dos nossos pais. A parte da tribo à qual vão pertencer será acrescida, e a parte que nos foi dada por sorte será reduzida. 4E quando chegar o jubileu para os filhos de Israel, a parte dessas mulheres será acrescentada à parte da tribo à qual vão pertencer, e será subtraída da parte da nossa tribo.” 5Moisés, segundo a ordem de Iahweh, ordenou aos filhos de Israel. Disse-lhes: “A tribo dos filhos de José falou o que é justo. 6Eis o que Iahweh ordena para as filhas de Salfaad: Casar-se-ão com quem lhes agradar, conquanto que se casem com alguém de um clã da tribo do seu pai. 7A herança dos filhos de Israel não passará de tribo a tribo; os filhos de Israel permanecerão vinculados, cada um, à herança da sua tribo. 8Qualquer filha que possuir uma herança em uma das tribos dos filhos de Israel deverá casar-se com alguém de um clã da sua tribo paterna, de modo que os filhos de Israel conservem, cada um, a herança de seu pai. 9Uma herança não poderá ser transferida de uma tribo para outra: cada uma das tribos dos filhos de Israel permanecerá vinculada à sua herança.” 10As filhas de Salfaad procederam conforme Iahweh ordenara a Moisés. 11Maala, Tersa, Hegla, Melca e Noa, filhas de Salfaad, casaram-se com os filhos dos seus tios paternos. 12Visto que elas se casaram dentro dos clãs dos filhos de Manassés, filho de José, a herança delas permaneceu na tribo do clã de seu pai.

Conclusão13Esses são os mandamentos e as normas que Iahweh ordenou aos filhos de Israel, por intermédio de Moisés, nas estepes de Moab, junto do Jordão, a caminho de Jericó.

LEVÍTICO
DEUTERONÔMIO
Ajude a Melhorar Ainda Mais o site, Avalie: