MIQUÉIAS

0
2
JONAS
NAUM

MIQUÉIAS

1 1Palavra de Iahweh que foi dirigida a Miquéias de Morasti, nos dias de Joatão, Acaz e Ezequias, reis de Judá, e o que ele viu a respeito de Samaria e de Jerusalém.

I. O processo de Israel

AMEAÇAS E CONDENAÇÕES O julgamento de Samaria

2Ouvi, povos todos, presta atenção, terra, e o que a habita! Que Iahweh seja testemunha contra vós, o Senhor saiu de seu santo Templo! 3Porque eis que Iahweh sai de seu lugar santo, ele desce e pisa sobre os altos da terra. 4Debaixo dele os montes se derretem e os vales se desfazem como a cera junto do fogo, como a água derramada em uma encosta. 5Tudo isso por causa do crime de Jacó, por causa dos pecados da casa de Israel. Qual é o crime de Jacó? Não é Samaria? Qual é o pecado da casa de Judá?Não é Jerusalém? 6Farei da Samaria um campo de ruínas, uma plantação de vinhas. Lançarei as suas pedras para o vale e desnudarei os seus fundamentos. 7Todos os seus ídolos serão destroçados, todos os seus salários serão queimados pelo fogo, e arruinarei todas as suas imagens, já que elas foram ajuntadas com o salário da prostituição tornar-se-ão de novo salário da prostituição.

Lamentação sobre as cidades da Planície 8Por isso eu me lamentarei e gemerei, andarei descalço e nu, lançarei lamentos como os chacais, e gemidos como os filhotes de avestruz. 9Porque é incurável o golpe de Iahweh, sim, ele chegou até Judá, bateu até à porta do meu povo, até em Jerusalém! 10Em Gat não anuncieis,em… não choreis! Em Bet-Leafra revolvei-vos no pó! 11Soa a trombeta, tu que moras em Safir! Não saiu de sua cidade, aquela que habita em Saanã! Bet-Esel é arrancada de seus alicerces, da base de seu apoio!’ 12Poderá esperar o bem o habitante de Marot? Porque a desgraça desceu de Iahweh até à porta de Jerusalém. 13Atrela ao carro o cavalo, habitante de Laquis! (Este foi o começo do pecado para a filha de Sião, porque em ti foram encontrados os crimes de Israel.) 14Por isso darás um dote a Morasti-Gat. Bet-Acziab será uma decepção para os reis de Israel. 15O conquistador voltará de novo a ti, habitante de Maresa!A glória de Israel irá até Odolam! 16Corta os cabelos, raspa-os pelos filhos da tua alegria! Alarga a tua calva como a águia, porque eles foram exilados para longe de ti!

2 Contra os usurários1Ai daqueles que planejam iniqüidade e que tramam o mal em seus leitos! Ao amanhecer, eles o praticam, porque está no poder de sua mão. 2Se cobiçam campos, eles os roubam, se casas, eles as tomam; eles oprimem o varão e sua casa, o homem e sua herança. 3Por isso, assim disse Iahweh: Eis que eu planejo contra essa tribo uma desgraça, da qual não podereis livrar os vossos pescoços, e não podereis caminhar de cabeça erguida, porque este será um tempo de desgraça! 4Naquele dia, entoarão sobre vós uma sátira, cantarão uma lamentação e dirão: “Fomos completamente devastados, uma parte de meu povo será alienada, ninguém lha devolve; ao que nos pilha, são distribuídos os nossos campos.” 5Por isso não tereis quem meça uma parte na assembléia de Iahweh.

O profeta da desgraça

6Não vaticineis, eles vaticinam, eles não devem vaticinar assim! O opróbrio não nos atingirá. 7Será maldita a casa de Jacó? Perdeu Iahweh, por acaso, a paciência? É este o seu modo de agir? Não são boas as suas palavras para o seu povo Israel?8Sois vós que vos levantais como inimigos contra o meu povo. A quem não tem falta arrancais o seu manto; a quem se crê em segurança infligis os desastres da guerra.” 9As mulheres do meu povo vós expulsais da casa de seus prazeres; de seus filhos tirais, para sempre, a minha glória. 10“Levantai-vos e ide! Pois este não é o lugar de repouso!” Por um nada costumais penhorar, é uma penhora destruidora. “Se há um homem que corre atrás do vento e inventa mentira: “Eu te vaticino vinho e bebida embriagadora!”, ele seria o vaticinador desse povo.

Promessas de restauração 12Reunir-te-ei todo inteiro, Jacó, congregarei o resto de Israel! Agrupá-los-ei como ovelhas no aprisco, como um rebanho no meio da várzea, e haverá ruído longe dos homens. 13Subiu diante deles aquele que abre a brecha; eles abriram a brecha, passaram pela porta e saíram por ela; seu rei passou diante deles e Iahweh estava na frente deles.

3 Contra os chefes que oprimem o povo 1E eu digo: Ouvi, pois, chefes da casa de Jacóe magistrados da casa de Israel! Por acaso não cabe a vós conhecer o direito, 2a vós que odiais o bem e amais o mal, (que lhes arrancais a pele, e a carne de seus ossos)? 3Aqueles que comeram a carne de meu povo, arrancaram-lhe a pele, quebraram-lhe os ossos, cortaram-no como carne na panela e como vianda dentro do caldeirão, 4então eles clamarão a Iahweh,e ele não lhes responderá. Ele lhes esconderá a sua face naquele tempo, porque os seus atos foram maus!

Contra os profetas mercenários? 5Assim disse Iahweh aos profetas que seduzem o meu povo: Aqueles que, se têm algo para morder em seus dentes, proclamam: “Paz”. Mas a quem não lhes põe nada na boca, eles declaram a guerra! 6Por isso a noite será para vós sem visão, e as trevas para vós sem oráculo. Pôr-se-á o sol para os profetas e o dia obscurecer-se-á para eles. 7Os videntes se envergonharão, os adivinhos serão confundidos e cobrirão todos a barba, porque não há resposta de Deus. 8Eu, contudo, estou cheio de força, (do espírito de Iahweh) de direito e de coragem, para anunciar a Jacó o seu crime e a Israel o seu pecado.

Aos responsáveis: anúncio da ruína de Sião 9Ouvi, pois, isto, chefes da casa de Jacó e magistrados da casa de Israel, vós que detestais o direito, que torceis o que é reto, 10vós que edificais Sião com o sangue e Jerusalém com injustiça! 11Seus chefes julgam por suborno, seus sacerdotes ensinam por salário e seus profetas vaticinam por dinheiro. E eles se apóiam em Iahweh, dizendo: “Não está Iahweh em nosso meio? Não virá sobre nós a desgraça!” 12Por isso, por culpa vossa, Sião será arada como um campo, Jerusalém se tornará um lugar de ruínas, e a montanha do Templo, um cerro de brenhas!

II. Promessas a Sião

4 O reino futuro de Iahweh em Sião 1E acontecerá, no fim dos dias, que a montanha da casa de Iahweh estará firme no cume das montanhas e se elevará acima das colinas. Então, povos afluirão para ela, 2virão numerosas nações e dirão: “Vinde, subamos a montanha de Iahweh, para a Casa do Deus de Jacó. Ele nos ensinará os seus caminhos e caminharemos pelas suas vias. Porque de Sião sairá a Lei, e de Jerusalém a palavra de Iahweh”. 3Ele julgará entre povos numerosos e será o árbitro de nações poderosas. Eles forjarão de suas espadas arados, e de suas lanças, podadeiras. Uma nação não levantará a espada contra outra nação e não se prepararão mais para a guerra. 4Cada qual se sentará debaixo de sua vinha e debaixo de sua figueira, e ninguém o inquietará, porque a boca de Iahweh dos Exércitos falou! 5Sim, todos os povos caminham, cada qual em nome do seu deus: nós, porém, caminhamos em nome de Iahweh, nosso Deus, para sempre e eternamente!

A reunião do rebanho disperso em Sião 6Naquele dia — oráculo de Iahweh — reunirei as estropiadas, congregarei as dispersas e as que maltratei. 7Farei das estropiadas um resto, e das dispersas uma nação poderosa. E Iahweh reinará sobre elas no monte Sião, desde agora e para sempre. 8E tu, Torre do Rebanho, Ofel da filha de Sião, em ti entrará a autoridade antiga, a realeza da filha de Jerusalém.

Assédio, exílio e libertação de Sião 9Agora por que gritas? Não tens um rei contigo? Desapareceram os teus conselheiros, para que a dor se apodere de ti como de uma parturiente? 10Contorce-te e grita, filha de Sião, como uma parturiente, porque agora sairás da cidade e habitarás no campo. Irás para Babel e lá serás libertada; lá Iahweh te resgatará da mão de teus inimigos.

As nações pisadas na eira

11Mas agora reúnem-se contra ti numerosas nações, que dizem: “Seja profanada! Que os nossos olhos se saciem de Sião!” 12Mas elas não conhecem os planos de Iahweh e não compreendem o seu desígnio: ele as ajunta como o feixe na eira. 13Levanta-te e pisa o grão, filha de Sião, porque farei de ferro os teus chifres e teus cascos farei de bronze, para que esmagues numerosos povos. Consagrarás a Iahweh os seus despojos, e sua riqueza ao Senhor de toda a terra.

Desastre e glória da dinastia de Davi

14Agora, fortifica-te, Fortaleza!Colocaram um cerco contra nós. Com uma vara eles ferem na face o juiz de Israel.

5 1Mas tu, (Belém), Éfrata, embora o menor dos clãs de Judá, de ti sairá para mim aquele que será dominador em Israel.Suas origens são de tempos antigos, de dias imemoráveis. 2Por isso ele os abandonará até o tempo em que a parturiente dará à luz. Então o resto de seus irmãos voltará para os filhos de Israel. 3Ele se erguerá e apascentará o rebanho pela força de Iahweh, pela glória do nome de seu Deus. Eles se estabelecerão, pois então ele será grande até os confins da terra.

O vencedor futuro da Assíria

4E este será a paz! Se a Assíria invadir a nossa terra, e se pisar nosso território, levantaremos contra ela sete pastores, oito chefes de homens. 5Eles apascentarão a terra da Assíria pela espada e a terra de Nemrod pelo seu punhal. Ele nos libertará da Assíria, se ela invadir a nossa terra e se pisar a nossa fronteira.

O futuro papel do Resto entre as nações

6O resto de Jacó será, no meio de numerosos povos, como um orvalho vindo de Iahweh, como gotas de chuva sobre a erva, que não espera no homem e não conta com o filho do homem. 7O resto de Jacó será, no meio de numerosos povos, como um leão entre os animais da floresta, como um leãozinho em rebanhos de ovelhas, que quando passa, esmaga, despedaça e não há quem salve.

Iahweh suprimirá todas as tentações 8Que a tua mão se eleve contra os teus adversários e que todos os teus inimigos sejam aniquilados! 9E acontecerá, naquele dia, — oráculo de Iahweh — que eu aniquilarei os teus cavalos no meio de ti e farei desaparecer os teus carros; 10aniquilarei as cidades da tua terra e destruirei todas as tuas fortalezas; 11aniquilarei os sortilégios de tua mão, e não terás mais adivinhos; 12aniquilarei as tuas estátuas e as tuas esteias de teu meio, e não te prostrarás mais diante da obra de tuas mãos, 13arrancarei do teu seio os teus postes sagrados e destruirei as tuas cidades. 14Com ira e com furor tomarei vingança das nações que não ouviram!

III. Novo processo de Israel

REPREENSÕES E AMEAÇAS

6 Iahweh processa o seu povo 1Ouvi, pois, o que diz Iahweh: “Levanta-te, abre um processo diante das montanhas, e que as colinas ouçam a tua voz!” 2Ouvi, montanhas, o processo de Iahweh, prestai ouvidos, fundamentos da terra, porque Iahweh está em processo com o seu povo, e contra Israel ele pleiteia. 3“Meu povo, que te fiz eu? Em que te cansei? Responde-me! 4Sim, eu te fiz subir da terra do Egito, resgatei-te da casa da escravidão e enviei diante de ti Moisés, Aarão e Maria. 5Meu povo, lembra-te do que maquinava Balac, rei de Moab, e o que lhe respondeu Balaão, filho de Beor, … desde Setim até Guilgal, para que reconheças o procedimento justo de Iahweh”. 6— “Com que me apresentarei a Iahweh, e me inclinarei diante do Deus do céu? Porventura me apresentarei com holocaustos ou com novilhos de um ano? 7Terá Iahweh prazer nos milhares de carneiros ou nas libações de torrentes de óleo? Darei eu o meu primogênito pelo meu crime, o fruto de minhas entranhas pelo meu pecado?” 8— “Foi-te anunciado, ó homem, o que é bom, e o que Iahweh exige de ti: nada mais do que praticar o direito, gostar do amor e caminhar humildemente como teu Deus!”

Contra os defraudadores na cidade

9A voz de Iahweh convoca a cidade: Ouvi, tribo e assembléia da cidade! 10Posso eu suportar uma medida falsa” e um efá diminuído, abominável? 11Posso eu inocentar as balanças falsas e uma bolsa de pedras falsificadas? 12Pois seus ricos estão cheios de violência, seus habitantes mentem e sua língua é falsidade em suas bocas. 13Eu, também, comecei a golpear-te, a devastar-te por causa de teus pecados. 14Tu comerás, mas não te saciarás, colocarás à parte, mas não poderás salvar; e o que salvares, eu entregarei à espada. 15Tu semearás, mas não poderás colher, pisarás a azeitona, mas não te ungirás com o óleo, o mosto, mas não beberás o vinho.

O exemplo de Samaria 16Tu guardas os preceitos de Amri, todas as práticas da casa de Acab; andas conforme os seus princípios, para que eu te entregue à devastação e teus habitantes ao opróbrio. Carregareis a vergonha dos povos.

7 A injustiça universal 1Ai de mim! Porque sou como um ceifeiro de verão, como o que recolhe depois da vindima: Não há um cacho sequer para comer, nem um figo temporão que eu desejo! 2O fiel desapareceu da terra, e não há um justo entre os homens! Todos estão à espreita de sangue, cada qual persegue o seu próximo. 3Para fazer o mal as suas mãos são hábeis: o príncipe exige, o juiz julga por suborno e o grande expressa a sua ambição. 4O melhor deles é como um espinheiro, o mais reto como uma sebe de espinhos. Hoje chega do norte o seu castigo; será então a sua confusão. 5Não confieis no próximo, não ponhais a vossa confiança em um amigo; diante daquela que dorme em teu seio, guarda-te de abrir a tua boca. 6Porque o filho insulta o pai, a filha levanta-se contra a sua mãe, a nora contra a sua sogra, os inimigos do homem são as pessoas de sua casa. 7Mas eu olho confiante para Iahweh, espero no Deus meu Salvador, meu Deus me ouvirá.

IV. Esperanças

Sião sob os insultos da inimiga 8Não te alegres por minha causa, minha inimiga: se caí, levantar-me-ei; se habito nas trevas, Iahweh é a minha luz. 9Devo carregar a ira de Iahweh, porque pequei contra ele, até que ele julgue a minha causa e restabeleça o meu direito; ele me fará sair à luz, e eu contemplarei a sua justiça. 10Minha inimiga verá, e a vergonha a cobrirá, a ela que me dizia: “Onde está Iahweh, teu Deus?” Meus olhos a verão, quando for pisoteada como a lama das ruas.

Oráculo de restauração

11Dia de reconstruir as tuas muralhas! Dia esse em que estenderão as tuas fronteiras, 12dia esse em que virão a ti desde a Assíria até o Egito, desde Tiro até o rio, de um mar a outro, de. uma montanha a outra. 13O país se tornará uma desolação, por causa de seus habitantes, como fruto de suas ações.

Oração pela confusão das nações 14Apascenta o teu povo com o teu cajado, o rebanho de tua herança, que mora sozinho na floresta, em meio a uma terra frutífera. Que pastem em Basã e em Galaad, como nos dias antigos! 15Como nos dias de tua saída da terra do Egito, faz-nos ver maravilhas! 16Que as nações vejam e se envergonhem, apesar de todo o seu poderio, que ponham a mão na boca, e seus ouvidos fiquem surdos. 17Que lambam o pó como a serpente, como os animais que rastejam sobre a terra. Que saiam tremendo de suas fortalezas, que temam e tenham medo diante de ti.

Apelo ao perdão divino 18Qual deus é como tu, que tira a culpa e perdoa o crime, que não guarda para sempre a sua ira, porque prefere o amor? 19Manifesta novamente a tua misericórdia por nós, calca aos pés as nossas faltas e lança no fundo do mar todos os nossos pecados! 20Concede a Jacó tua fidelidade, misericórdia a Abraão, como juraste a nossos pais desde os dias de antanho.

JONAS
NAUM
Ajude a Melhorar Ainda Mais o site, Avalie: